O Vale dos Lobos

Laura Galego.

Laura Galego.

O Vale dos Lobos (1999) foi o segundo livro publicado pela autora espanhola Laura Gallego García. O título se tornou a primeira parcela da tetralogia Crônicas da torre. Os outros livros da série são A maldição do mestre, A chamada dos mortos y Fenris o elfo. Este último narra eventos anteriores ao início de toda a saga (prequela).

O primeiro lançamento editorial da Gallego, Finis Mundi, significou uma estréia literária de sonho (Prêmio Barco de Vapor da Editorial SM). Mais, O Vale dos Lobos representou uma entrada no estilo dentro do gênero da fantasia. Na verdade, hoje o escritor valenciano é considerado uma referência em leituras infantis e literatura juvenil de fantasia em espanhol. Antes de continuar a leitura, note-se que haverá spoilers.

A autora, Laura Gallego García

Nasceu em Cuart de Poblet, Valência, a 11 de outubro de 1977. Descobriu a sua vocação literária ainda adolescente, tendo desde então enviado sem sucesso mais de uma dezena de livros a várias editoras. Não obstante, sua persistência valeu a pena em 1998, quando o grupo de publicação SM publicou Finis Mundi. Entretanto, obteve o doutoramento em Filologia Hispânica na Universidade de Valência.

Gêneros e estilo

Ao longo de duas décadas de carreira literária, Gallego se envolveu em diferentes gêneros. Tudo começou com um romance histórico fantástico (Finis Mundi). Em seguida, ele experimentou ficção científica (Filhas da tara, 2002) e fantasia épica (com a trilogia Memórias de Idhun, 2004-2006). Também dignos de nota são seus inúmeros títulos de literatura infantil.

O escritor espanhol também produziu alguns textos literários realistas com a série Sara e os artilheiros (seis entregas lançadas em 2009 e 2010). É uma saga muito elogiada por abordar questões como igualdade de gênero, preconceito e espírito esportivo. Até o momento, Laura Gallego publicou 41 livros no total.

Temas

Em todos os gêneros mencionados, o autor valenciano costuma dar relevância ao amor Nesse sentido, o fio narrativo e as motivações dos personagens são dominados por sentimentos, intrigas e ressentimentos. Ou seja, as justificativas subjetivas (dos protagonistas) geralmente têm precedência sobre ideais como honra, justiça ou dever.

Alguns dos mais destacados elogios e reconhecimentos de sua carreira

  • Prêmio de Literatura Infantil El Barco de Vapor 2002, para A lenda do rei errante.
  • Prêmio Cervantes Chico (2011).
  • Prêmio Nacional de Literatura Infantil e Juvenil de 2012. Este, por seu livro Onde as árvores cantam.
  • Prêmio Imaginamalgama 2013, para O livro dos portais.
  • Prêmio Kelvin 505 2016.

Análise de El vale de os Lobos

O Vale dos Lobos.

O Vale dos Lobos.

Você pode comprar o livro aqui: O Vale dos Lobos

Estrutura e contexto

O romance consiste em 14 capítulos e um epílogo. Da mesma forma, a história se localiza em um tempo antes do presente, uma vez que os cavalos são o principal meio de transporte. Assim como as tarefas diárias no meio rural são realizadas sem máquinas. O narrador (onisciente) descreve um mundo imaginário, baseado em lendas, onde magia, feitiços e seres fantásticos são reais.

Estilo

O narrador em terceira pessoa usa uma linguagem culta, meticulosa e, ao mesmo tempo, simples. O que é importante para conseguir uma configuração cheia de detalhes sem distrair ou sobrecarregar o leitor com informações desnecessárias. Do mesmo modo, o texto está repleto de diálogos naturalmente intercalados com situações de suspense que levam a uma leitura emocionante e fluida.

Transes

O narrador descreve os acontecimentos de forma bastante objetiva, apesar de serem emoções subjetivas. Não é um aspecto menor, porque no romance surgem diferentes conflitos que servem para melhor compreender a natureza e os sentimentos do protagonista, Dana. Ela se apaixona perdidamente por Kai, que, por sua vez, é um espírito.

Mas quando Kai deve retornar ao submundo, ela decide esperar até sua própria morte para poder encontrá-lo novamente. Outro problema óbvio para a protagonista é sua desconfiança em quase tudo que a rodeia e nas questões mágicas. No entanto, Dana está decifrando seus desconhecidos por meio de conversas com os outros personagens da história.

Principais personagens

Dana

Ele é o personagem principal. Ela é uma garotinha de cabelos negros com olhos azuis com um olhar muito profundo, uma personagem corajosa e gosta de estudar muito. Da mesma forma, ela é a favor de seguir as regras de cada lugar ... a menos que elas contradigam os desejos de seu coração.

Kai

É o personagem co-estrela. Ele aparece a princípio como o "amigo imaginário" de Dana, mas na realidade é um espírito cuja figura é um menino loiro de olhos claros muito bonito. Aventureiro no comportamento, sempre disposto a colaborar incondicionalmente com quem o aprecia.

Fenris e Maritta

Fenris, um elfo de 200 anos bastante bonito (um jovem para a cronologia de sua espécie). Sua maior peculiaridade é a transformação em lobo durante as noites de luar. Por outro lado, Maritta é a cozinheira anã da torre, mal-humorada e desconfiada da magia. Embora ajude Dana quando ela precisar.

El Maestro

Ele é o homem alto e moreno; o mestre da torre, um edifício muito alto cheio de quartos desabitados e uma enorme biblioteca. Além disso, o professor é um personagem muito poderoso, egoísta e oportunista. Na verdade, um dos aspectos principais da história é que o Mestre assassinou sua própria governanta, Aonia (a ex-governante da torre).

Sinopse

O amigo imaginário

A parteira percebeu algo estranho em Dana assim que ela nasceu, mas não contou a ninguém. Seus pais e irmãos a tratavam de maneira normal, mas todos notaram que ela era diferente, muito quieta e cautelosa. Quando ela tinha seis anos, ela conheceu Kai, que começou a ajudá-la em suas tarefas diárias. na fazenda para mais brincadeiras.

Frase de Laura Gallego.

Frase de Laura Gallego.

Após dois anos da mesma “rotina”, um dia ela faltou à hora do jantar, portanto, foi fortemente reprimida pelos pais. Ela argumentou que estava brincando com Kai, mas seus irmãos disseram que Kai não existe. Poucos dias depois, outras crianças da aldeia a convidaram para brincar apenas para humilhá-la porque ela falava consigo mesma e a chamava de "bruxa".

Torre

Kai se sentiu muito angustiado porque sentiu a causa das situações sofridas por Dana. Portanto, ele hesitou em ficar com sua amiga, mas ela pediu que ele ficasse para sempre. Porém, havia um homem de manto cinza que podia ver Kai, este personagem - o Mestre - pediu permissão à família de Dana para levá-la a outro lugar (a torre). Para surpresa de Dana, o pedido foi aceito.

A torre é na verdade uma escola de magia localizada no vale dos lobos (assim chamada por causa das bestas imortais que vagam por ela à noite). Na torre, Dana encontra Fenris, o elfo, e Maritta, a cozinheira anã. Mais tarde, Dana entende que ela é uma "Kin-shannay", um tipo de pessoa capaz de se comunicar com os mortos.

O unicórnio

Dana começa a aprender sobre magia. Naquela época, uma misteriosa mulher vestida de ouro chamada Aonia (a anterior amante da torre) começa a aparecer para ele com frequência. A enigmática presença conta-lhe a lenda de um unicórnio (visível apenas nas noites de lua cheia) e pede-lhe que o encontre no vale dos lobos.

Então, em uma noite de lua cheia, Dana e Kai conseguem ver o unicórnio, mas os lobos do vale (imunes a qualquer feitiço) os impedem de segui-lo. Além do mais, os cães quase mataram Dana, salva in extremis por Fenris. Depois de um ano, Dana se lembra da transformação de Fenris em lobo, graças à qual ela foi capaz de controlar feras.

As intenções do Mestre

Em uma segunda tentativa, acompanhada por Fenris, Dana consegue seguir o unicórnio até uma sala onde há um poço com um tesouro. Que, dobra o poder mágico de quem o possui. De repente, O Mestre (que os estava seguindo) aparece e joga Dana, Fenris, Maritta e Kai em um buraco negro perpétua, enquanto ele lança um feitiço para aproveitar a magia do unicórnio.

De dentro do buraco infinito, Dana manda Aonia de volta ao submundo (usando o corpo de Maritta). A feiticeira tenta em vão capturar o Mestre, mas ele sequestra Fenris e foge até a torre. Em seguida, quando Dana, Kai e Aonia tentam seguir o Mestre, o mestre lança um feitiço que prende Kai dentro de uma garrafa.

O trato

O Mestre se oferece para libertar Kai em troca da fidelidade e servidão eterna de Dana. A menina aceita e passa no teste ácido (agora ela é uma maga, ela não é mais uma aprendiz). Pouco antes de fechar o acordo com o Mestre, Dana é morta por Aonia.

O confronto final

Dana consegue retornar ao mundo dos vivos como um Kin-shannay. Uma vez de volta à Torre, ele se reúne com Fenris para confrontar o Mestre novamente. No final, quem consegue acabar com o dono da torre é Maritta, que o esfaqueia pelas costas. A partir desse dia, Dana se torna a nova governante da torre.

Embora nem tudo seja bom para Dana, ela deve se separar de Kai (que deve retornar ao mundo dos mortos permanentemente). No epílogo, o governante da torre viaja com Fenris até a fazenda de sua família para procurar os ossos de um dragão azul. Com certeza, os pedaços de osso são da mesma besta que matou Kai quinhentos anos atrás.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)