A conjuração dos ceciuos

a conjuração dos ceciuos

Você já leu A conjuração dos ceciuos? Você sabe do que se trata? Talvez seja o momento em que você lê uma história em que pesa como as pessoas viviam e como são agora, um romance que engloba uma crítica à sociedade de um autor que também se sentia inadequado.

Então, vamos enrolá-lo, é claro, sem dizer o final, tudo o que você vai encontrar neste livro.

Quem escreveu a conspiração dos tolos

Quem escreveu a conspiração dos tolos

Fonte: Diariosur

O autor a quem devemos A conspiração de tolos é John Kennedy Toole. Ele nasceu em Nova Orleans em 1937 e morreu 31 anos depois, em 1969. Seu livro não foi publicado enquanto ele estava vivo, mas foi publicado postumamente (em 1980) e recebeu o Prêmio Pulitzer de ficção em 1981.

John era filho de John e Thelma Toole, pais muito protetores com seu filho, especialmente sua mãe, que não podia deixá-lo brincar com outras crianças. Isso o fez voltar aos estudos e foi um aluno exemplar. Ele se formou na Tulane University e completou um BA em Inglês pela Columbia. Depois disso, ele começou a trabalhar como professor assistente de inglês na University of Southwestern Louisiana por um ano.

De lá ele foi para Nova York, para ocupar um cargo de professor no Hunter College.

No entanto, não perdeu a vocação para a formação, ao tentar fazer o doutorado. No entanto, ter que ir para o exército, onde passou dois anos ensinando inglês para recrutas falantes de espanhol, o fez desistir.

Quando voltou da guerra, estabeleceu-se em Nova Orleans, onde morou com seus pais e começou a trabalhar no Dominican College. No entanto, ele também ajudou seus amigos (por exemplo, vendendo tamales) ou, depois de se formar com louvor na Tulane University, trabalhando em uma fábrica de roupas masculinas.

Ele capturou tudo isso em seu livro, The Conspiracy of Fools, e quando o terminou, ele o enviou para a editora Simon & Schuster. Mas isso foi rejeitado porque "não se tratava realmente de nada". Então Toole começou a ficar deprimido. Começou a beber, parou de trabalhar e acabou se suicidando aos 31 anos.

Fue sua mãe que então lutou por alguém para ler a obra de seu filho. E esse alguém foi Walker Percy que, cansado da insistência, o fez, se deliciando com o livro. Conseqüentemente, Percy foi o prefácio do livro. Como resultado desse sucesso, foi resgatado outro romance que o autor havia escrito aos 16 anos e que considerava ruim, The Neon Bible.

Qual é a conspiração dos tolos sobre

Qual é a conspiração dos tolos sobre

Em The Conspiracy of Fools, você encontrará um personagem principal, Ignatius J. Reilly. Este homem é um desajustado e um anacrônico. Ele adoraria viver de uma maneira medieval, com seus modos de vida, sua moral, etc. Por isso, para que o mundo inteiro ouça, ele toma a decisão de escrever centenas de cadernos onde desencadeia essa visão de mundo. Cada um dos cadernos ocupa um espaço na sua sala, sem qualquer ordem, embora tenha a firme intenção de encomendá-los. Algum dia.

Para ele, trabalho é uma coisa muito ruim, algo que tem que ser sofrido porque o mundo é capitalista e que ele considera uma forma de escravidão. Então ele acaba se comparando a Boécio (que aceitou sua própria execução) e sai em busca de um para viver. E daí se desenrola uma história que, embora te faça rir muito, também te mostrará de forma exagerada como é a sociedade de hoje: com seu egoísmo, crueldade, tristeza ...

Resumindo, sim, você vai rir com o livro, mas também vai sentir pena de ver como o mundo se tornou e como antes não era assim, nem era regido por princípios que agora parece que todos seguimos na ordem. “adaptar-se” e ser parte da sociedade.

A sinopse do livro

Aqui está sua sinopse:

The Conjuration Of Fools é um romance louco, ácido e altamente inteligente. Mas não só isso, também é tremendamente engraçado e amargo ao mesmo tempo. O riso escapa por si mesmo diante das situações desproporcionais desta grande tragicomédia. Ignatius J. Really é provavelmente um dos melhores personagens já criados e que muitos não hesitam em comparar com Dom Quixote. Além disso, ele é o antiprotagonista perfeito para um romance repleto de excelentes personagens, ambientado na cidade portuária de Nova Orleans, o magistral Inácio.

Ele é incompreendido, uma pessoa de trinta e poucos anos que mora na casa de sua mãe e que luta para alcançar um mundo melhor dentro de seu quarto. Mas cruelmente será arrastado a vagar pelas ruas de Nova Orleans em busca de trabalho, forçado a entrar na sociedade, com a qual mantém uma relação de repulsa mútua, para poder arcar com as despesas causadas por sua mãe em um acidente de carro enquanto Eu estava dirigindo bêbado. O autor, John K. Toole, recebe uma crítica da classe média.

Consegue manter o interesse do leitor (ainda maior na segunda leitura do que na primeira) por uma gama de personagens mais desagradáveis. Ele não deixa nenhum fantoche com cabeça e, por meio da personalidade tortuosa e tortuosa de Inácio, faz uma revisão da época em que viveu em um tom zombeteiro que contrasta com a triste visão da vida dos personagens retratados. Não encontramos apenas uma história louca e angustiante de crítica social, mas o enredo ganha desde o início. Momento em que, como diz o seu protagonista, Fortuna gira a roda para baixo e nunca sabemos qual é a desagradável surpresa que o destino nos reserva.

A partir daqui, algumas situações se engancham com outras, assim como os personagens, e se forma uma enorme bola de neve que vai explodir no final do romance. Depois de terminar La Conjura De Los Focios, aos 32 anos, o autor tentou sem sucesso publicá-lo. Isso levou a uma depressão profunda que levou ao suicídio. Graças à tenacidade e insistência de sua mãe, hoje podemos desfrutar deste delicioso trabalho que foi premiado com o Prêmio Pulitzer. Também podemos encontrar a publicação The Neon Bible, um romance escrito quando o autor tinha 16 anos.

Que estilo e estrutura ele tem

Que estilo e estrutura ele tem

O romance é dividido em capítulos, que por sua vez são divididos em subcapítulos. Todos eles Eles estão na terceira pessoa e a ironia faz parte do texto. Porém, existem algumas partes que você poderá ler na primeira pessoa, sendo a visão de Inácio. Isso ajuda a entender o personagem e a própria história. Estas fazem parte dos cadernos que escreve, assim como das cartas que escreve com a amiga Myrna Minkoff, com quem se choca com a sua visão de mundo, mas ao mesmo tempo sente que a completa.

Muitos pensam que a história de The Plot of Fools tem muito da vida de John Kennedy Toole, que passa a refletir partes de sua própria história, não só pela localização do personagem, mas também pelos diferentes trabalhos que exerce, ou pelo relacionamento que mantém com sua mãe. Mesmo esse desejo porque o que ele escreve serve para mudar a realidade ou o mundo.

Agora que você conhece um pouco melhor A conspiração dos tolos, você verá que é um romance atemporal, que pode ser aplicado nesta sociedade assim como no passado ou no futuro, e que o próprio personagem o faz enfrentar sua visão , irônico e cruel, do mundo. Agora, se ele estava certo ou não vai depender apenas da sua opinião. Você leu isso? Você vai tentar?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)