As pessoas não falam mais sobre livros

Segundo dados da Agência ISBN, em 2014, último ano para o qual há registros, em Espanha 90 mil títulos literários foram publicados entre editoras e plataformas de autopublicação, das quais foram vendidas 20 milhões de livros de ficção, 2 deles pertencentes a 50 tons de cinza.

Por sua vez, um 38% da população espanhola afirma nunca ter lido ou quase nunca, enquanto os 62% restantes apenas 20% lêem diariamente, com o qual se poderia dizer que apenas 9 dos 46.77 milhões de espanhóis eles são considerados leitores regulares. E no que isso se traduz? Nisso há uma grande oferta, mas uma demanda não tão clara, o que me leva a pensar que as pessoas não falam mais sobre livros, que não lê, que vê a literatura como algo típico de outra época. E a pergunta é: por quê?

Sim a capa é bonita

Há alguns dias, um conhecido me perguntou se eu sabia "quais livros eram bons" para dar um a um membro regular da família para ler todos os dias. Quando minhas propostas não o convenceram muito, ele abandonou o slogan: Porque eles não lançaram uma nova de Gray, certo?

Outros exemplos que vêm à mente são as coleções de livros antigos que alguns usam em casa porque "parece bom", ou a pessoa que pega um livro porque a capa o chama e na hora que você lhe conta do que se trata, ele já o deixou. em seu site. Sim, parece haver uma grande suspeita geral para mergulhar na literatura além de uma frase escrita no mural do Facebook dita por um autor que ninguém realmente conhece.

Quando eu era pequeno, tinha muitos livros em minha casa, todas as edições do Disney Gaviota com seus grandes desenhos, ou a estante do meu pai (um daqueles 9 milhões de leitores) que fui desfazendo ao longo do tempo. No entanto, hoje vejo crianças que mal levantam as sobrancelhas em seu console, que consultam tutoriais de videogame no YouTube aos 8 anos ou que não saem para brincar com outras crianças porque estão mais atentas aos zilhões de canais de animação na televisão . Falar de literatura significa fazer algo que associam diretamente com a escola e aqueles livros impostos que acabam pulando dois ou mais capítulos mesmo que tenham controle no final da semana.

Para as novas gerações, a literatura foi ofuscada por outras formas de lazer mais instantâneos como cinema, televisão, videogame e, principalmente nos últimos anos, aquela tecnologia chamada Internet, cujo Google explorer uma criança de 5 anos sabe abrir antes de um livro, uma história ou qualquer outra forma de apego à literatura .

Mas a coisa não termina aí. Na idade adulta, muitas pessoas também parecem não ler ou falar sobre livros. Você se senta para tomar uma cerveja e falar sobre prostituta e mengano, Game of Thrones ou a última reunião de Save me. Literatura (exceto exceções como o já mencionado Gray ou, digamos, Twilight), parece algo que pertence a outra época, para outro tempo, para um mundo paralelo em que algumas pessoas se reúnem em um café para divagar sobre gravuras e livros que foram esmagados por novas formas de entretenimento.

O pior de tudo não está no fato de que as pessoas já não lêem tanto ou não sabem qual livro é Cem Anos de Solidão, A Odisséia ou As Bodas de Sangue. Talvez o problema seja a maneira como fazemos muitas crianças se sentirem alérgicas à literatura desde tenra idade. Mas não sou pai nem professor. . .

qual e sua OPINIAO?

 

 


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

8 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   rossanacantarelyblog dito

    Sou escritora, adoro livros, meu marido é historiador, também adora livros, meu sobrinho é filósofo e músico, adora livros, minha mãe é professora de matemática e adora livros ... amigos são artistas, eles amam livros ... dou aulas de literatura latino-americana e de literatura contemporânea e vejo que há jovens que amam os livros ... há alunos que considero

    1.    rossanacantarelyblog dito

      Há alunos que querem iniciar oficinas literárias, oficinas de leitura e procuram alguém que os incentive e coordene. Há professores que são leitores ávidos, há alunos que amam o romance histórico e outros o romance policial, há muitos outros que gostam de poesia. Portanto, acho que muitos de nós falam sobre livros, que gostamos de compartilhar o que lemos e que isso também nos motiva a ler outros autores. Obrigado por http://www.actualidadliteratura.com

  2.   Rebeca dito

    Eu concordo com o seu comentário. Acho que as pessoas hoje estão mais atentas à tecnologia; Mas por um lado, é preciso que sejam tempos diferentes e as inovações estejam ganhando espaço no campo da leitura, mas isso não impede que as pessoas leiam. Os livros se adaptaram à tecnologia, eu mesmo li muitas vezes em plataformas de internet (embora prefira livros em papel mil vezes). São modismos: no século XNUMX, ser um leitor ávido era a chave, e hoje é ter iPads e iPhones. No entanto, essas modas são cíclicas, vamos voltar ao "passado".
    Com tudo isso quero dizer que sempre houve, sempre haverá e haverá leitores, em mais ou menos números.
    Como estudante de filologia hispânica e amante da literatura, adoraria ter mais pessoas com cultura literária, mas tivemos um século em que as tendências são diferentes. O que você vai fazer…

  3.   Manuel Augusto Bono dito

    Bem, penso o mesmo e a conclusão é que lamento muito. Somente com esses dados ou circunstâncias podemos explicar o que está acontecendo conosco na Espanha e em algum outro lugar da Terra.
    Enyd Bliton, Salgari, Edgar RiceBurroughs e muitos outros, eu os li quando ainda não tinha 8 anos. Em Reyes, eles sempre me deram livros e soldadinhos de chumbo.

  4.   stercita31 dito

    Eu não vou parar mas compro livros, cerca de trinta e seis por ano, mais os que pego na biblioteca. Agora mesmo, de férias, li LA MUJER JUSTA, de Sandor Márai e uma policial que nunca deveria me exibir. Esclareço que não importa se é um livro novo ou a balança ... os cinquenta tons de cinza NÃO LEI E nem pretendo. Obrigado.

  5.   Susana dito

    Eu concordo totalmente, acho que cada vez menos nós lemos assiduamente. Quando eu tinha 10 anos, li tudo que caiu em minhas mãos (e havia muito pouca literatura infantil na época), mas meu filho lê muito pouco. Quando vamos às livrarias ele adora olhar os livros e sempre me pede alguns, mas no fim ele olha em casa e não lê; Ele tem duas estantes cheias de livros que eu não teria sonhado na sua idade, mas quase nunca lê. Quando está em casa (felizmente passa muito tempo brincando na rua com os amigos) prefere assistir TV ou youtubers e gamers no tablet. E a verdade é que não sei o que fazer para que ele goste de ler.

    1.    Yoz nks dito

      Olá, é um prazer saber que você tenta incutir a leitura em seu filho, gostaria de lhe dar uma opinião sobre isso.

      Acho que o problema pelo qual as crianças atualmente não leem pode ser a maneira pela qual estão "motivadas" a fazê-lo; talvez a maneira como um título ou autor é recomendado não seja atraente o suficiente.

      Sei que muitos jovens já estão envolvidos com tecnologia, porém não posso dizer que seja completamente ruim, gosto de videogames, tenho 22 anos mas não sou obcecada por eles; mesmo assim posso dizer-lhe por exemplo Devil My Cry os personagens são baseados nos da obra de "A Divina Comédia" (1313) - Dante Alighieri, outro é Halo com uma história muito extensa da qual existem livros e quadrinhos. saiba que mesmo a ficção científica costuma ser incrivelmente viciante.
      Assassin's Creed que é baseado em fatos históricos reais mmm ha, é assim que a tecnologia tem encorajado alguns de nós a investigar e aprender com o passado que desconhecíamos total ou parcialmente, para que uma criança possa se aproximar dos livros reais. Contanto que você também mergulhe no mundo de seu filho e pesquise seus tópicos de preferência, você pode ajudá-lo a dar-lhe algo para ler.

      Aprendi muito sobre este assunto graças até ao meu irmão mais novo que tinha uma xbox desde os 7 ou 8 anos e percebi que até uma banda desenhada ou manga pode ajudar nestes casos; Refiro-me ao fato de aproximá-los da sexta arte da humanidade (literatura), e como isso arrasta sua curiosidade para os livros mais sérios (por assim dizer), dos quais tiram boas ideias para videogames, filmes, anime, etc.

      Por que você não tenta começar com algo assim? A questão de incluir os verdadeiros gostos de uma pessoa em algo que você pretende incutir para torná-lo atraente pode funcionar, e não só isso, mas também que se torne um costume criar vínculos, aceitar diferenças e não impor nada, é também uma adaptação do adulto à infância de hoje.
      Zero preconceito às suas tendências, em vez disso, aproveita-se delas; no final do dia todos aprendemos uma boa lição, até brincando na rua com os amigos.

      É por isso que, ultimamente, quando as crianças veem um livro, elas veem "lição de casa" nas páginas e se torna chato, sistemático. Acho que começa perguntando do que eles gostam, conhecendo-os mais e investigando sobre o que poderia levá-los a esse bom hábito, o fato não é que eles digam - leia isso! - mas que pegem um livro à vontade , conheça-os, divirta-se e aprenda com isso. Logo, além da leitura, acredito que seu filho refletirá respeito e tolerância por diversos temas, obras, autores ...

      Saudações e na esperança de não ofender, muito menos incomodar com esse ponto de vista 🙂

      1.    Susana gonzalez dito

        Muito obrigado pelo conselho! Vou tentar ver se funciona.

bool (verdadeiro)