Autores independentes II. Gabriel Romero de Ávila. 10 questões

Segundo artigo dedicado a autores independentes. Hoje eu tenho Gabriel Romero de Ávila, também com raízes em La Solana, mas muito globetrotting e agora instalada em Galicia, junto à ponte Rande. Autor de A Rainha Demônio do Rio Ísis, também colabora como articulista no jornal digital Vigo é.

No teste de Perguntas 10 Gabriel Romero de Ávila nos fala sobre seu livros e autores favoritos, suas influências, seus hobbies, suas leituras, seus projetos e experiências. Resumindo, é sempre bom descobrir mais vozes literárias.

Quem é Gabriel Romero de Ávila?

Nasci em Madri, estudou Medicina e já morei em Leeds, Newcastle, Tenerife e Pontevedra, para finalmente me instalar em Vigo, mas nunca pude deixar de viajar.

A Rainha Demônio do Rio Ísis

Nos primeiros meses de 1852 Os Impérios Britânico e Otomano disputam a posse da bela nação de Nilidia. Eles logo perceberão que esta batalha não será fácil, quando na luta pela alma e pelas ruas da cidade de baixista intervir um terrível maldição, uma relíquia com poderes mágicos, um governador apaixonado por uma mulher ocidental, a esposa rejeitada, um feiticeiro pró-escravidão, piratas do rio Ísis, casacas vermelhas, monstros pesadelo e Allan Quatermain.

Perguntas 10

1. Você se lembra do primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

Sempre houve muitos livros em minha casa. Eu cresci com os contos de Andersen, as fábulas de Samaniego e os romances de aventura de Julio Verne, Arthur Conan Doyle e Emilio Salgari. Aqueles eram tempos pré-computador, quando éramos todos mais inocentes, havia apenas dois canais de televisão e nossa grande travessura foi assistir os dois filmes de diamantes.

A primeira história que escrevi foi um cópia atrevida de Sherlock Holmes, em que ele apenas mudou os nomes dos personagens e o enredo foi infumível. Eu fiz isso com a velha máquina de escrever do meu pai e algumas folhas de caderno enormes, e então ele me ajudava a grampeá-las. Ainda guardo em casa (só pelo valor da nostalgia, claro, porque era horrível mesmo).

2. Qual foi o primeiro livro que mais te impressionou e por quê?

Quando jovem eu li Sandokan, a novela que mais me surpreendeu por muitos anos, porque me mostrou que os bandidos são muito mais complexos que os mocinhos e que às vezes têm mais motivos para fazer o que fazem. A partir daí vem minha paixão pelo mar. Aí descobri que até ficava tonto com os barcos do Retiro e não podia ser pirata na Malásia. Então comecei a escrever.

3. Quem é seu escritor favorito? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas.

Entre os clássicos me perdem Salgari e Hemingway. Mas também admiro muitos outros, como Steinbeck, ramo, Sabatini ou Anthony Hope.

Entre os atuais meus favoritos são Vázquez-Figueroa, Pérez-Reverte y Javier Reverte. Eu também sigo E de pertospido Freire e Máxim Huerta. JÁLessandro Baricco é incrível.

Meu principal problema é encontrar espaço em casa para mais livros. Não tenho mais prateleiras livres, não tenho tempo para ler mais. Se alguém tiver alguma dessas coisas sobrando, deixe-a passar para mim.

4. Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

Um dos melhores personagens da literatura dos últimos tempos é Diego alatriste: nobre e heróico, com o fatalismo de sua época. Segue de perto Lorenzo Falco, que brinca com todos os lados e tem muito pouco do glamour de 007.

5. Algum passatempo quando se trata de escrever ou ler?

Ao ler, costumo ter pouca paciência. Não consigo terminar um livro que não me fisga. É o que chamo de "o teste de 50 páginas": se naquele espaço não encontrei elementos que me agradem, não tenho paciência para continuar.

Ao escrever, acontece comigo mais ou menos o mesmo. É por isso que tenho mil romances na cabeça, mas a seleção natural faz sobreviver apenas os melhores (ou as mutações que permitem que eles se adaptem ao ambiente).

6. Qual é o seu local e horário preferidos para fazê-lo?

Embora eu tenha crescido sem computação, agora me tornei um viciado em novas tecnologias, e graças a eles posso ler a qualquer hora: carrego livros no meu celular ou tablet e aproveito qualquer ocasião. Mesmo no carro, graças ao audiobooks, que foram minha melhor descoberta nos últimos anos.

Com a escrita, algo semelhante acontece comigo: não há um momento perdido.

7. Que escritor ou livro influenciou seu trabalho como autor?

Decidi não nomear Salgari novamente, então agora vou repetir Hemingway: não há quem domine os diálogos (e os silêncios) como ele. Cada uma de suas páginas está repleta de magia. E isso me ensinou que uma grande história pode ser contada em muito pouco espaço.

8. Seus gêneros favoritos?

Eu leio gêneros muito diversos, mas adoro novelas de aventura e viagenss. Também o romance histórico e o gênero noir. Até um pouco de educação, mas não muito.

9. O que você está lendo agora? E escrever?

Este ano comecei a técnica de "Barco literário": coloque um euro em um pote para cada livro que você ler, e esse dinheiro só pode ser retirado no final do ano e só pode ser gasto em mais livros. Já economizei 20 euros até agora este ano, então meu vício vai continuar a crescer. Agora estou começando Scaramouchepor Rafael Sabatini; Y Flor do Desertopor Waris Dirie.

Sobre escrever, estou investigando a vida de tribos nômades do deserto do Saara, a disseminação do Islã nesses territórios e os confrontos entre os Corsários berberes e os cavaleiros de Malta. Posso ter um romance pronto em breve. Ou vinte, porque esses problemas iriam percorrer um longo caminho.

10. Como você acha que é o cenário editorial para tantos autores quantos existem ou querem publicar?

Tem muitas vantagens e algumas desvantagens. A Internet deu acessibilidade a escritores que agora podem facilmente entrar em contato com editores, autopublicar, se promover, mostrar seu trabalho, etc. O mundo literário mudou muito, mas os leitores também mudaram. Todos nós aprendemos novas regras, às vezes rapidamente. Mas certamente é um momento fascinante. Nunca houve tanta atividade, tantos autores e tanto trabalho a fazer. E estou me divertindo muito.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.