Feira do Livro de Madrid. Crônica de uma jornada

Fotografias do artigo: (c) Mariola Díaz-Cano.

La 80ª edição da Feira do Livro de Madrid aconteceu entre o 10 e o 26 de setembro. Depois do último ano em branco devido à pandemia global que nos atinge, o encontro anual mais esperado com livros e escritores na capital da Espanha conseguiu voltar à sua jurisdição. Tem estado em seu recinto habitual, o parque de Aposentadoria, Embora na versão reduzida e concentrada, mas com o mesmo ou mais sucesso talvez do que em ocasiões anteriores. Eu a visitei no dia 25 e este é minha crônica.

80ª edição do Feira do Livro de Madrid

Com Colômbia como país convidado, a Feira mais ou menos recuperou o ímpeto e o sucesso. Tem estado com bons números não só de visitantes, que já cumpriram muitas vezes a lotação restrita, mas em vendas, ou assim me disse ontem algum editor, e na presença de grandes nomes da literatura nacional e ocasionalmente internacional como, por exemplo, italiano Federico Moccia.

Também foram Dia 17 de atividades, atos e assinaturas. Com encerramento ao meio-dia, apenas no último fim de semana esteve aberto das 10h30 às 21h00 Com picos de longas filas para entrar no meio da manhã, que capacidade reduzida para 75% como o espaço e o número de estandes às vezes fizeram mais de uma parada para entrar ou entrar. Mas, em geral, o saldo é considerado positivo.

Além disso, o medidas anticovid foram mantidas em todos os momentos com o uso obrigatório da máscara em todo o local. No entanto, o distância social tem sido mais difícil.

Relatório - FLM, 25/9/2021

Em 10 am já havia um fila de cerca de 50 metros mais ou menos esperando para entrar pela porta sul e o público era dos mais diversos e de todas as idades. Apenas uma hora depois, a capacidade estava enchendo vertiginosamente e vários atividades —Conferências, palestras, recitais… - nos diferentes pavilhões dispostos no passeio central. Nele este ano estava a novidade de ter colocado mais estandes para compensar a redução de espaço, além de também ter retirado centímetros da largura dos estandes.

Na minha opinião, talvez tivesse sido melhor ao contrário: dê, senão todo o espaço de antes ao longo do Paseo de Carros, pelo menos um pouco mais poder mantê-lo entre as cabines e não estreitar a passagem, como aconteceu com eles no passeio central. Assim como eles poderiam ter instale mais sites de restauração para beber, porque só com dois acho que ele não tem o suficiente. E de mesas livres para poder sentar e nem conversar. Mas é apenas minha opinião.

Mais filas

Para assinaturas de autores, digamos que o maior, naturalmente. Porque alguns foram bem planejados logisticamente para desviá-los para os lados controlados, mas outros tiveram que ser limitados no lado oposto para não interromper a passagem dos visitantes. E alguns se formaram paralelamente no centro. Portanto, às vezes era difícil esquivar-se ou precisavam ser atravessados.

Escritores, figuras e outros personagens

eu fui com metas fixas em meus autores favoritos obviamente e de acordo com as assinaturas do dia. Também obviamente não é possível assistir ou conseguir ver e cumprimentar a todos os que eu teria gostado. Então, fazendo um intervalo entre a assinatura e a assinatura, visitei a Feira algumas vezes.

Entre as centenas de autores já sabemos que existem desconhecido, um pouco mais conhecido, com nome, com puxar e como, aqueles que estão além do bem e do mal. Entre os últimos, eles estavam lá Eduardo mendoza, Javier Cercas, Julia Navarro o Santiago Posteguillo, com filas infinitas de partidários. E quero pensar que talvez tenham sido momentos pontuais ou que coincidiram quando passei por seus estandes mais de uma vez, mas me chamou a atenção que Mendoza, Cercas e Navarro estavam sem máscara assinar e servir aos leitores. Claro, e para a foto de costume, todos nós tiramos na hora, mas me deu a impressão de que não eram os casos dele.

Eles também tinham muita influência Carme chaparro, Elisa Victoria, Rodrigo Cortés, Amarna Miller o Esther Gilli. E já à tarde, em casa aberta e especial para assinaturas, Elísabet Benavent reuniu toda uma multidão.

Personagens como o Dioni ou o ilustre Íñigo Errejón e Federico Jiménez Losantos.

Minhas assinaturas

Os que eu queria. Assim que muito obrigado pela gentileza, as palavras, o carinho e as dedicatórias de Domingo Villar, Daniel Martin Serrano, Santiago Diaz, Teo Palacios, Javier Pellicer e Iñaki Biggi. Foi um prazer e uma alegria veja-os todos para comemorar não só a festa do livro, mas para poder fazê-lo novamente cara a cara.

Com Iñaki Biggi, Domingo Villar, Daniel Martín Serrano, Santiago Díaz, Javier Pellicer e Teo Palacios.

A frase

Ouvido no voo de uma mãe ou avó passeando com uma criança em um carrinho e que resume o essência e desejo De todos os bons leitores e aqueles de nós que amam os livros em geral: «Esta é a sua primeira feira. E você sempre tem que vir ».

Então ...

... que são muitos mais, como antes ou como deveriam ser, mas que sejam.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.