José Calvo Poyato. Entrevista com o autor de La travesía final

Fotografia: José Calvo Poyato. (c) Pepe Travesía. Cortesia de Ingenio de Comunicaciones.

Jose Calvo Poyato tem uma longa carreira como escritor de obras históricas populares e como romancista, entre cujos títulos estão Feitiço do rei, Conjuração em Madrid, A Bíblia Negra, A Mulher Dragão o Sonho de hipatia, entre outros. Muito obrigado pelo tempo que você gastou neste Entrevista onde ele nos conta sobre seu último romance, A jornada final, e em mais tópicos.

José Calvo Poyato - Entrevista

  • NOTÍCIAS DA LITERATURA: Você acaba de lançar um novo romance no mercado, A jornada final. O que você nos diz nele? 

A jornada final é, de certa forma, um continuação do caminho infinito, em que foi contado a primeira volta ao mundo por Juan Sebastián Elcano. Agora, o marinheiro espanhol, nascido em Getaria, torna-se o centro da novela na qual é contado o que aconteceu com eleDepois de dar a volta ao mundo pela primeira vez, porque Elcano desaparece dos manuais de história e o personagem parece importante o suficiente para sabermos o que aconteceu com ele. Some-se a isso que aqueles anos que se seguiram à primeira volta ao mundo foram repletos de grandes acontecimentos em nossa história. 

  • AL: Você pode voltar à memória daquele primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

O primeiro livro que li foi uma história das cruzadas. Era um daqueles livros da Editorial Bruguera em que o texto se combinava com a banda desenhada. A história em quadrinhos foi lida primeiro. Às vezes, apenas quadrinhos. Éramos crianças de sete ou oito anos. Acho que me deram quando fiz minha primeira comunhão, ainda não tinha sete anos.

A primeira história que escrevi e que se tornou um livro foi um estudo histórico sobre a crise do século XVII na minha cidade: A crise do século XVII na Villa de Cabra. Ganhou um prêmio e é por isso que foi publicado. Já se passaram alguns anos desde então.

  • AL: Qual foi o primeiro livro que mais te impressionou e por quê?

Eu lembro que eles me impressionaram, quando adolescente, os livros de Martín VigilComo Vida encontra. Também aqueles de Maxence Van der Meersch, como Corpos e almas! Como historiador, lembro-me de um verão que li todos os Episódios Nacionais de Galdós. Fiquei impressionado. Eu acho que a leitura influenciado decisivamente que Acabei sendo historiador e Eu era apaixonado pelo romance histórico. Na época, nunca me passou pela cabeça que um dia seria eu quem os escreveria. 

  • AL: Quem é seu escritor favorito? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas.

Já me referi ao que supunha Don Benito Pérez Galdós. Eu sou apaixonado por Quevedo e dos grandes romancistas do século XIX como Honoré Balzac ou Victor Hugo. Entre os escritores atuais, meus favoritos são Jose Luis Corral, verdadeiro mestre do romance histórico. Os julgamentos de Juan Eslava Galán e as obras de Dom Antonio Domínguez Ortiz sobre a Espanha dos Habsburgos e o século XVIII.

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

Senhora Bovary. Parece-me que ele é um dos personagens mais bem desenhados da literatura de todos os tempos. Não deixado para trás Lázaro, o protagonista de O Lazarillo de Tormesum Sancho Pança. Ambos me parecem ótimos por suas referências e acontecimentos de vida. 

  • AL: Algum hábito especial ao escrever ou ler?

Eu geralmente me isolo razoavelmente bem, permitindo-me escrever em lugares onde há outras pessoas conversando. É por isso que costumo escrever na cozinha da minha casa, centro de reunião familiar. Quando faço a correção final de um texto para entregá-lo à imprensa, costumo me isolar e fazer a leitura sem interrupções. Às vezes eu escrevo —A escrita é a fase final do processo de escrita— por muitas semanas e pode haver desequilíbrios, mudanças de ritmo, que devem ser corrigidas. Por isso, prefiro ficar sozinho e isolado.  

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer?

Como já indiquei, posso fazer em qualquer lugar e agora Eu não tenho momentos favoritos. Houve momentos em que preferia escrever à noite. Mas com o tempo eu concluí que deve ser escrito quando se está confortável, solto. Às vezes, alguém insiste em escrever —No sentido da escrita - e as ideias não fluem. Nesses momentos é melhor deixar. Há momentos em que, ao contrário, tudo vem fácil e você tem que aproveitar.

  • AL: Outros gêneros que você gosta?

Além de romances históricos, leio muito ensaio histórico; afinal, sou um historiador. Eu também li romance policialambos os tipos clássicos de Dashiell Hammett ou Vázquez Montalbán como um romance policial atual. Muitos leitores afirmam que em meus romances há sempre uma trama negra que, sem ser propriamente histórica, é plausível e, portanto, se encaixa bem no quadro histórico do romance. 

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

Terminei Infinito em uma palhetapor Irene Vallejo. Estou lendo Armas da luzde Sanchez Adalide A rainha esquecidade José Luis Corral. Você está esperando uma biografia de Carlos III. Procuro informações sobre aspectos pouco conhecidos do século XVIII espanhol em sua segunda metade. 

  • AL: Como você acha que é o cenário editorial para tantos autores quantos existem ou querem publicar?

Talvez seja mais complicado nos últimos anos. A crise que começou em 2008 afetou muito o mundo dos livros. Escritores muito bons ficaram sem editor. Foi muito dificil. Há atualmente muitos escritores que têm a ilusão de publicar, mas as possibilidades são limitadas. Existe a possibilidade de editoração eletrônica, mas nesse caso a distribuição falha, o que é essencial. É uma pena que muitas histórias, muito boas e bem contadas, não vejam a luz ou a vejam de forma muito limitada.

  • AL: O momento de crise que estamos vivenciando está sendo difícil para você ou será capaz de guardar algo positivo para futuros romances?

A crise epidêmica que vivemos está sendo muito difícil. Não apenas para os falecidos e doentes que estão tendo dificuldade em se recuperar. Também pelo que implicam o confinamento, as restrições, a imobilidade ou a mobilidade muito relativa. É algo que nossa sociedade não esperava. Essas epidemias afetaram outras partes do planeta, mas não foram um problema na Europa.

Para mim, pessoalmente, tem sido suportável. Eu moro em uma casa de cidade   —Tudo um luxo nessas circunstâncias - y a profissão de escritor é muito solitária, embora eu escreva às vezes, no meio de uma reunião familiar. Acho que podemos tirar conclusões do que está acontecendo, pois somos mais vulneráveis ​​do que pensávamos, que euhumildade é altamente recomendada ou que a paciência, em uma sociedade dominada pela rapidez e imediatismo, é conveniente que aprendamos a cultivá-la.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Sixto Rodríguez Hernández dito

    Bem, vou procurar o trabalho deste escritor porque o que mais gosto é o romance histórico e os livros de história.
    lembranças

bool (verdadeiro)