Luis de gongora

Citação de Luís de Gongora.

Citação de Luís de Gongora.

Luis de Góngora (1561 - 1627) foi um destacado poeta e dramaturgo, além de um dos mais importantes representantes da Idade de Ouro espanhola. Hoje ele é reconhecido como o maior expoente do culteranismo, corrente literária que também é chamada de gongorismo. Sua obra poética se caracteriza por ser destemida e, ao mesmo tempo, mundana.

Da mesma forma, sua língua é considerada um dos faróis mais brilhantes na evolução da "poesia de língua espanhola" contemporânea. Por ele, seu trabalho foi classificado como "as duas faces do mesmo espelho", onde a luz e as trevas têm uma origem semelhante em seus diferentes escritos.

Luis de Góngora: uma vida entre letras

Luis de Góngora y Argote nasceu em 11 de julho de 1561, na Calle de las Pavas em Córdoba, Andaluzia. Ele fazia parte de uma das famílias mais ricas e conservadoras da época nas margens do Guadalquivir, na verdade, seu pai era um juiz de bens confiscados pelo Santo Ofício.

Primeiros anos marcados por uma forte tradição católica

O jovem Luis chegou a receber encomendas menores até atingir o grau de cônego da catedral de sua cidade natal. Também, Alcançou grande prestígio ao ocupar o cargo de Capelão Real em 1617 durante o mandato de Felipe III. O que o levou a residir até 1626 na corte de Madrid para poder exercer as funções inerentes ao seu título.

Posteriormente, ele viajou em diferentes comissões de seu conselho por praticamente toda a Espanha. Ele aproveita essas expedições para passar frequentemente por sua Andaluzia natal. Do mesmo modo, visitou assiduamente Jaén, Navarra, Castilla, Cuenca, Salamanca e muitos recantos da actual Comunidade de Madrid.

Inimizade com quevedo

Um dos capítulos mais comentados da vida deste poeta e dramaturgo foi sua inimizade com Francisco de Quevedo. Segundo Góngora, seu "colega" por um tempo (quando se encontraram na Corte de Valladolid) se dedicou a imitá-lo. Além disso, Luis de Góngora chegou a afirmar que nem mesmo o fez abertamente, mas por meio de um pseudônimo.

A beleza de seus poemas

Duas de suas obras figuram entre as mais representativas da poesia universal em espanhol. Isso graças à complexidade que encerram em si Solidão y A Fábula de Polifemo e Galateia. Ambas as causas de muita controvérsia em sua época - não apenas pela originalidade de suas metáforas ornamentadas - principalmente devido ao seu tom indecoroso, rude e insolente.

Por consequência, Sua veia satírica inapelável sempre esteve presente em todos os seus escritos. Acompanhando-o desde aqueles primeiros golpes como a escrita dos poemas dedicados ao túmulo de El Greco, Rodrigo Calderón e A Fábula de Píramo e Thisbe. Além disso, sua criação poética se destaca pelas características a seguir citadas:

  • Uso constante de uma hipérbole barroca incomum.
  • Uso frequente de hiperbatones com desenvolvimentos paralelos.
  • Vocabulário extremamente rebuscado.

Obras "maiores e" menores "

Sua obra poética está agrupada em dois blocos: poemas maiores e poemas menores. Entre eles, romances abundam como o de Angélica e Medoro, cujo tom travesso, lírico e até pessoal do narrador permeia profundamente esta conhecida peça de inspiração literária.

Os manuscritos de Luis de Góngora

Luis de Góngora nunca publicou nenhuma de suas obras em sua vida; eram apenas manuscritos passados ​​de mão em mão. Que incluíam cancioneiros, livros de romance e até antologias, muitas vezes publicadas sem sua permissão. Em uma ocasião - em 1623 - ele tentou publicar formalmente parte de sua obra, mas desistiu.

Um dos textos cuja divulgação ele autorizou foi o chamado Manuscrito Chacón, transcrito por Antonio Chacón para o Conde-Duque de Olivares. Lá, esclarecimentos feitos pela mão do próprio Góngora foram incluídos junto com a cronologia de cada um dos poemas.

Entre letrilhas e sonetos

Adicionalmente, Góngora foi um fiel expoente das letras satíricas, religiosas e líricas, bem como os sonetos com um toque burlesco. O estilo deste último misturou sutilmente histórias controversas, casos de amor e discussões filosóficas ou morais. Alguns tinham motivações fúnebres, mas raramente renunciavam à sátira.

Apesar do exposto, a busca por elevados valores estéticos fazia parte de suas preocupações. Pois o objetivo da maioria das letrilhas era zombar das chamadas mendigas. Além de atacar aquele profundo anseio pelo inatingível ou o desejo de obter riquezas exorbitantes. Ao contrário dos grandes poemas, cujo motivo se concentrava em promover uma revolução cultural.

As Solidões

Solidões.

Solidões.

Você pode comprar o livro aqui: Solidões

Este é talvez o trabalho mais criativo de seu catálogo. As Soledades É um desafio à inteligência humana, motivo de inúmeras polêmicas na época. O seu conteúdo apresenta uma idealização complicada da natureza, assumindo uma obra que representa o culminar do estilo "gongoresque".

Além disso, a sua “ousadia” estética causou grande escândalo devido ao seu perfil de homem “hipercultura”. Além disso, o debate foi apimentado pelo pano de fundo de um tema sugestivamente homossexual. Ou seja, mais uma vez o escritor andaluz levou ao limite as convenções sociais de sua época.

Fim de uma história, o começo de uma memória

Os últimos dias de Luís de Góngora não honraram a vida de um homem que - apenas com os manuscritos - teve uma influência significativa nas letras castelhanas. As causas: a ganância de alguns membros de sua família e os problemas de senilidade combinaram-se impiedosamente para deixá-lo atolado na miséria.

Um legado "salvo pelo adversário"

Sua obra, em muitos casos inacabada e inédita, corria o risco real de se perder nos confins do esquecimento. Paradoxalmente, os constantes conflitos com Quevedo inicialmente possibilitaram resgatar e salvaguardar seu legado. Por causa dessa "briga", sobrou muito papel escrito para a posteridade.

A “guerra de sátiras” desencadeada entre os dois serviu para mostrar um homem jovial e amante da boa vida. Além disso, Luis de Góngora é descrito como um grande apaixonado por touradas e cartas de baralho. Este último lhe rendeu a desaprovação de seus primeiros guias, os hierarcas eclesiásticos.

Reclamação necessária

Actualmente, os seus poemas e a sua obra literária em geral - incluindo a sua inserção na dramaturgia - são reconhecidos pela merecida importância. Y, Embora o autor não tenha podido vê-lo em vida, seus escritos são publicados com grande frequência. Exatamente como deveria.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.