Entrevista com Inés Plana, expoente do novo romance policial espanhol.

InesPlana. EditorialEspasa.

Inés Plana: Reveladora autora da editora Espasa no gênero negro publica seu segundo romance: Los Que No Aman Die Before.

Temos o prazer de ter Inés Plana (Barbastro, 1959) em nosso blog hoje, revelação de 2018, sucesso retumbante de vendas com seu primeiro romance, Morrer não é o que mais dói, e acabei de publicar o segundo Antes que quem não ama morra, ambos da mão da editora Espasa.

«Foi um golpe de machado que parecia ter caído do céu de forma traiçoeira, para cavar fundo na terra e causar um abismo entre as pessoas e as suas esperanças. De um lado estavam as pessoas e as hipotecas que não podiam mais pagar, os empregos que deixaram de existir, as empresas falidas, a tristeza, a perplexidade. Do outro lado do abismo intransponível: as belas casas, os carros novos, as férias nos trópicos, a segurança da folha de pagamento, as viagens de fim de semana e tantos outros sonhos que se tornam realidade. Nenhuma ponte foi construída para retornar a esses mundos perdidos. Pelo contrário, a intenção era dinamitar todos aqueles que ainda permaneceram ilesos.

Notícias da literatura: Jornalista de carreira e escritor cult do gênero negro com seu primeiro romance. Como foi o processo? O que você demorou um dia para dizer "Vou escrever um romance, e vai ser um romance policial"?

Ines Plana: Há anos ensaiava escrever e em casa ainda guardo páginas de contos, contos e romances antigos que acabei descartando porque não tinham a qualidade que procurava, mas aprendi muito no processo. Chegou um momento em que me senti pronto para enfrentar a enorme complexidade de um romance. Estava com o enredo na cabeça, que mais tarde se tornaria “Morrer não é o que mais dói, e com medo e respeito comecei a escrever o primeiro capítulo e não parei. Por que um romance policial? Sempre fui atraído pelo gênero, tanto no cinema quanto na literatura, e já havia decidido que a história começaria com a imagem de um enforcado, com um crime aparentemente perfeito que deveria me levar a uma exploração do mal e do que cruel e perigoso que pode se tornar o destino.

AL: O flagelo social do tráfico de pessoas, de menores, neste caso, de serem escravizados e estuprados para fins econômicos está magistralmente refletido em seu segundo romance, Antes que quem não ama morra. Um assunto terrível, que todos sabemos que existe, mas que não costuma fazer as primeiras páginas dos jornais. E o tráfico humano, máfias, cafetões que usam mulheres e meninas como mercadoria? Onde está essa escravidão do século XNUMX que, às vezes, parece existir apenas em romances policiais?

IP: Estima-se que o negócio da prostituição gere cerca de cinco milhões de euros por dia na Espanha. O código penal não considera crime alugar um corpo humano para praticar sexo, é proxenetismo, mas as mulheres escravizadas são ameaçadas e não se atrevem a denunciar que são vítimas de exploração sexual. Eles são forçados a alegar que estão praticando sexo por sua própria vontade. Assim, fica difícil demonstrar perante a lei o tráfico de mulheres, aquela escravidão no século XXI. Na União Europeia, uma em cada quatro vítimas é menor. Você paga muito mais por eles do que por uma mulher adulta. Essa é a tremenda realidade que, mais uma vez, supera tudo o que pode ser contado em um romance.

AL: Você conta sobre seu primeiro romance, Morrer não é o que mais dói, o que Surge de uma experiência de vida chocante: você viu um homem enforcado, pendurado em uma árvore, enquanto estava em um trem. Sobre Antes que quem não ama morra Além do tráfico de menores, cruzam-se muitas histórias de fundo que refletem a solidão da velhice, a inconsciência de uma jovem que é capaz de destruir uma família e todos aqueles que a amam, uma mãe má a quem suas filhas atrapalham, a rejeição sofrida pelos guardas civis em seus locais de origem ou em suas próprias famílias em certas áreas da Espanha, a traição entre amigos ... O que impressiona sobre essas tramas secundárias para escolhê-los como a quarta parede de  Antes que quem não ama morra?

IP: Estou chocado com tudo o que gera dor, injustiça e, infelizmente, a realidade me dá muitos elementos para me inspirar nas áreas e atitudes mais obscuras da condição humana. Sou escritor, mas também jornalista. Vivo muito próximo da realidade, observo-a com espírito crítico, dói e me desespero quando nada se faz para melhorá-la ou dignificá-la. Tanto no meu primeiro romance como no segundo, quis retratar essa realidade suja da fábula, que é a ferramenta que tenho. O romance policial permite o uso da ficção para a denúncia social e, ao mesmo tempo em que os leitores gostam de uma história, também podem descobrir aspectos sombrios da sociedade que não haviam percebido e que os provocam a refletir sobre o tempo em que vivemos.

AL: Você ambienta seus romances em pequenas cidades de Castela e desta vez também em um cenário galego, na Costa da Morte. Uvés, Los Herreros, Cieña,… são cidades pelas quais o leitor caminha pela mão, sentindo no final apenas mais um vizinho. Existem locais assim?

IP: Tanto Uvés na Comunidade de Madrid como Los Herreros em Palencia ou Cieña na Costa da Morte são cenários imaginários. Neles existem situações que, por um motivo ou outro, não quis destacar escolhendo lugares reais. Eu também me sinto mais livre para contar histórias fazendo assim. Mas todas essas localidades fictícias têm uma base real, cidades que me inspiraram e que serviram de referência, embora não seja uma em particular, mas misturei elementos de vários até que se tornassem um único cenário.

AL: Os protagonistas por excelência do gênero negro americano são os detetives particulares e, dos espanhóis, os policiais. Embora a Guarda Civil seja protagonista de algumas das famosas séries negras, geralmente não é a escolhida pelos escritores do gênero. Em sua série negra, você nos apresenta dois guardas civis muito humanos, muito reais: o tenente Julián Tresser e o cabo Coira, nenhum dos quais está passando pelo auge. A Guarda Civil é um órgão com regulamentação militar, diferente da polícia, e a solvência com que você escreve sobre ela revela muitas horas de investigação, tem sido difícil saber o funcionamento interno do órgão e o impacto na vida pessoal dele um profissional eleitoral?

Aqueles que não amam morrem antes

Los Que No Aman Die Before, o novo romance de Inés Plana: trata de menores, tráfico de armas e prostituição.

IP: Sim, porque a Guarda Civil tem uma operação interna bastante complexa, justamente pelo seu caráter militar, ao contrário de outras forças policiais. Mas tenho a ajuda de Germán, um sargento da Guarda Civil, um profissional extraordinário e uma pessoa extraordinária que me explicou as particularidades do Corpo de exército com muita paciência de sua parte, já que não é fácil compreendê-las da primeira vez. . Para mim é um desafio e desde o primeiro momento que comecei a imaginar a trama “Morrer não é o que mais dói”, fiquei muito claro que os investigadores seriam guardas civis. De um romance para outro pude aprender muito mais sobre suas vidas, seus problemas diários e sua forma de trabalhar, o que é admirável porque eles têm um espírito de dedicação extraordinário e não é fácil lidar emocionalmente com um trabalho que, em muitas ocasiões, é realmente durado. Na verdade, eles têm um alto índice de suicídio e o pior é que não são alocados recursos suficientes para um atendimento psicológico eficaz e, sobretudo, preventivo.

AL: Você chega ao mundo do romance depois de uma importante carreira profissional como jornalista. Seu primeiro romance Morrer não é o que mais dói Foi o romance de revelação do gênero noir e Antes que quem não ama morra já cheira e tem gosto de bestseller. Existem momentos inesquecíveis neste processo? O tipo que você guardará para sempre.

IP: São muitas, feitas de sensações e emoções que internalizei muito. Recordo os encontros com os leitores nos clubes de leitura como um dos momentos mais preciosos da minha vida, bem como a apresentação em Madrid de “Morrer não é o que mais dói” e as que fiz na minha terra, Aragão. Na minha cidade, Barbastro, tive uma recepção que nunca esquecerei, como em Saragoça e Huesca. Foi meu primeiro romance e eu vivi tudo com muita intensidade, era difícil para mim acreditar que tudo de tão lindo estava acontecendo comigo. Também não esqueço o quanto tenho desfrutado nos festivais de crime, nas feiras e apresentações em muitas cidades da Espanha e também fico com as pessoas que conheci através do meu romance e com quem me relacionei de forma tão especial.

AL: Como você invoca a criatividade? Você tem hábitos ou hobbies ao escrever? Você compartilha a história antes de deixá-la ver a luz ou a guarda para si mesmo até considerar o trabalho concluído?

IP: A inspiração é muito instável e vem quando quer, não quando você precisa, então geralmente não espero por ela. Prefiro começar a escrever e deixar que seja o meu trabalho, a insistência em fazer, aquele que abre a minha mente e me mostra os caminhos. Ainda assim, se eu tivesse que mencionar uma fonte inspiradora, certamente seria música para mim. Não escuto enquanto escrevo, sou incapaz porque estou descentrado, mas entre as sessões de escrita ouço canções que na maioria das vezes nada têm a ver com o assunto de que estou tratando, mas que geram imagens em meu mente, sugerir situações e atitudes dos personagens que me ajudam muito e que considero valiosas. Não tenho hobbies quando começo a escrever. Só preciso do silêncio e que ninguém ou nada me interrompa, o que nem sempre se consegue, mas procuro mantê-lo assim porque é um trabalho que exige muita concentração e um estado de espírito especial que me afasta de todo o mundo. Existe apenas a história que quero contar e nada mais. É um processo complicado que produz insegurança, que o obriga a tomar decisões que, se não forem as corretas, podem romper os alicerces do romance. Nós devemos ser cuidadosos. Quando tenho vários capítulos, os entrego ao meu parceiro, que também escreve, para ler suas impressões e comentá-las.

AL: Adoraríamos que você abrisse sua alma de leitor para nós: quais são aqueles livros que passam os anos e, de vez em quando, você lê de novo? Algum autor pelo qual você é apaixonado, do tipo que você acabou de comprar e que é publicado?

IP: Costumo reler muito. Tenho autores que procuro regularmente porque sempre aprendo coisas novas com eles. É o caso de Tolstoi, Jane Austen ou Flaubert, por exemplo. Há um autor contemporâneo de que gosto muito, Enrique Vila-Matas. Sinto-me atraído pelos mundos que ele expressa e como ele os narra bem, mas não estou seguindo ansiosamente nenhum escritor específico. Compro livros que tenho boas referências e a verdade é que gosto de improvisar quando vou a uma livraria.

AL: E quanto à pirataria literária que um dia após o lançamento de um romance, ele pode ser baixado de qualquer página pirata? Quanto dano isso causa aos escritores?

IP: Isso causa muitos danos, é claro. Dói que, de fato, quase no minuto em que um romance é publicado, ele já está sendo oferecido gratuitamente na Internet. Esses tempos em que vivemos de absoluta interconexão têm aquelas arestas que permanecem por polir. Não tenho a solução para acabar com a pirataria, porque sou um simples cidadão, mas cabe aos nossos líderes fazê-lo e não sei se estão fazendo o esforço exigido por essa questão que tanto prejudica a criação e a cultura.

AL: Papel ou digital?

IP: Gosto de ler no papel, embora às vezes o faça no tablet, mas adoro aquele ritual de virar as páginas, o cheiro muito especial do livro recém-comprado ... Em todo caso, o importante é ler, seja qual for o meio . É um dos hábitos mais saudáveis ​​para a mente e o mais enriquecedor que existe.

AL: Nos últimos anos, a imagem de um escritor mudou muito. A imagem clássica do gênio taciturno, introvertido e eremita deu lugar a mais escritores de mídia, que se dão a conhecer ao mundo através das redes sociais e têm milhares e até centenas de milhares de seguidores no Twitter. Alguns ficam, outros, como Lorenzo Silva, vão embora. Como está o seu caso? Qual é a relação com as redes sociais?

IP: Desde que publiquei meu primeiro romance, minha experiência nas redes tem sido, simplesmente, maravilhosa. Eles me permitiram me conectar com meus leitores, em público ou por meio de mensagens privadas. Durante a escrita do meu segundo romance, senti o carinho e o respeito de tantas pessoas que leram "Morrer não é o que mais dói" e que esperavam pela minha próxima história, pela qual ficaria eternamente grato. Sou uma pessoa muito social, gosto de pessoas, e nas redes me sinto no meu meio e espero que isso continue sempre.

AL: Para encerrar, como sempre, vou lhe fazer a pergunta mais íntima que um escritor pode fazer: Por que você escreve?

IP: É uma necessidade, não me lembro de um único dia da minha vida em que não tenha escrito algo ou não tenha imaginado o que iria escrever. Por ser muito pequena e mesmo sem ter aprendido a escrever, meus pais me disseram que eu já improvisava poemas e os recitava em voz alta. Acredito que nasci com essa preocupação ligada a mim e suponho que me tornei jornalista para que nunca me abandonasse. Escrever é minha companheira de vida e não poderia imaginar minha existência sem ela.

Obrigada Inés Plana, desejo que continue com este grande sucesso e que Julián Tresser e o cabo Guillermo Coira tenham uma vida longa para deleite de seus leitores.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.