Ramón Gómez de la Serna

Paisagem de Palencia

Paisagem de Palencia

Ramón Gómez de la Serna foi um prolífico e inovador escritor espanhol, considerado um dos mais importantes expoentes literários do mundo de língua espanhola. Era caracterizado pelo seu estilo único e irreverente; a ele se deve o estabelecimento do gênero “las greguerías”. Com esse tipo de texto espontâneo, o autor produziu um bom número de livros, que são considerados preâmbulos do surrealismo; entre estes se destacam: Greguerías (1917) y Total de greguerías (1955).

Embora suas greguerías lhe tenham dado reconhecimento, elas também Destacou-se pela publicação de 18 romances - caracterizados por conterem detalhes fictícios de sua vida -. O primeiro foi La viúva negra e branca (1917), uma história em que há rumores de que há detalhes de sua relação com Carmen de Burgos. Já exilado em Buenos Aires, publicou uma de suas obras autobiográficas mais importantes: Automoribundia (1948).

Resumo biográfico de Gómez de la Serna

Na terça-feira, 3 de julho de 1888 - na cidade de Rejas, Madrid - nasceu Ramón Javier José y Eulogio. Seus pais eram o advogado Javier Gómez de la Serna e Josefa Puig Coronado. Como resultado da Guerra Hispano-Americana (1898), sua família decidiu se mudar para Palência.. Nessa província iniciou os seus estudos na Escola Piarista de San Isidoro.

Três anos depois, seu pai foi eleito deputado liberal. Subseqüentemente, Regressam a Madrid, onde Ramón continua a sua formação no Instituto Cardenal Cisneros.. Em 1902, aos 14 anos, deu início à publicação de El Postal, Revista de Defesa dos Direitos do Estudante, uma revista com ilustrações e diversos textos manuscritos.

Primeiras obras literárias

Ao terminar o ensino médio, matriculou-se na Faculdade de Direito - apesar de não ter afinidade com a carreira. Em 1905, e graças ao financiamento de seu pai, publicou seu primeiro livro: Indo para o fogo. Durante 1908, ele continuou seus estudos de direito na Universidade de Oviedo. Da mesma forma, apaixonado pela escrita, publicou nesse mesmo ano sua segunda obra: Morbidades.

revista Prometeu

Em seus primeiros dias como escritor, Gómez de la Serna aventurou-se no jornalismo; lá ele demonstrou sua originalidade, caracterizado por ser crítico da sociedade. Criou o comentário Prometeu, no qual escreveu sob o pseudônimo de "Tristán". As publicações que ele fez naquele meio favoreceram as políticas de seu pai. Ele foi altamente reprovado por seus artigos, foi considerado: “… iconoclasta, anarquista das letras, blasfemador”.

Criação de «las greguerías»

São obras literárias únicas, fruto da sua originalidade, inteligência e determinação. Ele os publica formalmente em 1910 e os descreve como uma "metáfora com humor". São, em si mesmas, pequenas expressões aforísticas que expõem as circunstâncias habituais com sarcasmo e humor. Para fazer isso, ele usou fatos incomuns, textos espirituosos ou jogos conceituais.

Morte de Gómez de la Serna

Citação de Ramón Gómez de la Serna

Citação de Ramón Gómez de la Serna

Ao longo de sua vida, o autor construiu um robusto portfólio literário contendo romances, ensaios, biografias e peças de teatro. Seus textos serviram de exemplo para as gerações subsequentes. Os críticos o consideram um dos escritores espanhóis mais proeminentes. Depois dos conflitos armados de 1936, Gómez de la Serna mudou-se para a Argentina, onde viveu até sua morte em 12 de janeiro de 1963.

Alguns livros de Ramón Gómez de la Serna

A viúva negra e branca (1917)

É um narrativa psicológica ambientado em madrid. Tem dois personagens principais: o hedonista Rodrigo e a viúva Cristina. Um dia, o homem foi à missa e ficou preocupado com uma mulher enigmática que ia se confessar. Depois de cortejar a senhora, ele foi retribuído, e pouco tempo depois eles começaram a ser amantes. A partir daí, Rodrigo se encarregou de visitar Cristina em seu apartamento todas as tardes.

Mulheres -produto das feridas de seu anterior casamento- se tornou um ser escuro. Rodrigo percebeu isso e, por causa disso, encontro após encontro, começou a se encher de medo. Tal era o seu estado, que o homem foi invadido pela especulação sobre as causas da viuvez de seu amante. Tudo isso criou uma atmosfera de suspeita de que mentalmente o desestabilizou, enchendo-o de inseguranças e dúvidas.

O incongruente (1922)

Nesta narrativa São apresentadas várias anedotas da vida de Gustavo, um indivíduo afetado por o chamado mal do século: "incongruência”. Este é um jovem que nasceu prematuro e cujo desenvolvimento físico foi marcado pela presença de feições fantásticas. O comum na existência deles é a mudança constante, na verdade, a cada dia eles vivenciam uma espécie de histórias diferentes. Dá a impressão de que tudo não passa de um sonho, uma realidade absurda em que o amor é constantemente procurado.

Julio Cortázar, autor de amarelinha

Julio Cortázar

Esta obra é única e considerada precursora do gênero surrealista, pois foi publicada antes dos primeiros manifestos e das obras de Kafka. É um texto feito com inteligência; Suas qualidades incluem modernidade, poesia, humor, progresso e paradoxo. A narrativa tem um texto de abertura de Julio Cortázar dedicado ao autor, onde afirma: “Um primeiro grito de evasão na literatura de ficção comum”.

Folga O incongruente
O incongruente
Sem classificações

A mulher âmbar (1927)

É um romance ambientado em Nápoles, baseado nas experiências do autor naquela cidade italiana. O texto é narrado na terceira pessoa e conta a história de Lorenzo, um palentino que viaja para a cidade napolitana e conhece Lúcia. Gostando de imediato, ambos vivem emoções sem fim no meio do romance. No entanto, a família de Lúcia rejeita o relacionamento, porque um de seus ancestrais morreu por causa de um espanhol.

O cavaleiro do cogumelo cinza (1928)

É uma narrativa em formato de série estrelado por Leonardo, um vigarista profissional. Este homem, como resultado de seu trabalho criminoso, vive em fuga, vagando por várias cidades da Europa. Em uma dessas viagens, ele chega a Paris, entra em um bazar e se depara com um chapéu-coco cinza; fascinado por ele, ele o compra. Ao sair da loja, você percebe que as pessoas o veem de maneira diferente, como se você fosse uma pessoa rica.

Desde esse momento, Leonardo decide tirar vantagem do chapéu-coco e comparece a reuniões da alta sociedade para realizar seus golpes. Para ele, este objeto simples tornou-se um amuleto da sorte que lhe permite cometer seus erros em um nível superior.

Automoribundia (1948)

É uma obra autobiográfica que o autor tornou pública na Argentina aos 70 anos de idade. Os críticos da época consideram-no seu trabalho mais relevante. O texto descreve um período de 60 anos de sua vida (entre 1888 e 1948). Suas quase 800 páginas contêm fotografias e desenhos feitos pelos espanhóis. É uma história de sua juventude, de sua vida como escritor e de como ele envelheceu sem perceber.

Em seu prefácio, o autor afirmou: “Só propus ao terminar minha autobiografia dar o grito da alma, descobrir que eu vivo e que eu morro, acorde o eco para saber se tenho voz. Minha consciência ficou mais aliviada e tranquila depois de escrever este livro, no qual assumo todas as responsabilidades da minha vida ”.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.