Como analisar um poema

Fragmento de um poema de Miguel Hernández.

Fragmento de um poema de Miguel Hernández.

Do ponto de vista acadêmico literário, Saber os passos a seguir para saber como analisar um poema é essencial. Atualmente, todos os tipos de empregos são normalmente encontrados na Internet, de artigos da Web bastante informais a documentos pedagógicos em revistas indexadas. Todos eles geralmente coincidem em um ponto: os poemas são um tipo de expressão lírica estruturada em versos.

Portanto, ao analisar um poema É importante revisar as definições como: estrofe, objeto lírico, rima, sinalepha, sinérese, entre outras. Desta forma, os poemas podem ser classificados, interpretados e “medidos”. Claro, sem pretender formar critérios unânimes, uma vez que uma narrativa estilizada surgida da inspiração sempre tem uma grande carga subjetiva para quem a lê.

Poético

Poético é o sistema ou processo de análise de poesia. Baseia-se na identificação dos elementos mais relevantes dentro da estrutura do poema. Embora um poema deva ser entendido mais como um todo, seu prazer não deriva da fragmentação de suas partes para um exame detalhado. Porque, afinal, um poema é uma expressão de beleza por meio de palavras escritas.

Embora nem todos sejam manifestações sublimes quando se trata de poesia, poemas motivados pelo medo ou terror não podem ser ignorados. Em qualquer caso, a maioria é de natureza épica, cujas letras podem refletir exaltações ou reflexões dramáticas, românticas e de amizade. A Poética é baseada nos seguintes conceitos:

Versificação

É uma análise estilística que busca categorizar o poema (no soneto, ode, romance ...), bem como determinar o tipo de estrofes (quadra, limerick, oitavo ou décimo). Da mesma forma, a versificação inclui rima (assonância ou consoante), léxico (palavras-chave, uso de substantivos, adjetivos) e recursos literários (personificação, metáforas, onomatopeia, anáfora).

Conteúdo e interpretação

É sobre o motivo ou objeto da escrita. A pergunta indispensável é: qual é a mensagem do poema? Assim, “como” o receptor decifra o sentido da obra depende diretamente da linha narrativa criada pelo autor. Crucial neste ponto é a capacidade do escritor de evocar emoções, imagens, sensações - e até intuição - no leitor, por meio de símiles ou antíteses.

O uso de recursos literários deve ser consistente com o tema do poema. É comum que as obras mais marcantes sejam aquelas que expressam o humor do poeta.. Seja se referindo a família, solidão ou sobrevivência.

José de Espronceda.

José de Espronceda.

Os elementos do gênero lírico

objeto lírico:

É a pessoa, entidade ou circunstância que causa os sentimentos na voz poética. Geralmente tem uma referência palpável, precisa e concreta (um ser vivo ou um objeto particular, por exemplo).

Orador lírico:

É a voz do poema, emitida por um narrador. Também pode ser a voz de um personagem diferente do autor dentro da composição literária. Expressar sentimentos e emoções de um ponto de vista intrínseco no mundo do trabalho.

Atitude lírica:

Disposição ou forma de expressar ideias dentro de um poema para descrever uma realidade. Pode ser:

  • Enunciativo: quando o locutor lírico se refere em primeira ou terceira pessoa a uma situação ou elemento externo a ele.
  • Apostrófica: quando o locutor lírico aponta para uma segunda pessoa (interpelação) que pode ou não coincidir com o objeto lírico.
  • Carmine: quando a manifestação do locutor lírico vem do eu interior. Geralmente é na primeira pessoa e com uma perspectiva subjetiva marcada.

Movimento lírico ou tema:

Ele representa o contexto, cenários, pensamentos e emoções que avivam a sensibilidade do poeta.

Têmpera:

Refere-se à atitude emocional manifestada pelo poeta. Isso pode refletir tristeza ou alegria. Raiva, indignação ou terror também são comuns.

Medida de versos

O número de sílabas em cada verso determina se eles são de arte menor (com oito sílabas métricas ou menos. Além disso, se forem de arte importante (nove ou mais sílabas métricas). Da mesma forma, deve-se levar em consideração se tremas, sinalefas ou sinérese são observados. Esses fatores modificam a contagem total de sílabas de um verso.

Trema:

Separação de vogais que normalmente seria uma única sílaba. Isso produz uma alteração na pronúncia normal de uma palavra. É indicada por dois pontos (diaérese), na vogal fraca afetada (ï, ü), conforme visto na seguinte estrofe de Fray Luis de León:

  • Aquele cujosim ele mund-da-nal rü-i-do.

Sinérese:

União de duas vogais fortes de duas sílabas diferentes do ponto de vista gramatical. Um exemplo pode ser visto no seguinte verso de 14 sílabas métricas (alejandrino) de José Asunción Silva:

  • Com mo-vi-mien-to rhythm-mi-co he da-lan-cea o Menino.

Sinalefa:

Formação de uma sílaba métrica a partir de duas ou mais vogais pertencentes a palavras diferentes. Isso pode até acontecer com um sinal de pontuação no meio. Exemplo (verso octossílabo de espremida):

  • Vento-en po-Pato to-da ver-isso.

Lei final do sotaque:

De acordo com a sílaba tônica da última palavra, as sílabas métricas são adicionadas ou subtraídas do total do verso. Se a palavra for nítida, uma é adicionada; se for abeto, um é subtraído; quando é sério, permanece.

Rima

Miguel Hernandez.

Miguel Hernandez.

Ao analisar um poema um dos passos essenciais é observar o tipo de rima das últimas palavras de cada verso. Se coincidir em vogais e consoantes, é denominado «consoante». Da mesma forma, é chamada de "consoante perfeita" se as sílabas tônicas também coincidirem. Como pode ser visto no seguinte fragmento de Miguel Hernández:

… "A cada cinco emero

todo mês de janeiroum

meu calçado vaiero

para a janela deum

Em vez disso, quando apenas as vogais finais coincidem na rima, é denominado «assonância». No fragmento a seguir de Antonio Machado, esse tipo de rima é observado entre os versos 2 e 4:

“É uma noite de inverno.

A neve cai em um redemoinhoino.

O relógio Alvargonzález

um fogo quase extintoido".

Estrofe

Outro dos aspectos fundamentais na análise de um poema são as características das estrofes. Esses são classificados de acordo com o número e extensão dos versos. Entendendo por estrofe "um grupo de versos que contém um ritmo e um ritmo". A seguir estão os diferentes tipos de estrofes:

  • Emparelhados (estrofes de duas linhas)
  • Estrofes de três linhas:
    • Terceiro.
    • Ensolarado.
  • Estrofes de quatro linhas:
    • Quarteto.
    • Redondilha.
    • Serventesio.
    • Quadra.
    • Par de versos.
    • Seguidilla.
    • Faixa.
  • Estrofes de cinco linhas:
    • Quinteto.
    • Limerick.
    • Lira.
  • Estrofes de seis linhas:
    • Sestina.
    • Sextilha.
    • Dístico de pé quebrado.
  • Estrofes de oito linhas:
    • Copa de Arte Prefeito.
    • Real oitavo.
    • Oitavo italiano.
    • Panfleto
  • Estrofes de dez linhas:
    • Décimo.
  • Estrofes sem um número fixo de versos:
    • Romance
    • Dirge.
    • Romance.
    • Silva.

O conhecimento desses elementos leva a um entendimento mais completo

Entenda e Estudar de forma profusa cada um dos aspectos aqui explicados abre uma enorme porta para quem pretende estudar poesia. Embora este gênero dependa muito da subjetividade, conhecer todos os aspectos que interferem na sua criação é fundamental para a realização de obras de peso que atendam à expressividade necessária e cuja mensagem chegue aos leitores.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.