As obras mais emblemáticas de Alexandre Dumas

Prisão onde estava o Conde de Montecristo

Em um dia como hoje #Alexander Dumas, e a nossa colega Mariola se encarregou de trazer para vocês esta manhã as melhores frases do escritor, tanto do pai quanto do filho. Você pode lê-los Clique aqui. Por outro lado, como artigo da noite e do jantar, apresentamos nesta ocasião as obras mais emblemáticas de Alexandre Dumas e damos-lhe razões para as ler, caso ainda não o tenha feito. Qual de todos os livros que Dumas escreveu é o seu favorito?

"Os Três Mosqueteiros" (1844)

A ação deste livro se passa durante o reinado de Luís XIII, na França. D'Artagnan é um jovem de 18 anos, filho de um nobre gascão, ex-mosqueteiro, com recursos financeiros limitados. Ele vai a Paris com uma carta de seu pai para Monsieur de Treville, chefe dos mosqueteiros do rei. Em uma pousada, durante seu percurso, D'Artagnan desafia um cavaleiro que acompanha uma bela e misteriosa senhora. «Os três Mosqueteiros" é quase certamente a obra mais conhecida de Alexander Dumas. E se não soa muito por causa do livro, com certeza vai por causa do número de vezes que este romance foi levado para o cinema e a televisão.

Nada melhor do que o romance para curtir as aventuras dos três mosqueteiros.

"O Conde de Monte Cristo" (1845)

Outra das grandes obras de A. Dumas. É um romance de aventura sólido. Naufrágios, masmorras, fugas, execuções, assassinatos, traições, envenenamentos, personificações, uma criança enterrada viva, uma jovem ressuscitada, catacumbas, contrabandistas, bandidos ... Tudo para criar uma atmosfera irreal, extraordinária, fantástica, feita sob medida para o super-homem que se move nele. E tudo isso embrulhado em um romance de costumes, digno de ser comparado aos contemporâneos de Balzac. Este trabalho gira em torno de uma ideia moral: o mal deve ser punido. O conde, daquela altura que lhe dá sabedoria, riqueza e gestão dos fios da trama, ergue-se como “a mão de Deus” para distribuir recompensas e castigos, vingando a sua juventude e amor despedaçados. Um trabalho para se excitar e sentir as experiências do próprio conde muito perto da superfície com a descrição primorosa que o autor faz.

"The Medicis" (1845, publicado em 2007)

Esta família, chefiada por Juan de Medici, se encarregou de proteger e promover a cultura de Florença, sua cidade. Ao seu redor brilharam as figuras mais importantes do campo da arte e do conhecimento, como Donatello, Michelangelo, Galileu, Mantegna, Maquiavel e Leonardo da Vinci. Essa é a história de todos eles. Uma história em que Alejandro Dumas nos mostra a história de uma família, que dentro das conspirações e lutas da época, marcava a diferença pelo amor à arte e pelo apoio às letras e à ciência, como se fosse de uma herança genética, De geração a geração.

"A tulipa negra" (1850)

Os irmãos De Witt, protegidos pelo grande rei Luís da França, encontrarão sua morte nas mãos da população enlouquecida de Haia, que os considera culpados de conspiração. Mas antes de morrer, deixarão ao afilhado Cornelius alguns documentos comprometedores que o levarão para a cadeia, onde, na companhia da jovem Rosa, se empenhará em conseguir o que mais deseja no mundo: o bulbo da tulipa negra. Com seu talento narrativo usual, Alexander Dumas exibe neste romance de intriga todos os ingredientes necessários para capturar o leitor desde a primeira página e mergulhá-lo na tumultuada sociedade holandesa do final do século XVII.

"O Homem da Máscara de Ferro" (1848)

O homem da máscara de ferro é uma história que já fazia parte do primeiro dos livros aqui narrados: “Os Três Mosqueteiros”. Nesta história é revelado um personagem misterioso que foi preso por razões desconhecidas na prisão da Bastilha. Alexandre Dumas o identifica como irmão gêmeo do rei Luís XIV.

Este livro também é intitulado "O Visconde de Bragelonne".

E você, qual ou qual desses livros de Alexander Dumas ainda precisa ler? Com qual você começaria?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Diego Gutierrez dito

    “O Conde de Monte Cristo” não é meu livro favorito de Dumas. É meu livro favorito de todos os tempos. Ele merecia o primeiro lugar hahahahaha. Bom artigo.