Juan Torres Zalba. Entrevista com o autor de O primeiro senador de Roma

Fotografia: Juan Torres Zalba, página do Facebook.

Juan Torres Zalba é de Pamplona e funciona como advogado, mas nas horas vagas dedica-se à literatura de gênero histórico. Depois de postar Pompelo. O sonho de Abisunhar, no ano passado apresentou O primeiro senador de roma. Muito obrigado pelo seu tempo e gentileza dedicados a este Entrevista, onde ele fala sobre ela e vários outros tópicos. 

  • LITERATURA ATUAL: Seu último romance é intitulado O primeiro senador de roma. O que você nos fala sobre isso e de onde surgiu a ideia?

JUAN TORRES ZALBA: O romance narra os acontecimentos ocorridos na Roma republicana entre os anos 152 a 146 aC, época em que ocorreu um acontecimento de grande relevância, a Terceira Guerra Púnica e a captura e destruição final de Cartago. 

Este é o fio condutor da obra, através do qual poderemos conhecer em primeira mão as grandes figuras históricas do momento (Cipião Emiliano, um velho Cato, Cornélia, que é a mãe dos irmãos Graco, etc.), as batalhas mais relevantes, as campanhas na África e na Hispânia, os assuntos políticos de Roma e Cartago, festas, costumes, vida cotidiana e muito mais em suas oitocentas páginas. 

Depois do primeiro romance, que estava ligado à fundação romana da minha cidade, Pamplona, ​​eu queria enfrentar uma narrativa maior e mais ambiciosa, História em maiúsculas, e desta vez da República de Roma fui apaixonado por seus personagens , todos eles de primeira classe, sua epopéia e sua dimensão política, um prelúdio à revolução dos irmãos Graco. E assim, aos poucos, foi surgindo a ideia do romance, da qual gostei cada vez mais à medida que avançava na documentação. Só vale a pena o ataque final a Cartago pelas tropas romanas e como essa situação política é alcançada. Era uma cidade enorme com um sistema de paredes intimidante e uma enorme população pronta para tudo. Mas os romanos entraram. O que aconteceu lá deve ser terrível. 

  • AL: Você pode voltar ao primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

JTZ: A verdade é que não me lembro qual foi o primeiro livro que li. Eu diria um dos Cinco. Minha irmã tinha todos eles e eu os amava. 

Um pouco mais velho, não muito, tenho um carinho especial por um intitulado Colina da Edeta, um romance infantil sobre a Segunda Guerra Púnica. É possível que tenha marcado algo em mim, um desejo ou uma paixão pela História e por viver a História. 

No entanto, lembro-me muito bem (e meu pai sim) da primeira história que escrevi. Era uma imitação das narrativas de "Os Cinco", muito curta, mas escrita por minha própria iniciativa. E a verdade é que quando leio hoje me parece que não está nada mal (disse com um sorriso). 

  • AL: E aquele redator principal? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas. 

JTZ: Eu realmente gosto de romances poderosos, e não figurativamente falando, mas por causa de seu volume. Gosto de Posteguillo, é claro, mas especialmente de Colleen Mccullough, que é ultrajante. Seus romances da Roma antiga são impressionantes. A criação, de Gore Vidal, também deixou sua marca em mim. 

E se deixarmos o romance histórico, estou apaixonado por O Senhor dos Anéis. É uma das poucas obras que li mais de uma vez (não sou um leitor recorrente). 

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar? 

JTZ: Eu adoraria conhecer muitos e vê-los andando por Roma, como Catão, Cipião Emiliano, Cornélia, Ápio Cláudio Pulcro, Tibério e Caio Semprônio Graco, Sertório, Pompeu, o Grande ... e tenho a sorte de ter já os criou. Não tenho outros, mas de vez em quando.  

  • AL: Algum hábito ou hábito especial quando se trata de escrever ou ler? 

JTZ: A verdade é que não. Eu pensei sobre essa questão por um tempo, mas vejo que não tenho manias ou hábitos. Escrevo quando e como posso (mais à noite do que durante o dia), mas sem nada de especial a dizer além do fato de que preciso de muito silêncio. Na minha casa já são instruídos que quando estou escrevendo é melhor não olhar para mim (exagero um pouco). 

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer? 

JTZ: Uau, já respondi isso. O meu horário preferido é a noite (sou muito coruja), e quanto ao local, às vezes mudo, ora no meu quarto, ora na mesa da cozinha, ora num cômodo que serve de escritório ... segundo para mim dar e como me sinto mais confortável. 

  • AL: Existem outros gêneros que você gosta? 

JTZ: O gênero que mais me agrada é o romance histórico. Fora dele, o gênero fantasia também me atrai, mas como dizem, a cabra puxa a montanha. 

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

JTZ: No momento, estou imerso na continuação de O Primeiro Senador de Roma. Ler pelo prazer de ler Não tenho tempo agora. Meu trabalho já exige muita dedicação e o espaço que tenho é para escrever. No verão fiz uma pausa com El Conquistador, de José Luis Corral.

  • AL: Como você acha que é a cena editorial?

JTZ: Eu acredito que não foi escrito e publicado tanto quanto antes, tanto em papel quanto em formato digital. É verdade que, para novos autores, acessar uma editora é muito complicado, assim como vender, já que a concorrência e a qualidade são muito altas. No meu caso, tenho muita sorte de ter uma editora que cuida muito de mim (A esfera dos livros). Vejo também que existem muitos blogs de literatura (como este), grupos de leitura, grupos em redes sociais com milhares de membros, etc., que além de darem uma visibilidade que é muito bem-vinda, mostram que o interesse em lê-lo é na íntegra efervescência. 

Outra coisa é o dano que a pirataria causa, que parece ser galopante. O esforço que envolve a criação de um romance ou de qualquer obra literária é enorme e é muito frustrante ver como os livros piratas circulam. 

De resto, vimos recentemente como grandes editoras assinam autores, o que indica que o mundo editorial está se movendo, que está muito vivo. 

  • AL: O momento de crise que estamos vivenciando está sendo difícil para você ou você pode guardar algo positivo para histórias futuras?

JTZ: No meu caso, não faltou trabalho (muito pelo contrário) nem tive experiências dolorosas, por isso acho que não tenho motivos para reclamar. Mesmo assim, é verdade que, como todas as outras pessoas, tenho uma grande vontade de recuperar a vida anterior, a sua alegria, divertir-me, viajar ou poder estar com a família e amigos sem medo. De qualquer forma, não acho que vou conseguir nada de positivo para histórias futuras. Foi um período longo e difícil que é melhor deixar para trás.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.