Acende-se a luz sobre o destino do Círculo de Lectores, a Biblioteca Nacional da Espanha solicitou que o arquivo do clube seja transferido para sua preservação

A Biblioteca Nacional da Espanha quer salvar o patrimônio do Círculo de Leitores.

A Biblioteca Nacional da Espanha quer salvar o patrimônio do Círculo de Leitores.

Após o Grupo Planeta anunciará fechamento do Círculo de Lectores Há quase um mês - alegando que “O modelo porta a porta já não funciona e vamos associá-lo ao digital shopping” - acendeu-se uma luz sobre a preservação do arquivo de tão importante clube.

A Biblioteca Nacional da Espanha (BNE) - depois de descobrir por meio de uma publicação do jornal El País que os procuradores do Círculo de Lectores informaram parte dos responsáveis ​​pelos direitos dos volumes (entre eles os dirigentes de Mario Vargas Llosa e Francisco Ayala) que fariam uma "operação de destruição parcial" das cópias do seu completo obras - Solicitou que todos os livros do acervo fossem transferidos a ele para sua proteção, cuidado e uso.

O BNE está pronto para salvaguardar todos os bens do CL

Essa reação do BNE é mais do que lógica. Estamos falando que o Círculo de Lectores foi o maior clube de leitura que o estado espanhol já teve. E se com a decisão de fechar houve uma grande polêmica, agora há maior confusão e preocupação porque se pretende destruir um dos mais extensos e importantes registros literários físicos da história da língua espanhola recente.

Todos sabem que o Grupo Planeta comprou integralmente as ações do Círculo de Lectores em 2014. Porém, devido às mudanças nas tendências dos usuários (maior imersão na leitura digital e aquisição de produtos via web) decidiu-se pelo fechamento do clube.

Grupo Planeta falou

Em relação à publicação de El País, os porta-vozes do Grupo Planeta anunciaram:

“Os herdeiros estão sendo informados que, após o fechamento do clube do Círculo de Lectores, os direitos de venda desta forma permanecem em aberto. O que será feito com o fundo vai depender dos acordos firmados com eles ”.

A viúva do escritor Fernando Ayala também levantou a voz

Por sua vez, e dando verdade à notícia, a viúva do escritor Fernando Ayala afirmou:

“Este projeto muito importante foi necessário, na medida em que equiparou a língua e a literatura espanhola às de outras grandes culturas nas quais existem projetos semelhantes. A sua destruição representa uma verdadeira tragédia cultural que, nestes tempos, é provavelmente irreparável. ”

As águas estão em uma calma tensa

Os porta-vozes do Grupo Planeta, para acalmar a situação, indicaram:

“O que foi enviado foi uma carta administrativa padrão que saiu sem que aqueles que a processaram soubessem dessas negociações; não havia nada nem há na casa a vontade de destruir nada do patrimônio do Círculo de Lectores ”.

Clube do Livro.

Clube do Livro.

O que persiste no meio ambiente é uma notável tensão diante de uma tomada de decisão que parece totalmente absurda no século XXI. Por enquanto, os interessados ​​esperam que a sanidade prevaleça, já que a preservação dos livros seria de enorme benefício para a Espanha. É reconfortante saber que a voz do BNE teve o impacto necessário, para que os 25.000 exemplares em jogo (e o resto do material informativo de interesse do Círculo de Lectores) sejam salvaguardados.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Peter Suenz dito

    É difícil entender por que Bertelsmann vendeu o Círculo justamente para a Planeta, uma editora de baixo escalão, que provou não ter ideia de como deveria ser um clube do livro. Isso estragou o grande nível e prestígio que Círculo havia alcançado com Hans Meinke, que entendeu que o futuro do clube estaria na publicação de livros ilustrados bem feitos e literatura de qualidade, muito ao estilo da alemã Büchergilde Gutenberg, atualmente uma das duas únicas «comunidades do livro» (Buchgemeinschaften) que sobreviveram à voracidade de Bertelsmann, que na Alemanha se dedicou a comprar quase todos esses clubes para fundi-los e destruí-los, acabando por fechar seu macroclube «Der Club» (ex-Bertelsmann Lesering> Círculo de Lectores Bertelsmann) de uma vez. Círculo de Lectores, por outro lado, em seus bons tempos até aproximadamente. Em 2005/2010, ela alcançou o que poderia ter sido seu futuro: manter uma comunidade de algumas centenas de milhares de membros que compram bons livros. A coisa de vender porta a porta por meio de agentes já era obsoleta há muito tempo, muitos compravam pelo correio. Em Portugal, o Círculo de Leitores ainda segue como parte da Bertrand (Bertelsmann + Random House). Que na Espanha o Círculo tenha perdido cada vez mais sócios compradores se deve à má gestão do Planeta, com uma programação degenerada em uma série de romances policiais ou de terror, mal editados, e sem nenhuma amplitude oferecendo tópicos de política e história ou divulgação séria. Que, além disso, estragou o vasto fundo editorial do Círculo é outro escândalo. E não há dúvida de que havia mais um elemento que poderia ter prejudicado: com a sede na Catalunha, o Círculo enfrentaria o problema do boicote aos produtos catalães. Esperançosamente, algum editor sério retomaria a carreira da Círculo em um nível de excelência e boa seleção, embora isso não seja provável. Uma pena.