Como escrever um romance

Estante cheia de livros

Muitos de nós já fantasiou sobre a ideia de escrever um romance, moldando assim aquela história que de repente nos ocorre ou que esteve pairando em nossa cabeça por anos.

No entanto, às vezes devido à preguiça, às vezes devido à falta de tempo e, na maioria dos casos, devido a sem saber por onde começar colocamos essa ideia de lado e acabamos esquecendo dela.

A verdade é que escrever um romance é uma tarefa que exige um esforço notável, muita perseverança e, acima de tudo, uma série de conhecimentos técnicos que não podemos deixar de lado se quisermos ter sucesso em nossa difícil mas estimulante companhia. existir vários aspectos que não devemos negligenciar se pretendemos levar a sério nossas criações narrativas.

Ao longo deste artigo iremos apresentá-los brevemente e nos sucessivos iremos parar em cada um deles, definindo-os e fazendo algumas notas de interesse, bem como oferecendo várias dicas cerca de. Claro, a intenção deste post não é oferecer grandes novidades a esse respeito (já que a profissão de romancista é muito antiga e milhares e milhares de ensaios foram escritos sobre como enfrentar o processo criativo na narrativa), mas sim pretende ser algo e também uma espécie de compêndio dos principais pontos presentes na grande maioria dos manuais. Por isso, neste primeiro contato nos limitaremos a ver os 10 pontos que julgamos essenciais para escrever um romance, e a seguir nos aprofundaremos em cada um deles, acrescentando neste mesmo artigo os links relevantes como eles aparecem. Vamos publicar para que você possa acessá-los com um simples clique.

Compondo um script ou resumo

Embora cada um siga seu próprio método para desenvolver seu romance, uma das dicas mais repetidas nos diversos cursos e manuais de narrativa é a criando um resumo ou script isso nos permite saber para onde vai nossa história. Isso geralmente é precedido por um brainstorming em que, como um rascunho, as diferentes ideias e cenas que formarão a espinha dorsal da narrativa são viradas. Uma vez obtidos, são dispostos no resumo, que, de forma mais ou menos detalhada, descreve cada cena ou cada capítulo da obra, sendo uma espécie de esqueleto ou guia da mesma que nos permitirá avançar com um passo seguro. .

A criação dos personagens

Outro ponto que não devemos descurar é a criação de personagens credíveis, com personagens reconhecíveis e com condicionamentos e contradições próprios, evitando sempre criar meros fantoches sem personalidade própria. É por isso que devemos trabalhar bem na psicologia de cada um deles sendo imprescindível, segundo a maioria dos manuais de criação narrativa, a elaboração de fichas de personagem que nos permitam conhecê-las em profundidade e internalizar seus objetivos e motivações antes de colocá-las para agir ou falar. Em seu artigo correspondente ofereceremos algumas chaves para alcançar a verossimilhança de nossos personagens, bem como uma proposta das cartas que usaremos para coletar todas as informações sobre eles antes de começar a escrever.

O narrador

Embora nem todos tenham clareza sobre isso, o narrador é uma entidade ficcional totalmente diferente do escritor da obra. É a voz essencial do romance, que não poderia existir sem sua presença. É fundamental conhecer os tipos de narradores que existem e as características de cada um deles para escolher a que melhor se adapta à história que queremos contar para valorizar a sua qualidade. Devemos também respeitar a escolha que fazemos, permanecendo fiéis a ela e sem que o narrador contradiga sua própria figura. Quando chegar a hora, faremos uma pausa sobre cada um dos tipos existentes de narrador e suas características.

Tempo

O tratamento do tempo é outro dos fatores essenciais para construir um romance com certa solvência. Para isso devemos diferenciar vários aspectos relacionados ao tempo assim como o tempo em que a história se passa, a duração dos eventos e o ritmo temporal do romance com suas ampliações, digressões, resumos e reticências. A priori parece algo simples, mas como veremos em breve, é uma tarefa que requer muito esforço e atenção. Vamos nos aprofundar nos aspectos temporais em alguns dos artigos a seguir.

O espaço

Não menos importante do que o tempo é o espaço em que a ação ocorre. Neste ponto, é muito importante documentar se pretendemos colocar nosso romance em um lugar real, bem como executar com maestria as descrições relevantes que permitem ao leitor ter uma boa ideia do local que escolhemos. O desenvolvimento de cartões espaciais é uma boa ideia para ser consistente em todo o trabalho com o espaço projetado para ele.

documentação

Apesar de aparecer em sexto lugar, é uma das primeiras coisas que devemos fazer, possivelmente após (ou durante) o desenvolvimento do resumo, para não termos que interromper o processo de escrever o romance por mais tempo do que deveria. entrou na tarefa. No entanto, é algo que não termina na fase anterior à escrita, pois à medida que progredimos em nossa criação, novos aspectos vão surgindo nos quais precisaremos nos documentar para obter credibilidade à narração. Se é um romance histórico, este se apresenta como um dos aspectos fundamentais para se obter um resultado notável.

Caneta esferográfica em caderno quadrado

O estilo

A maioria dos manuais narrativos são muito claros quanto ao estilo: tente ser claro, pareça natural e evite linguagem engolida artificialmente: não diga com duas palavras o que você pode dizer com uma. No devido tempo, nos artigos subsequentes, veremos a importância de diferenciar claramente o estilo do narrador do estilo usado nos diálogos, que deve estar sujeito à forma de falar de cada um dos personagens. Também tentaremos apontar alguns erros comuns que devemos tentar evitar.

Histórias incorporadas

É comum na narrativa a presença de histórias inseridas, ou seja, de histórias secundário contido na história principal, e que muitas vezes são referidos por um dos personagens. É um procedimento que confere grande riqueza e complexidade ao romance e que por vezes serviu para estruturar obras inteiras como "As Mil e Uma Noites". É necessário conhecer bem esta técnica para poder realizá-la de forma satisfatória.

O processo de revisão e correção

É importante criticar o que escrevemos, tanto uma vez que o trabalho esteja concluído, a fim de corrigir possíveis erros ou melhorar as passagens com as quais não estamos totalmente satisfeito, como durante a escrita do mesmo, para evitar ter que mudar muitos fragmentos após o acabamento. Às vezes podemos contar com ajuda externa (seja profissional ou a simples mas valiosa opinião de leitores do nosso meio em cujos critérios confiamos), mas a última palavra sobre o que deve ser mudado é única e exclusivamente nossa. É possivelmente uma das fases mais tediosas e repetitivas do processo, devido à sua falta de criatividade e à raiva que vem de ter que apagar o que nos custou escrever na hora, mas depende se o resultado de nossa romance é satisfatório.

A atitude

Para ser escritor ... você tem que ter atitude de escritor. Em suma, isso significa ser muito claro sobre por que queremos (ou precisamos) escrever, mas acima de tudo ... começar a trabalhar e fazê-lo. O mundo está cheio de escritores que nunca falaram mais do que dois parágrafos, mas que em suas cabeças são potenciais criadores de bestsellers que estão apenas esperando as condições necessárias para encantar a todos nós com seu trabalho. Eles certamente não sabem ainda o ofício. Começar a escrever é tão necessário quanto criar uma rotina e hábitos de escrita, tendo alguma constância, leia tanto quanto possível continuar aprendendo e acima de tudo, o mais importante: curtir o que fazemos, senão nada disso faria sentido.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   scylla dito

    Os dez pontos são, penso eu, muito razoáveis. Carregado de razões e opiniões judiciosas sobre a profissão de escritor. Porém, penso que, como em tudo, todos têm seus usos e costumes, mas outros fogem de regras e rotinas, deixam seu cérebro ditar às mãos desajeitadas que se movem lentamente em sua tarefa de transcrever fragmentos de uma história obscura.
    A ordem sempre parece aconselhável, mas, assim como muitos escritores usam o método descrito com aplicação e convicção, também há aqueles que se deixam levar pela necessidade de escrever, pois ela brota de sua memória, de seus sonhos ou pesadelos, que finalmente serão uma história da qual ele não conhece a priori o curso ou o fim. Esse tipo de autor será, poderá ser o primeiro a ser surpreendido pela história contada ao escrever a palavra FIM.