Amor de Alejandra

Uma figura cuja poesia superou a fala e o silêncio. Uma mulher que fez o verbo se encarnar, buscando compreender algo que sempre esteve acima de tudo. O silêncio e a palavra, em um poeta que foi pura paixão, até a descida. Uma mulher que só queria chegar ao fundo. Cada ação, cada frase, cada palavra, em Alexandra Pizarnik procurava um sentido próprio, embora superior ao insignificante, ao terreno, que se propunha como fórmula para algo que nunca pareceu complemento, mas apenas resto do essencial. Poesia como essência da vida. Poesia como Vida.

E entre todas as suas paixões, Alejandra cruzou seu amor com o de Silvina Ocampo. Alejandra amava Silvina como ninguém. Muitos podem julgar o relacionamento como lésbico. Eu apenas considero isso puro, muito mais elevado do que os limites da definição sexual podem determinar. Alejandra sempre estava além. E como marca dessa paixão é que deixo esta carta, escrita em 1972, dirigida à então esposa de Bioy Casares. Espero que você goste tanto quanto eu sempre que leio.

«BA 31/1/72
Ma tres chère,
Um dia muito triste em que telefonei para você para ouvir apenas vozes espúrias e indignas, provenientes de criaturas que os golem faziam diante de espelhos (cf. von Arnim).
Mas você, meu amor, não me esqueça. Você sabe o quanto e acima de tudo eu sofro. Talvez nós dois saibamos que estou procurando por você. Seja como for, aqui está um bosque musical para duas meninas fiéis: S. e A.
Escreva-me, meu querido. Eu preciso da bela certeza de você estar aqui, ici-bas pourtant [aqui embaixo, no entanto]. Traduzo com relutância, minha asma é impressionante (para comemorar descobri que Martha se incomoda com o barulho da minha respiração doentia) Por que, Silvina adorava, alguma merda respira bem e fico trancada e sou Phaedra e sou Anne Frank?
No sábado, em Bécquar, corri de moto e bati. Tudo dói (não faria mal se você me tocasse - e esta não é uma frase lisonjeira). Como não queria alarmar as pessoas da casa, não disse nada. Eu deitei no sol. Eu desmaiei, mas felizmente ninguém sabia. Gosto de dizer a você esses arrepios porque só você me escuta. E seu livro? O meu acabou de sair. Formato adorável. Envio-o a Posadas 1650, que, sendo amante de Quintana, o transmitirá entre o nojo e a escolha.
Também mandei um caderno venezuelano com um não sei que degutante [desagradável] (como dizem). Mas deixe-os editar você em 15 dias (...) Mais oui, je suis une chienne dans le bois, je suis avide de jouir (mais jusqu'au péril extrême) [Mas sim, eu sou uma cadela na floresta, ansiosa para desfrutar (mas em extremo perigo)]. Oh Sylvette, se você fosse. Claro que eu beijaria sua mão e choraria, mas você é meu paraíso perdido. Encontrado novamente e perdido. Foda-se os greco-romanos. Eu adoro seu rosto. E as tuas pernas e, ao longe (até 10) as tuas mãos que conduzem à casa dos sonhos-memórias, entrelaçados num além do verdadeiro passado.
Silvine, minha vida (no sentido literal) Escrevi a Adolfito para que nossa amizade não durma. Ousei implorar a ele para beijar você (um pouco: 5 ou 6 vezes) por mim e acho que ele percebeu que eu te amo SEM ANTECEDENTES. Eu amo ele, mas ele é diferente, sabe, né? Além disso, eu o admiro e ele é tão doce, aristocrático e simples. Mas não é você, mon cher amour. Vou deixá-lo: estou morrendo de febre e estou resfriado. Queria que você estivesse nu, ao meu lado, lendo seus poemas em voz alta. Sylvette mon amour, vou escrever para você em breve. Sylv., Eu sei o que é esta carta. Mas tenho uma confiança mística em você. Além disso, a morte tão perto de mim (tão exuberante!) Me oprime. (...) Sylvette, não é uma febre, é um re-conhecimento infinito de que você é maravilhosa, ótima e adorável. Faça-me um pequeno lugar em você, eu não vou incomodá-lo. Mas eu te amo, ah, você não imagina como estremeço ao me lembrar das suas mãos que nunca mais tocarei se você não gostar, pois já viu, a sexualidade é um "terceiro" além disso. Enfim, eu não continuo. Eu te envio as 2 bibliotecas de poemunculi meos - coisa séria. Beijo-te porque conheço o russo (com variantes francesas e corsas).
Ou eu não te beijo, mas eu te saúdo, de acordo com seus gostos, como você quiser.
Eu submeto. Eu sempre disse não por um dia para dizer melhor sim.
Cuidado: esta carta é seu peut t'en foutgre e eu responderei à propos des [você pode colocar esta carta na sua bunda e me responder sobre] formigas de bunda grande.
Sylvette, você é la seule, l'unique. Mais ça il faut Direi a ele: Jamais tu ne rencontreras quelqu'un comme moi –Et tu le sais (tout) (Et maintenant je pleure.
[Sylvette, você é a única, você é a única. Mas é preciso dizer: você nunca vai encontrar ninguém como eu. E que você sabe (tudo). E agora estou chorando]
Silvina me cura, me ajuda, não dá para ser tal tortura-)
Silvina, me cure, não me faça ter que morrer agora. "


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Gabrielle dito

    Como você sabe que era uma relação pura e que estava se superando, não sei o quê e não sei o quê. AP foi um excelente poeta, mas também um ser humano e com alguns problemas por sinal. Vamos cuidar e manter o trabalho. Essa romantização do maldito poeta e seu jeito de amar, isso já aconteceu.

bool (verdadeiro)