Blas Malo Poyatos. Entrevista com o autor de Desdém e Fúria

Fotografia: site Blas Malo Poyatos.

Blas Malo Poyatos Ele é de La Mancha, engenheiro civil e escritor, também apaixonado por história, especialmente o Império Bizantino e a Idade Média. Já publicou alguns romances, entre outros, O Senhor de Castela, O veneziano o O guardião das palavras. O último é Lope de Vega. Desprezo e fúria. Eu realmente aprecio seu tempo e gentileza por isso Entrevista em que ele nos fala sobre isso e muitos outros tópicos.

Blas Malo Poyatos - Entrevista

  • LITERATURA ATUAL: O título do seu último livro é Lope de Vega. Desprezo e fúria. O que você nos conta sobre isso e de onde surgiu a ideia?

BLAS BAD POYATOS: Novelo a vida de Lope de Vega, em seu tempo de maturidade e confronto em Madrid com os autores que defendiam a antiga arte da escrita, especialmente contra Miguel de Cervantes. Sua inimizade se espalhou por todos os níveis, dividindo a cidade e a corte entre seguidores de Lope e seguidores de Cervantes. Outros envolvidos foram Quevedo e Góngora. A ideia surgiu em 2005 com o 400º aniversário da publicação de dom Quixote da Manchade Cervantes. Todos falavam de Cervantes. Eu queria defender a memória de Lope.

  • AL: Você pode voltar ao primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

BMP: O mais antigo que me lembro claramente é A ilha do Tesouro, por Stevenson, uma edição da extinta Editorial Everest com imagens fabulosas, e claro, minha primeira história foi inspirada nela. Ele tinha um esqueleto, um tesouro perdido, um menino que o encontrou. Escrevi quando tinha 10 anos.

  • AL: Um redator principal? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas.

BMP: Distingo entre autores vivos e autores mortos. Muitos podem ser recomendados, escolher alguns é descartar os outros. Muito influente em mim são JRR Tolkien e Isaque Asimov. Mais moderno, Steven Saylor, Joseph menina soto y Sebastian roa. Entre os clássicos, que você tem que curtir e aprender, agora eu recomendaria o Gustave Flaubert.

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

bmp: Sinuhe, criação de Mika Waltari pelo que parece foi um personagem egípcio que existiu. S Cláudio o Imperador, brilhantemente elaborado por Robert Graves.

  • AL: Algum hábito ou hábito especial quando se trata de escrever ou ler?

BMP: para ler necessário silêncio. Para escreverEu preciso que seja de noite. São costumes que se tornaram fossilizados. Tenho dificuldade em ler com ruído ou escrever durante o dia. No entanto, estudar para me documentar não exige silêncio ou esses horários.

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer?

BMP: Eu não me importo com o site desde que seja confortável e o acima é cumprido. Em casa, escrevo melhor quando todo mundo está ausente ou dormindo. Não suporto ser interrompido quando estou criando. Eu tenho dois filhos pequenos, é difícil encontrar o momento certo.

  • AL: Existem outros gêneros que você gosta?

BMP: Ainda tenho um gosto por ficção científica. E eu gostaria de ler muito mais, romances de espionagem de aventuraComo o de Clive Cussler. Eles são muito divertidos. e leia mais clássico. Mas não tenho tempo para tantas coisas pendentes.

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

BMP: Agora estou leitura romances de Gustavo Flaubert, ao mesmo tempo que ouço palestras sobre ele e sua escrita, porque o acho um homem fascinante como escritor. E os diferentes livros de Marco Tulio Cicero, que são incríveis. Digitando, agora estou na Idade Média.

  • AL: Como você acha que é o cenário editorial e o que fez com que você tentasse publicar?

BMP: Como sempre, está saturado de manuscritos. Mas um bom manuscrito encontra um editor, mais cedo ou mais tarde. Todo mundo tem o ego de querer ver seu livro entre outros nas livrarias, isso é assim. Que um empreendedor do livro se arrisque a me publicar é um elogio para mim. Assim deve ser.

  • O momento de crise que vivemos está sendo difícil para você ou você pode guardar algo positivo para histórias futuras?

PM: eu sou por sorte. Ninguém da minha família morreu de covid. Minha vida não mudou para pior, mas para melhor, porque recentemente voltei a ser pai e agora somos quatro em casa. Você tem que continuar vivendose há covid ou não. Quem não pensa assim deve ir ao cemitério enterrar-se e ficar em paz.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Marina Neto dito

    Boa tarde,
    Estou aprendendo sobre blogs, e encontrei o seu.
    Achei divertido e bastante interessante.
    Uma saudação,
    Marina Neto