Os melhores livros de Isabel Allende

Apesar de ter nascido na Lima peruana em 2 de agosto de 1942, Isabel Allende sempre foi chilena, antes filha de um continente latino-americano que encontrou nela um de seus melhores escritores. Embaixador do realismo mágico e da literatura crítica e feminista, o autor de La casa de los espíritus já vendeu 65 milhões de livros em todo o mundo. Nós compilamos os melhores livros de Isabel Allende como a melhor forma de entrar no universo daquele que é um dos grandes autores latinos do século XX.

A Casa dos Espíritos (1982)

Pensar Allende é fazê-lo em La casa de los espíritus, romance que o tornou conhecido em todo o mundo após a sua publicação em 1982. Convertido em Best-seller instantâneo, o trabalho é um grande herdeiro do realismo magico que surgiu na década de 60 e também é um retrato perfeito do Chile pós-colonial em que uma família, os Trueba, testemunha a degradação de sua linha devido a traições, visões e tensões políticas. O sucesso do romance foi tal que em 1994 foi lançado a adaptação cinematográfica do livro estrelado por Jeremy Irons e Meryl Streep.

De amor e sombra (1984)

Folga De Amor e Sombras ...
De Amor e Sombras ...
Sem classificações

Após o sucesso de A Casa dos Espíritos, Isabel Allende contou ao mundo uma história que há muito estava guardada. Ele fez isso a partir de sua Venezuela adotada e mergulhou na crueldade de a ditadura chilena, na escuridão no meio da qual as histórias de três famílias e o romance entre Irene e Francisco são um hino à dignidade humana e às liberdades. Um dele livros mais vendidos, De amor y de sombra é um dos livros mais especiais de Allende e outro que foi adaptado para o cinema, desta vez em 1994 com Antonio Banderas e Jennifer Connelly como protagonistas.

Eva Lua (1987)

Quando Allende quis adaptar As mil e uma noites ao jargão latino-americano, percebeu que o continente ainda não tinha um narrador oficial. Desta forma, Eva Luna tornou-se seu particular Scheherazade e no protagonista de um romance que segue as travessuras de uma jovem cuja capacidade de contar histórias se apaixona por dois homens da guerrilha. O romance, um sucesso após sua publicação, deu origem a um livro de contos chamado Contos de Eva Luna exatamente como recomendado.

Paula (1994)

Em dezembro de 1991, Paula, filha de Isabel Allende, Ele foi internado em um hospital em Madrid, onde entrou em coma, interrompendo indefinidamente a vida do autor. Seria durante os dias de espera com a filha, quando Isabel começaria um trabalho com uma carta para a filha que remete às experiências e pensamentos da própria autora: dos ecos da ditadura chilena à preparação de suas obras enquanto Paula, aos poucos, um corpo foi saindo para universos menos infames. O livro mais íntimo de Isabel Allende; cru, real. Resignado.

Filha da fortuna (1999)

Situada entre 1843 e 1853, Hija de la fortuna evoca o conceito 100% Allende: uma jovem infeliz em busca do amor em um período histórico de mudanças e tensões. Neste caso, a protagonista é Eliza Sommers, uma jovem chilena adotada por uma família inglesa durante o domínio britânico de Valparaíso que se apaixona por Joaquín, um amante que partiu para a Califórnia durante Corrida do ouro em 1849. A aventura de Eliza a levará a descobrir um outro mundo nas mãos de um médico chinês através das páginas daquele que é um dos melhores livros de Isabel Allende.

Retrato em sépia (2002)

Com Filha da Fortuna, Isabel Allende deu início a uma coleção de livros ambientados na época da Corrida do Ouro na Califórnia, da qual Retrato em Sépia também faz parte. A história, narrada na primeira pessoa por Aurora del Valle, neta de Eliza Sommers, abrange sua vida sob a proteção de sua avó, Paulina del Valle, seu desenvolvimento como fotógrafa ou seu tempestuoso romance com Diego Domínguez. Com a cidade de São Francisco como pano de fundo, Retrato em Sépia aposta em um maior lirismo e feminismo, reduzindo a história romântica a uma das três partes que compõem o livro.

Ines da minha alma (2006)

O testemunho legado à filha Isabel permite-nos a todos conhecer a história de a primeira mulher a chegar ao Chile: Inés, uma jovem extremadura que sai em busca do marido perdido sem saber que acabará se inscrevendo em um dos episódios históricos mais importantes do continente sul-americano. Desde a queda do império inca em Cuzco até a fundação de Santiago do Chile, Inés del alma mía, mais do que a história de uma heroína, é o retrato de um continente saqueado.

A ilha submarina (2009)

Depois de cavar em diferentes cantos de seu continente, Allende mergulhou no Haiti escravista do século XVIII. Um território definido por cerimônias de vodu, tumultos e primeiro movimento revolucionário contra a escravidão em 1791. Um período de mudança vivido por um escravo, Zarité, que depois de parecer condenado a dar filhos mulatos a um senhor perverso, acaba sabendo o que há além da terra que limitava aqueles que outrora sentiam o clamor sob os tambores, os daquela ilha sob o mar tão longe do Caribe. Muito recomendável.

O amante japonês (2015)

Um dos últimos romances de Isabel Allende também foi um dos mais elogiados ao abordar o tema do amor, um clássico do autor, de uma perspectiva diferente. Ambientado durante a Segunda Guerra Mundial, The Japanese Lover narra o romance entre Alma Velasco e Ichimei, um jardineiro japonês, por diferentes países durante a segunda metade do século XX. Uma história comovente concebida como um conto de fadas para adultos que denota a possível ausência de um amor verdadeiro, mas a universalidade de muitos outros (e não necessariamente românticos).

Além do inverno (2017)

«No meio do inverno finalmente aprendi que havia um verão invencível em mim»

Desta citação de Albert Camus nasce a última obra publicada de Allende. O romance, possivelmente um dos mais focados na diáspora latina nos Estados Unidos, apresenta três personagens durante uma das piores tempestades do continente: um chileno, um guatemalteco e um americano que vivem o pior momento de suas respectivas vidas. Três histórias que se cruzam sem que seus protagonistas consigam adivinhar a chegada de um verão inesperado.

Quais são para você os melhores livros sobre Isabel Allende?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

2 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Katina Monaca dito

    A Casa dos Espíritos, é (depois de Cem Anos de Solidão do Grande Gabo -QEPD-) a mais bela obra que li em minha vida seguida de muito perto por outro livro maravilhoso: De Amor e Sombras.

  2.   Yoselyn dito

    a cidade das feras também deste excelente escritor é um livro muito bom que deixa muitos ensinamentos ao leitor, senti que era necessário mencioná-lo.