A maravilhosa experiência de ler um livro com o nariz

livro

Capa do livro «El perfume».

Recentemente, folheando as prateleiras da minha biblioteca ao lado da cama, Eu descobri um livro que me surpreendeu como um livro não me surpreendia há muito tempo. Devo admitir que o notei por causa de sua adaptação para o cinema dirigida por Tom Tykwer. Algo que não costuma acontecer comigo mas que, desta vez, me permitiu conhecer o que a meu ver é um dos romances mais surpreendentes do século XX.

“Perfume” é um daqueles filmes que, quando visto, não deixa ninguém indiferente devido a um enredo e a uma imagem chocante.. Algo que, depois de ver, guardei na memória por muito tempo e que despertou, como uma fragrância esquecida, ao sentir na estante a presença do livrinho com o mesmo título "enigmático".

Logicamente não pude resistir a tomá-lo, mas não sem antes ter vergonha da minha mais absoluta ignorância quando não tendo percebido até aquele momento que a origem da trama daquele filme que tanto me marcou era originária de um livro que eu desconhecia completamente.

Assim que o li, percebi uma situação que me aconteceu enquanto estava curtindo o romance que nunca havia acontecido comigo e que sem dúvida caracterizou esta obra como genuína. O autor, Patrick Süskind, foi capaz, quando escreveu esta história na década de 80, de algo que poucos escritores podem fazer..

“O perfume”, desta forma, não difere pelo seu enredo, mas pela forma como nos é apresentado e como são descritos os acontecimentos que se passam. Ao contrário de outros livros, neste caso,  o leitor conhece a história pelo olfato. A descrição do espaço torna-se olfativa e os personagens e ambientes são conhecidos pelo cheiro e não pela fisionomia. física.

Portanto, durante a leitura, contextualizamos pelos diferentes cheiros descritos tudo o que está acontecendo. Movendo-se assim, para o século XVIII por um novo significado e pelas sensações que dele emanam. O cheiro torna-se, assim, o eixo fundamental de tudo, básico para compreender a evolução do argumento..

Um dispositivo literário magistral desenvolvido por Süskind que nos apresenta por meio do personagem principal do romance, Jean-Baptiste Grenouille. Uma assassina com capacidade sobrenatural de captar cheiros. Um romance noir, histórico e de terror único e diferente que envolve o leitor através de uma nuvem de cheiros reais de todos os tipos.

É realmente fascinante que isso Mais vendidos publicado em 1985 foi o primeiro romance escrito pelo romancista alemão. Uma forma extraordinária, ao alcance de poucos, de iniciar a carreira de escritor.

Com isto me despeço, não sem antes lembrar de uma citação de Claudio Magris na qual afirma que: “Um verdadeiro crítico literário é um detetive, e é possível que o fascínio desta indiscutível atividade não consista nas interpretações sofisticadas, mas no cheiro de um cão que leva a uma gaveta, a uma biblioteca, ao segredo da vida "

Certamente, como afirma Magris, foi o cheiro que me levou a encontrar e descobrir esse romance maravilhoso em meio a um mar de livros e sensações.

 

 


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   RICO dito

    O FILME FOI DUSTIN HOFFMAN E EU NÃO CONTO MAIS UM GRANDE FILME e o melhor livro ainda é um dos meus primeiros livros na minha biblioteca sim senhor muito boa recomendação