Domingo Villar. “Sempre fui fascinado pelo mar”

Fotografias: (c) Mariola Díaz-Cano. Com Domingo Villar. Janeiro de 2020.

Que Domingo Villar é uma fraqueza quem digita essas linhas é um segredo aberto, e nenhum se você for um cliente regular deste blog onde existem alguns artigos sobre ele e seus livros. Também tive a sorte de conhecê-lo, de tê-lo cumprimentado repetidamente e verificamos que o seu simplicidade como pessoa, ele anda de mãos dadas com seu enorme talento como escritor.

Hoje eu me dou um presente de aniversário com este Entrevista que Domingo teve a gentileza de me conceder no mês passado. Agradecer pelo seu tempo e dedicação é pouco. O que muitos leitores realmente apreciam é ter-nos tão rendido a Leo Caldas e Rafa Estéveze desfrute de uma voz em prosa tão única quanto a sua. Gracians para tudo domingo.

Domingo Villar

Nascido em Vigo, mas morando em Madrid, Domingo Villar tem um desses prestígio único no romance policial espanhol contemporâneo com apenas Títulos 3 Publicados: Olhos de água, A praia dos afogados y O último navio. Mas você entende quando você descobre dois personagens irrepetíveis: o inspector de Vigo Leo Caldas e seu assistente aragonês Rafael Estevez. E vai a cenários como os que circundam e fertilizam a ria de Vigo.

Além disso, uma prosa extraordinária que você lê como se estivesse navegando em uma das balsas que cruzam aquele estuário de costa a costa entre qualquer uma de suas cidades, enseadas, praias e recantos escondidos e cheios de beleza. Também há crimes, claro, e seu pesquisa, mas acima de tudo, existem estoques de seus personagens e o idiossincrasia mais galego e também mais evocativo.

um amálgama de toques que compõem o estilo de contar histórias que Domingo Villar tem e que ele foi premiado com um carreira tão bem sucedida quanto fiel pelos muitos leitores que o seguem com devoção. Que pudemos durar dez anos em seu último romance e que esperaremos o que for preciso para o próximo.

ENTREVISTA COM DOMINGO VILLAR

  • NOTÍCIAS DA LITERATURA: Você se lembra do primeiro livro que leu? E a primeira história que você escreveu?

DOMINGO VILLAR: Não tenho certeza sobre o primeiro livro que li, mas a primeira história que escrevi ou pelo menos o primeiro que me lembro foi uma besteira intitulada O marmelo do deserto.

  • AL: Qual foi o primeiro livro que mais te impressionou e por quê?

DV: A Ilha do Tesouropor Stevenson. Eu sempre senti fascinação pelo mar. Quando criança, vi o estuário da minha janela e suponho que Jim Hawkins se sentia alguém muito próximo.

  • AL: Seus escritores favoritos? Você pode escolher qualquer hora.

DV: Roberto Luís Stevenson, Denis Lehane, João Irving, Cormac McCarthy, Camilleri, Munoz Molina, Mars, Torrente, BarojaGarcia Márquez, Carlos Oroza, Leopoldo Maria Panero, Joaquin Sabina...

  • AL: Que personagem em um livro você gostaria de conhecer e criar?

DV: Para o pirata Long John Silver, o canalha mais charmoso da literatura.

  • AL: Algum hábito ou mania de escrever ou ler?

DV: Leão reclinado, em silêncio, em um sofá ou na cama. Eu escrevo com Música □ Gentil, chocolate y café.

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer?

DV: Eu prefiro escrever de noite, quando a casa está em silêncio. Eu geralmente me coloco no mesa de jantar, onde posso estender meu notas e notebooks.

  • AL: De quais gêneros literários você mais gosta?

DV: o poesia e a romance policial.

  • AL: Que escritor ou livro influenciou seu trabalho como autor?

DV: Andreia Camillery, Vázquez Montalban, Torrente Ballester, Lorenzo Silva...

  • AL: O que você está lendo agora? Por prazer ou como documentação?

DV: eu sou lendo para me documentar e tente encaixar bem meu próximo livro.

  • AL: E escrever? Talvez o quarto romance do Inspetor Caldas?

DV: Estou nisso sim, tomando notas, tentando esboçar a história ... Eu queria ter passado várias semanas nesta primavera na Galícia para pisar e cheirar os lugares onde vou colocar o livro, mas Covid-19 tem outros planos. 

  • AL: Como você acha que é o cenário editorial para tantos autores quantos existem ou querem publicar?

DV: eu acho nunca foi tão fácil publicar. A Amazon oferece a possibilidade de autopublicação e muitas editoras "pescam" naquele pesqueiro.  O problema é outro: estamos ficando sem leitores. Ler é uma atividade maravilhosa, mas requer um esforço imaginativo que cada vez menos pessoas estão dispostas a fazer. Deixamos de ser atores para nos tornarmos meros espectadores.

  • AL: O momento de crise que estamos vivenciando está sendo difícil para você ou será capaz de guardar algo positivo para futuros romances?

DV: Não vejo quase nada de positivo em toda essa bagunça. No início, parecia tão irreal que durante semanas não consegui escrever ou ler. E eu sei que isso não aconteceu apenas comigo. Por que fábula se o romance estava ao nosso redor?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)