Claudio Rodríguez. Aniversário de sua morte. Poemas

Fotografia: Claudio Rodríguez. Cervantes Virtual.

Claudio Rodriguez, poeta de Zamora, morreu em madrid Em um dia como hoje, em 1999, quando estava trabalhando em seu último livro. Esta é uma seleção de alguns deles poemas para lembrar ou descobrir.


Claudio Rodriguez

Licenciado em Filologia Romântica, foi um leitor espanhol nas Universidades de Nottingham e Cambridge, o que lhe permitiu conhecer os românticos ingleses já Dylan Thomas, influência fundamental em sua formação como poeta. Ganhou vários Prêmios em sua carreira como o Adonai, a Literatura Nacional, o Poesia Nacional ou Príncipe Astúrias das Letras. Ele também foi membro da Real Academia Espanhola da Língua.

Poemas

Dom da embriaguez

A clareza sempre vem do céu;
é um presente: não se encontra entre as coisas
mas muito acima, e os ocupa
fazendo disso sua própria vida e trabalho.
Então o dia amanhece; então a noite
fecha a grande câmara de suas sombras.

E isso é um presente. Quem faz menos criou
nunca para seres? Que abóbada alta
ele os contém em seu amor? Se já chega
e ainda é cedo, já está por aí
no caminho de seus voos
e se aproxima, e se afasta e, ainda remoto,
nada é tão claro quanto seus impulsos!

Oh, clareza, sedento de uma maneira
de um assunto para deslumbrá-la
queimando-se enquanto fazia seu trabalho.
Como eu, como tudo que você espera.
Se você pegou toda a luz,
Como posso esperar alguma coisa desde o amanhecer?

E ainda - este é um presente - minha boca
espere, e minha alma espera, e você espera por mim,
perseguição bêbada, clareza solitária
mortal como o abraço de foices,
mas eu abraço até o fim que nunca acaba.

Esta iluminação da matéria ...

Esta iluminação da matéria,
com seu costume e com sua harmonia,
com o sol amadurecendo,
com o toque calmo do meu pulso,
quando o ar vai fundo
na ansiedade do toque de minhas mãos
que joga sem suspeita,
com a alegria do conhecimento,
esta parede sem rachaduras,
e a porta do mal, escorrendo,
nunca fechado,
quando a juventude vai embora, e com ela a luz,
salve minha dívida.

Novo dia

Depois de tantos dias sem caminho e sem casa
e sem dor mesmo e os sinos sozinhos
e o vento escuro como o da memória
hoje chega.

Quando ontem a respiração era um mistério
e o aspecto seco, sem resina,
Eu estava procurando por um brilho definitivo
vem tão delicado e tão simples,
tão sereno de novo fermento
esta manhã…

É a surpresa da clareza
a inocência da contemplação,
o segredo que se abre com moldagem e espanto
a primeira neve e a primeira chuva
lavando a avelã e a oliveira
já muito perto do mar.

Quietude invisível. Brisa soprando
a melodia que eu não esperava mais.
É a iluminação da alegria
com o silêncio que não tem tempo.
Prazer sério o da solidão.
E não olhe para o mar porque ele sabe de tudo
quando chegar a hora
onde o pensamento nunca chega
mas sim o mar da alma,
mas sim este momento de ar entre minhas mãos,
desta paz que me espera
quando chegar a hora
-duas horas antes da meia-noite-
do terceiro swell, que é meu.

Um vento

Deixe o vento passar pelo meu corpo
e iluminá-lo. Vento sul, salino,
muito ensolarado e bem lavado
de intimidade e redenção, e de
impaciência. Entre, entre no meu fogo
abra esse caminho para mim
nunca conhecido: o da clareza.
Parece sedento de espaço,
Vento de junho tão intenso e livre
aquela respiração, isso agora é desejo
me salve. Venha
meu conhecimento, através
tanto assunto deslumbrado por sua funda
graça
Quão profundo você me agride e me ensina
para viver, para esquecer,
você, com sua música clara.
E como você eleva minha vida
Muito silencioso
muito cedo e com amor
com aquela porta brilhante e verdadeira
isso me abre serena
porque com você eu nunca me importo
que algo turva minha alma.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)