Edgar Allan Poe. Novo aniversário do gênio de Boston. Parabéns.

208º aniversário do Mestre Poe.

Hoje, 19 de janeiro, Edgar Allan Poe atende Anos 208. Muito poucos. Ele deixou tudo em sua eternidade como um dos maiores escritores de todos os tempos. Não importa o gênero, a época e os séculos deixe-os seguirem seu trabalho. Foi um dos melhores e continuará a ser até que o mundo mergulhe na escuridão de sua maldição. Como a casa de Usher.

Impossível escrever mais sobre ele ou sobre aquela obra enorme e espetacular. Para que? O importante é ler isso. Mais cedo ou mais tarde, como criança, como adulto, sempre. Mas leia. Vamos apenas comemorar este dia. Dois séculos atrás e não muito tempo desde a fria cidade de Boston ela viu o mais ilustre, grande e condenado de seus filhos nascer. O que podemos escolher dessas histórias e histórias? Se pode? Eu creio que não.

Gatos pretos, besouros de ouro, corvos assombrados, casas assombradas, retratos de morte, corações reveladores, mortes vermelhas, gorilas assassinos, detetives infalíveis ... Impossível elencar tantos conceitos, imagens, sensações e sentimentos. Tanta loucura e terror. Tanto medo e susto. Tanta fantasia e realidade. Muito bom. Toda a nossa parte de espíritos românticos, góticos, misteriosos, medrosos, apaixonados ou perturbados vibra com cada palavra da pena de Poe.

Seu olhar, sua explosão (induzido ou não por seus fantasmas e fraquezas), seu domínio para narrar infernos e delírios, para invocar a imaginação mais sombria, excedeu todos os limites. Como fez com sua própria existência, que a transformou em um personagem fascinante e trágico, tão admirado quanto compassivo. Tão idolatrado quanto ele é repudiado. Porque, como em tudo, tem gente que não gosta do Poe. Compreensível (ou não). Aceitável também.

Um gênio ou um bêbado. Um perturbado ou perturbador. Um fraco ou um herói. Que mais dá. Ele escreveu histórias que transcenderam a si mesmas. Ele examinou como ninguém os abismos mais profundos e sombrios da natureza humana. Talvez porque quisesse acessá-los por sua própria vontade. E ele conseguiu. Sua experiência de vida tempestuosa ou simplesmente sua visão do mundo ao seu redor, dessa vida. O que foi dito. Tanto faz. Foi o suficiente com isso e ser levado pela imaginação.

Nos deixou nomes indeléveis em memória de e influenciar mil e um escritores e artistas marcados por seu rastro de amor e terror em igual medida. Influências e subsequentes recriações que, ao longo dos anos, foram feitas de sua obra.

Quem escreveu "Plague King" deixou de ser um ser humano. Por sua causa, e movidos por uma pena infinita para com uma alma perdida, gostamos de considerá-lo morto.

Isso é o que ele escreveu Robert Louis Stevenson em um ensaio sobre Poe. O que Stevenson não sabia é que Poe, ou ele mesmo, nunca mais morreria. É o que acontece quando o que você faz em sua vida consegue deixar sua marca em toda a humanidade que o lê no tempo. E que hoje grande parte dessa humanidade gostaria que um Poe nascesse todos os dias. O que foi justamente ele quem voltou daquelas trevas e infernos que tão bem conhecia para descrever. Mais de um até pagou, tenho certeza.

Berenice, Arthur Gordon Pym, Prospero, Ligeia, Madeleine Usher, Augusto Dupin… E muitos mais nomes. Tantos calafrios e maldições, naufrágios e tragédias. OU Annabel Lee, aquele nome do protagonista de um dos poemas mais sublimes que existe, e que não foi reescrito, nem será escrito. Amor em seu estado puro de desespero e desesperança, de derrota e abandono, de paixão e dor sem limites.

Nenhum dia como hoje para comemorar este aniversário tornando-se o presente de leia até mesmo apenas uma linha de O poço e o pêndulode Os crimes da rua Morguede O caso do Sr. Valdemar ou de Tamerlão.

Ou nenhum dia como hoje para veja uma das centenas de adaptações de suas obras no cinema. Em particular, aqueles baleados pelo também imortal produtor britânico Hammer, com o diretor Roger Corman na cabeça. E nada melhor do que ver e ouvir os melhores rostos, figuras e vozes que deram vida e morte a seus personagens e histórias. Vincent Price e Christopher Lee eles são para mim os narradores e intérpretes mais ideais da obra de Poe. Mas existem mil e uma versões, como as intercaladas neste artigo.

Parabéns, Sr. Poe. No inferno mais terrível ou no paraíso mais glorioso. Todos nós nos encontraremos novamente um dia. Em qualquer um dos dois lugares.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.