Marechal e sua eterna vinda ...

Um autor que nunca parou ou nunca vai parar apaixonado por mim é Leopoldo Marshall. Muitos devem saber disso, assim como muitos devem ignorar do que se trata.

Escritor Argentino, Nascido em 11 de junho de 1900 e falecido em 26 de junho de 1970, ele foi um dos maiores escritores que esta nação nos deixou.

Uma de suas obras mais importantes foi "Adam Buenosayres", Seu primeiro romance que dá início à trilogia que mais tarde completaria"O Banquete Severo Arcángelo"E"Megafone ou Guerra”. Além de escrever romances, dedicou-se muito ao teatro (com obras como “Don Juan"E"Antigone Velez”), Assim como se desenvolveu como um grande poeta e contador de histórias.

Não considero oportuno aprofundar aqui a biografia do autor, embora em pequenos detalhes que considero agradável conhecê-lo muito melhor, também em relação a um contexto histórico, e a um contexto de boom literário onde os seus amigos foram muitos "o maior".

O escritor foi muito importante seguidor do peronismo, durante o seu desenvolvimento e, depois, na Argentina. Devido aos conflitos políticos que esta ideologia levantou ao longo da história, foi que as obras de Marechal foram em grande parte relegadas ao esquecimento forçado. "Adam Buenosayres”Não foi amplamente reconhecido na época de sua publicação, em 1948, embora tenha sido, e felizmente, por autores posteriores no país.

Leopoldo nasceu na cidade de Buenos Aires, embora tenha viajado muitos verões para o interior com seus tios, onde na chegada o chamaram de “buenosayres” por causa de sua origem. Daí surgiu o nome do protagonista de seu livro, Adán, que de alguma forma se pode dizer que ele mesmo, assim como também é possível encontrar as maravilhosas coincidências identitárias no círculo de amigos do protagonista, com o amigos do Marechal na realidade: Xul Solar, Borges e Jacobo Fijman entre outros.

O alto grau de nacionalismo que a obra demonstra a torna um dos pilares da literatura argentina, junto com a “Martin Fierro","Don Segunda Sombra"E"Facundo".

Em relação ao seu "Adam Buenosayres”, Leopoldo escreveu:“Ao escrever meu Adán Buenosayres, não entendia como sair da poesia. Desde muito cedo, e com base na Poética de Aristóteles, pareceu-me que todos os gêneros literários eram e deveriam ser gêneros de poesia, tanto épicos quanto dramáticos e líricos. Para mim, a classificação aristotélica ainda estava em vigor, e se o curso dos séculos acabou com certas espécies literárias, não o fez sem criar 'substitutos' para elas. Foi então que me pareceu que o romance, um gênero relativamente moderno, não poderia ser outra coisa senão o "substituto legítimo" do épico antigo. Com essa intenção, escrevi Adán Buenosayres e o ajustei às normas que Aristóteles deu ao gênero épico.»

O livro reflete a época de grande imigração que o país viveu no início do século, onde famílias inteiras vieram da Espanha, Itália, França e outros países europeus em busca de trabalho, e ao mesmo tempo fugindo das perseguições políticas que em suas nações eles sofreram. A promessa de riqueza com que foram arrastados para o país ainda era uma promessa, e seus bolsos pareciam tão vazios quanto anos antes, razão pela qual superpovoaram certas áreas da cidade de Buenos Aires. Essa classe de personagens é a que Marechal leva para desenvolver o contexto em que vive Adán.

O que é interessante na literatura deste autor, e principalmente no romance de que estou falando, é o intenso trabalho de namoro, bem como o exercício filosófico e metafísico com que os personagens se desenvolvem em suas relações. Mais especificamente, sobre isso, não poderia ser o amigo de Adam, o filósofo Samuel Tesler, um personagem apócrifo cujos resultados como ator de inúmeros fatos irrisórios é sempre motivo de risos incríveis. E ao mesmo tempo, como em qualquer Ser que se presta a ser, vale a pena a redundância, não se pode ignorar um fator básico, inerente a todos nós, que é o amor. E como Adam também faz parte de nós, ele amou. Dedicando às suas queridas notas constantes que carregava consigo no seu caderno de capa azul que, no final do romance, entrega-o a ela, encontrando questões que ultrapassam até a própria necessidade.

E como todo o livro é um tour por ele, embora também por muitos outros, Marechal não pôde deixar de prestar uma homenagem a Dante Alighieri, criando seu próprio inferno, ou melhor, "o inferno de Schultze", o astrólogo amigo de Adão . Por isso, somos arrastados capítulo após capítulo, por cada um dos infernos que constituem o maior, cada um deles sendo uma excelente paródia de uma Buenos Aires condenada às chamas mais deliciosas do submundo.

Este ainda é um passeio por algo já conhecido, ou talvez um motivo de admiração para alguns (espero). Talvez seja uma desculpa para reler, ou para começar a ler, já que não só faz parte da história literária argentina, mas também faz parte das melhores letras da história.

Bibliografia de Leopoldo Marechal:

Poesia-
 "Aguiluchos", 1922
 "Odes for Man and Woman", 1929
 "Labirinto do amor", 1936
 "Five Southern Poems", 1937
 "O Centauro", 1940
 "Canções para Sophia", 1940
 "Canção de San Martín", 1950
 "Heptameron", 1966
 "The Robot Poem", 1966
Teatro-
 "Antígona Vélez", 1950
 "Don Juan", 1956

Romance-
 "Adán Buenosayres", 1948
 "O Banquete de Severo Arcángelo", 1965
 "Megafone ou Guerra", 1970

Links recomendados: http://www.elortiba.org/marechal.html; marechal.org.ar


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   pc77 dito

    Marechal e Borges eram amigos?