Relembrando Jean-Claude Izzo. Sua trilogia Marselha com Fabio Montale.

Jean-Claude Izzo. Trilogia de Fabio Montale.

O dia Janeiro 26 uma nova aniversário De morte do escritor francês Jean-Claude Izzo (1945-2000). Seu Trilogia de Marselha, estrelando o policial Fábio Montale, é sua obra mais representativa do gênero negro e talvez também a mais famosa.

Vim até ela graças ao presente de um amigo e ele me conquistou. Ao terminar, fiquei com aquela enorme sensação de bem-estar que a boa literatura sempre deixa para trás. Fábio Montale ficou com parte do meu coração. E a cidade de Marselha.

Porque Marselha marcou a vida e a obra de Jean-Claude Izzo. Filho de garçom italiano e costureira espanhola, ele era um membro do Partido Comunista Francês, integrante de movimentos pacifistas e jornalista. No final dos anos XNUMX começou a escrever literatura poesia. Mas eu conseguiria o sucesso como resultado de seu primeiro romance, Khéops totais (1995). Com ela começou a trilogia que o elevou na época como o autor mais proeminente do romance policial francês.

Marseille Trilogy. Fabio Montale

Policial cético e grande amante da boa comida e bebida, Fabio Montale está na casa dos trinta e é mais um desses grandes personagens da tradição mediterrânea. Recursos de compartilhamento de caráter e costumes com colegas como Exceto Montalbano o Pepe Carvalho. Mas é muito mais escuro, com um grande toque de aspereza e fatalismo. Seus poucos momentos de paz os levam pescando ou tendo um passado ou um Lagavulin na taverna de seu amigo Fonfon.

É métodos não ortodoxos e não convencionais. A certa altura ele sai da polícia e se torna uma espécie de detetive atípico. E é difícil sim, mas também cativante, porque você o reconhece como um perdedor. Izzo o faz falar muitas vezes com ternura e aspereza.

Khéops totais (1995)

A morte de um chefe da máfia de Marselha levará Montale a entrar em um enredo nublado em que o xenofobia, a marginalização e a demonização dos imigrantes do Magrebe. Por perto também estão os corrupção e a sombra ameaçadora do extrema direita.

Narrado em terceiro como primeira pessoa, Montale também terá que lidar com certos sentimentos desconfortáveis ​​em um triangulo amoroso onde existem fantasmas muito importantes.

Ele olhou para mim por um momento e quase disse algo. Em vez de fazer isso, ele sorriu para mim. Seu sorriso era tão terno que também não consegui encontrar nada para dizer a ele. Nós ficamos assim. Silenciosamente, olhando fixamente para o vazio. Cada um, por dentro, já em busca de uma felicidade possível. Quando a deixei, ela não era mais uma prostituta. Mas eu ainda era apenas um policial de merda. E o que me esperava enquanto eu entrava pela porta, não havia dúvida, era podridão humana.

Chormo (1996)

Um jovem, que eu estava no lugar errado na hora errada, É assassinado. Sua morte implica Montale, pois ele era o filho de um primo sua. Mas na investigação terão que fazer novamente com a máfia e o grande problema do fundamentalismo.

Neste mundo não havia mais sonhos que valessem a pena. Também não havia esperança. E adolescentes de dezesseis anos podiam ser mortos tolamente e sem motivo. Nas cités, à saída da discoteca. Ou mesmo em uma casa particular. Crianças que nada saberão da beleza passageira do mundo. Nenhuma das mulheres.

Soleá (1998)

O último título da trilogia coloca Montale no limite e não é nada complacente. A realidade ao seu redor está se tornando cada vez mais difícil de lidar. Muito escuro que ameaça tudo o que ele deseja, mesmo o mais simples. E nada nem ninguém parece seguro dela. 

Lágrimas caíram sobre mim. Salgado também. Sobre seus olhos abertos. Eu abracei a morte. Apaixonadamente. O olhar no look. O amor. Olhem nos olhos um do outro. A morte. Não pare de olhar.

Por que lê-los

Por prosa magnífica de Izzo. Sincero, direto, afiado, mas também tão poético. E porque, para aqueles de nós que amamos anti-heróis, Fabio Montale vale a pena descobrir.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.