A "Canção de Roldan" e a Batalha de Hastings

Anglo-Saxon-swords.jpg

Aconteceu em outubro de 1066. No dia 14, nas proximidades de Hastings, um menestrel normando chamado Taillefer começou a cantar versos da Canção de Roldán para dar coragem a um exército em uma terra estrangeira. Então começou a batalha isso tornaria o Guillermo o bastardo, Duque da Normandia, em Guilherme I O Conquistador, Rei da Inglaterra.

Anos depois, outro dos participantes da batalha, Turoldus de Fecamp, então abade de Malmesbury, retrabalharia escrevendo uma das versões orais da canção, dando origem ao que hoje conhecemos como Canção de Roldán, a composição mais importante do épico medieval francês.

A história que o canto conta é bem conhecida. No final do século VIII, Carlos Magno cruzou os Pirenéus junto com os principais cavaleiros do reino para sitiar a cidade muçulmana de Saragoça. Durante a volta, Roldán e Oliveros, encarregados de cobrir a retaguarda, são emboscados na passagem de Roncesvalles. Roldán se recusa a tocar a buzina que traria a ajuda do resto do exército francês, preferindo cair lutando a aceitar tal ignomínia. Ele e Oliveros lutam heroicamente até serem aniquilados. No final da música, um abatido e cansado Carlos Magno lamenta a morte do jovem Roldán.

Os estudiosos elogiam a estrutura precisa da composição, a psicologia de seus personagens e os paralelos sutis entre o sacrifício de Roldán e a paixão de Jesus Cristo. No entanto, lido de uma perspectiva atual, não podemos deixar de ver o orgulho e o orgulho fatal de Roldán. A história de Roncesvalles parece-nos a história de uma negligência evitável, situada no quadro de uma inútil guerra de religião. Nada a ver com nosso Cid Campeador.

Quando cantar realmente nos emociona, é com a reação de Carlos Magno à morte de Roldán. É tão intenso que além de comovente é enigmático. Na Idade Média, logo se espalhou uma tradição segundo a qual Roldan era o filho secreto de Carlos Magno: a dor de Carlos Magno só pode ser a dor de um pai diante de seu filho morto; o que dá um significado completamente diferente para a história.

Mas vamos voltar para as planícies de Hastings, não vou perder a chance de falar sobre o rei Harold. Para um rei ser coroado, outro tem que desaparecer. Na Batalha de Hastings, Harold, filho de Jodwin, o rei saxão da Inglaterra, foi morto. William entraria para a história, Harold viraria pó.

O rei Harold era um homem de coragem. O estudioso islandês Snorri sturluson apresenta-o no heimskringlasaga em circunstâncias um pouco anteriores a Hastings. Borges reproduz o texto e nos dá o pano de fundo de sua Literaturas medievais germânicas.

rider.jpgO irmão de Harold, Tostig, aliou-se ao rei da Noruega, Harald Hardrada, para alcançar o poder. Ambos desembarcaram com um exército na costa leste da Inglaterra e conquistaram o Castelo de York. Ao sul do castelo, o exército saxão os encontra:

“Vinte cavaleiros juntaram-se às fileiras do invasor; os homens e também os cavalos estavam vestidos de ferro; um dos cavaleiros gritou:
"O conde Tostig está aqui?"
"Não nego estar aqui", disse o conde.
"Se você realmente é Tostig", disse o cavaleiro, "vim dizer-lhe que seu irmão lhe oferece o perdão e um terço do reino."
"Se eu aceitar", disse Tostig, "o que o rei dará a Harald Hardrada?"
"Ele não o esqueceu", respondeu o cavaleiro, "ele vai lhe dar seis pés de terra inglesa e, como ele é tão alto, mais um."
"Então", disse Tostig, "diga ao seu rei que lutaremos até a morte."
Os cavaleiros foram embora. Harald Hardrada perguntou pensativo:
-Quem era aquele senhor que falava tão bem?
A contagem respondeu:
-Harold, Rei da Inglaterra. "

Harald Hardrada e Tostig não verão outro pôr do sol. Seu exército é derrotado e ambos morrem em batalha. Mas Harold dificilmente terá tempo para lamentar o irmão. Logo chega a notícia de que os normandos desembarcaram no sul e ele terá que partir para Hastings, onde cumprirá seu destino morrendo nas mãos do invasor.

A história tem um epílogo sentimental que Snorri não conheceu, mas Borges sim, porque leu no Baladas de Heine: Será uma mulher que amou o rei, Edith Gooseneck, que identifica seu cadáver.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)