Júlio Cortázar: Poemas

Citação de Julio Cortázar

Citação de Julio Cortázar

Julio Cortázar foi um renomado escritor argentino que se destacou no cenário literário mundial pela singularidade de seus textos. Sua originalidade o levou a produzir importantes obras poéticas, romances, contos, prosa curta e diversos. Para a época, seu trabalho rompeu com os paradigmas; ele viajou com total liberdade e domínio entre o surrealismo e o realismo mágico.

Em sua longa carreira, Cortázar ele construiu uma coleção robusta de livros versáteis e significativos. Não por nada é considerado um dos principais autores da fenômeno literário conhecido como o "Boom latino-americano”. Também fez notável trabalho como tradutor na Unesco e em algumas editoras. Nesta última profissão destacam-se os seus trabalhos sobre as obras de: Edgar Allan Poe, Daniel Defoe, André Gide, Marguerite Yourcenar e Carol Dunlop.

Obra poética de Julio Cortázar

Presença (1938)

O texto foi publicado em 1938 sob o pseudônimo de Julio Denis. É uma edição limitada apresentada pela Editorial El Bibliófilo. Apenas 250 cópias foram impressas, que consistem em 43 sonetos. Nestes poemas o musical prevaleceu, além da busca pela harmonia e pela paz. Cortázar Ele não se orgulhava desse trabalho, considerava-o um ato impulsivo e imaturo, por isso se recusou a republicá-lo.

Em 1971, em entrevista a JG Santana, o escritor comentou o seguinte sobre a obra: “Um pecado da juventude que ninguém conhece e que não mostro a ninguém. Está bem escondido… ”. Embora pouco se saiba sobre este livro, alguns desses sonetos são resgatados, um deles é:

"Música"

I

amanhecer

Eles dobram os ritos noturnos, esperando

da espada laranja - galpão

sem fim, oleandro na carne alada -

e os lírios brincam na primavera.

Eles negam - negam a si mesmo - cisnes de cera

a carícia prestada pela espada;

eles vão - vão você - norte para lugar nenhum

Espuma de natação até o sol morrer

Parede de planos únicos é criada.

O disco, o disco! Olha ele, Jacinto,

pense em como por você ele baixou a altura!

Musica das nuvens, melopea

colocar para formar para seu vôo o pedestal

Deve ser um enterro noturno.

Pameos e meopas (1971)

É a primeira coleção de poemas publicada sob seu nome. é uma compilação com vários de seus poemas. Cortázar relutava em apresentar sua poesia, era extremamente tímido e circunspecto em suas composições neste gênero. A esse respeito, ele comentou: "Sou um velho poeta [...] embora tenha mantido quase tudo que foi escrito nessa linha inédito por mais de trinta e cinco anos."

Folga Pameos e Meopas ...
Pameos e Meopas ...
Sem classificações

Em 2017, a Editorial Nórdica homenageou o autor com a publicação desta obra, que contou com a poesia que escreveu entre 1944 e 1958. O livro está dividido em seis partes —Cada um com seu título—, que contêm entre dois e quatro poemas, sem relação entre eles ou data de elaboração. Apesar da diferença notável entre cada um dos textos - a falta de coincidência no receptor, no assunto, na amplitude ou no ritmo - eles mantêm seu estilo característico. Esta edição contou com ilustrações de Pablo Auladell. Um dos poemas é:

"Restituição"

Se eu não sei nada sobre sua boca, mas a voz

e dos seios só o verde ou o laranja das blusas,

como se gabar de ter você

mais do que a graça de uma sombra que passa sobre a água.

Na minha memória carrego gestos, o beicinho

quão feliz isso me fez, e dessa forma

para ficar em si mesmo, com o curvo

repouso de uma imagem de marfim.

Isso não é grande coisa que eu deixei.

Também opiniões, raiva, teorias,

nomes de irmãos e irmãs,

o endereço postal e de telefone,

cinco fotografias, um perfume para o cabelo,

uma pressão de pequenas mãos onde ninguém diria

que o mundo está se escondendo de mim.

Carrego tudo sem esforço, perdendo aos poucos.

Não vou inventar a mentira inútil da perpetuidade,

melhor cruzar pontes com as mãos

cheio de você,

rasgando minha memória em pedaços,

dando às pombas, aos fiéis

pardais, deixe-os comer você

entre canções e ruído e agitação.

Exceto crepúsculo (1984)

É uma compilação de poemas do escritor publicada logo após sua morte. O texto é um reflexo de seus interesses, memórias e sentimentos. As composições são versáteis, além de suas experiências, mostram seu amor por suas duas cidades: Buenos Aires e Paris. Na obra também homenageou alguns poetas que marcaram sua existência.

Em 2009, Editorial Alfaguara apresentou uma nova edição desta coleção de poemas, que incluiu os manuscritos das correções feitas pelo autor. Portanto, os erros contidos no livro original e em outras edições foram corrigidos. O seguinte soneto faz parte desta publicação:

"Dupla invenção"

Quando a rosa que nos move

criptografar os termos da viagem,

quando em tempo de paisagem

a palavra neve foi apagada,

haverá um amor que finalmente nos levará

para o barco de passageiros,

e nesta mão sem mensagem

isso vai despertar seu signo suave.

Eu acho que sou porque eu inventei você,

alquimia de águia ao vento

da areia e da escuridão,

e você naquela vigília encoraja

a sombra com a qual você me ilumina

e ele murmura que você me inventa.

Outros poemas do autor

"Noite"

Eu tenho mãos negras esta noite, meu coração suado

como depois de lutar até o esquecimento com as centopéias de fumaça.

Tudo foi deixado lá, as garrafas, o barco,

Não sei se eles me amavam e se esperavam me ver.

No jornal deitado na cama diz reuniões diplomáticas,

uma sangria exploratória o venceu alegremente em quatro sets.

Uma floresta imponente rodeia esta casa no centro da cidade,

Eu sei, sinto que um cego está morrendo nas proximidades.

Minha esposa sobe e desce uma pequena escada

como um capitão que desconfia das estrelas….

 

"O bom menino"

Eu não saberei desamarrar meus sapatos e deixar a cidade morder meus pés
Não vou ficar bêbado debaixo de pontes, não vou cometer falhas de estilo.
Eu aceito esse destino de camisas passadas,
Chego aos cinemas na hora certa, desisto do meu lugar para as mulheres.
A longa desordem dos sentidos faz mal para mim.

 

"Os amigos"

No tabaco, no café, no vinho,
na beira da noite eles se levantam
como aquelas vozes que cantam à distância
sem saber o quê, ao longo do caminho.

Irmãos levemente do destino,
Dioscúrios, sombras pálidas, me assustam
as moscas dos hábitos, elas me seguram
mantenha-se flutuando no meio do redemoinho.

Os mortos falam mais, mas no ouvido,
e os vivos são uma mão quente e um teto,
soma do que foi ganho e do que foi perdido.

Então, um dia no barco das sombras,
de tanta ausência meu peito vai abrigar
essa ternura ancestral que os nomeia.

"Feliz Ano Novo"

 

Olha, eu não peço muito

só a sua mão, pegue

como um sapinho que dorme feliz assim.

Eu preciso daquela porta que você me deu

para entrar no seu mundo, aquele pedacinho

de açúcar verde, de redondo alegre.

Você não vai me dar sua mão esta noite

Véspera de ano novo de corujas roucas?

Você não pode, por razões técnicas. Então

Eu o estico no ar, tecendo cada dedo,

o pêssego sedoso da palma

e atrás, aquele país de árvores azuis.

Então eu pego e seguro, como

se dependesse disso

muito do mundo,

a sucessão das quatro temporadas,

o canto dos galos, o amor dos homens.

Resumo biográfico do autor

Julio Florencio Cortázar nasceu em 26 de agosto de 1914 na região sul de Ixelles em Bruxelas, Bélgica. Seus pais eram María Herminia Descotte e Julio José Cortázar, ambos de origem argentina. Nessa época, seu pai serviu como adido comercial da embaixada argentina.

Citação de Julio Cortázar

Citação de Julio Cortázar

Voltar para a argentina

Quando a Primeira Guerra Mundial estava prestes a terminar, a família conseguiu deixar a Bélgica; Eles chegaram primeiro na Suíça e depois em Barcelona. Quando Cortázar tinha quatro anos, ele chegou na Argentina. Ele viveu sua infância em Banfield —sul de Buenos Aires—, junto com sua mãe, sua irmã Ofelia e uma tia.

Uma infância difícil

Para Cortázar, sua infância foi repleta de tristeza. Ele sofreu o abandono de seu pai quando tinha 6 anos e não teve mais notícias dele. Além disso, ele ficava muito tempo na cama, pois sofria constantemente de várias doenças. No entanto, essa situação o aproximou da leitura. Com apenas nove anos, já tinha lido Victor Hugo, Júlio Verne e Edgar Allan Poe, o que causou pesadelos recorrentes.

Ele se tornou um jovem peculiar. Além de suas leituras regulares, ele passava horas estudando o dicionário Little Larousse. Essa situação preocupou tanto sua mãe que ela visitou a diretora de sua escola e um médico para perguntar se era um comportamento normal. Os dois especialistas aconselharam-no a evitar a leitura da criança por um período de meio ano, no mínimo, e também a tomar sol.

O pequeno escritor

Quando estava prestes a completar 10 anos, Cortázar escreveu um pequeno romance, além de algumas histórias e sonetos. Essas obras estavam impecáveis, o que fez com que seus parentes desconfiassem de que fossem feitas por ele. O autor confessou em várias ocasiões que esta situação lhe causou imensa angústia.

estudos

Freqüentou o ensino fundamental na Escola nº 10 em Banfield, e depois ingressou na Escola Normal de Professores Mariano Acosta. Em 1932, ele se formou como professor normal e três anos depois como professor de letras. Posteriormente, matriculou-se na Universidade de Buenos Aires para estudar Filosofia. Ele desistiu após passar o primeiro ano, pois decidiu exercer sua profissão para ajudar sua mãe.

Experiência de trabalho

Começou a lecionar em várias cidades do país, incluindo Bolívar e Chivilcoy. Neste último viveu quase seis anos (1939-1944) e lecionou literatura na Escola Normal. Em 1944, mudou-se para Mendoza e ministrou cursos de literatura francesa na Universidade Nacional de Cuyo.. Nessa época publicou seu primeiro conto, "Bruxa", na revista Correio Literário.

Dois anos depois —após o triunfo do peronismo—, Ele se demitiu do emprego de professor e voltou para Buenos Aires, onde começou a trabalhar na Câmara Argentina do Livro. Pouco depois, publicou o conto "House taken" na revista Os Anais de Buenos Aires —Administrado por Jorge Luis Borges—. Posteriormente apresentou mais trabalhos em outras revistas de renome, como: Realidade, em e a Journal of Classical Studies da Universidade de Cuyo.

Qualificação como tradutor e início de suas publicações

Em 1948, Cortázar qualificou-se como tradutor do inglês e do francês. Este curso levou três anos para ser concluído, mas ele levou apenas nove meses. Um ano depois, apresentou o primeiro poema assinado com seu nome: “Los reyes”; Além disso, ele publicou seu primeiro romance: diversão. Em 1951 ele lançou Bestiário, uma obra que reúne oito contos e lhe deu reconhecimento na Argentina. Logo depois, mudou-se para Paris devido a desentendimentos com o governo do presidente Perón.

Em 1953 aceitou a proposta da Universidade de Porto Rico de traduzir em prosa o repertório completo de Edgar Allan Poe.. Esta obra foi considerada pela crítica como a melhor transcrição da obra do escritor americano.

Morte

Depois de mais de 30 anos vivendo em solo francês, o presidente François Mitterrand concedeu-lhe a nacionalidade. Em 1983, o escritor voltou pela última vez - após o retorno à democracia - à Argentina. Pouco depois, Cortázar voltou a Paris, onde Ele faleceu em 12 de fevereiro de 1984 devido a leucemia.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)