Arturo Sánchez Sanz. Entrevista com o autor de Belisarius: Magister militum do Império Romano do Oriente

Fotografia: Arturo Sánchez Sanz. Facebook.

Arturo Sanchez Sanz Ele é doutor em História Antiga e seu currículo no meio acadêmico e como autor de ensaios informativos é tão amplo quanto importante. Seu último trabalho, Belisarius: Magister militum do Império Romano do Oriente. Nesta Entrevista nos fala sobre ela e também nos dá um master class sobre esse gênero muito menos consumido pelos leitores. Obrigado pelo seu tempo e gentileza.

Arturo Sanches Sanz. Entrevista

  • NOTÍCIAS DA LITERATURA: Doutor em História e Arqueologia pela Universidade Complutense, seu último ensaio publicado é Belisarius: Magister militum do Império Romano do Oriente. Do que você está falando nele?

ARTURO SANCHEZ SANZ: O mundo editorial está saturado de ensaios históricos dedicados aos mesmos tópicos continuamente, e na Espanha essa realidade é muito mais dura. Cleópatra, César, os Tercios, Auschwitz ... é por isso que, desde o meu primeiro ensaio, tentamos oferecer algo mais, algo novo e diferente. A literatura anglo-saxônica tem menos deficiências a esse respeito, mas em espanhol há poucos ensaios dedicados a outros tópicos, embora também sejam conhecidos. De fato, os próprios historiadores tendem a se concentrar mais no mundo acadêmico fechado. O atual sistema de ensino superior nos obriga a escrever apenas artigos e ensaios tão especializados que ninguém além de nossos próprios colegas pode digerir.

A divulgação histórica é desaprovada, e é por isso que sempre temos os mesmos trabalhos no mercado, muitas vezes escritos por jornalistas, advogados, etc. que preenchem essa lacuna com sua própria ilusão para a história, mas não são historiadores ou arqueólogos, e não raro a ideia que é transmitida ao público em geral está errada ou errada.

Eu acredito que nosso trabalho, e de forma mais ampla, Nosso dever como historiadores é falar de História não só no campo acadêmico, mas para todo o mundo, para torná-la próxima, fácil e acessível.. Ao longo da minha vida conheci poucas pessoas que, mesmo se dedicando a todos os tipos de ofícios, não gostam de História, e no final o que aprendem não vem de historiadores treinados, capazes de fazer boas pesquisas de fundo, e que geram paradigmas errados. em vários tópicos.

Por esse motivo, também considerei escrever uma divulgação mesmo quando tive que nadar contra a corrente, com a ideia de demolir aqueles falsos mitos criados a partir de obras parciais ou escassamente documentadas, de oferecer ensaios dedicados a assuntos menos conhecidos ou nunca tratados em castelhano, e assim foi a partir de o início.

Dediquei meu primeiro livro a Filipe II da Macedônia (2013), justamente porque sua figura sempre foi ofuscada por seu filho, o grande Alexandre o Grande, e a importância que ele teve na história muitas vezes é esquecida. Na verdade, sempre digo que sem Philip nunca teria existido Alexandre. O mesmo aconteceu com meu primeiro ensaio para a esfera dos livros, dedicado aos pretorianos (2017).

A figura deste mítico corpo militar romano sempre foi sombria e negativa, especialmente pelas mortes de imperadores associados a eles, mas nada mais. As legiões derrubaram muito mais imperadores do que os Pretorianos e, mesmo nesses casos, as conspirações que realizaram eram conhecidas apenas por alguns de seus membros, em comparação com os milhares de soldados da Pretoria que operavam no império. Condenar todo o corpo por isso seria como condenar toda a instituição policial pelas ações de uns poucos.

Estes são alguns exemplos, e em caso de Belisarius algo semelhante acontece. Muitas pessoas não conhecem sua figura, e a maioria dos que o fazem geralmente é sempre através do romance que o grande Robert Graves nos deixou. Queríamos lidar com sua vida real, suas lutas, as intrigas na corte bizantina, etc. além do romance, e ninguém tinha escrito sobre isso antes em espanhol. Essa é a ideia principal que sempre nos move, para ir mais longe e que esperamos continuar com os próximos trabalhos que acabo de terminar e que ainda não foram publicados.

  • AL: Por que escrever ensaios e não ficção (ainda)?

ASS: em parte tem a ver com o próprio treinamento que recebemos como historiadores. Somos ensinados desde o primeiro momento a investigar com o intuito de ampliar o conhecimento geral, a não escrever um romance, nem mesmo um ensaio informativo como mencionei antes. A linguagem que devemos usar é muito enigmática para o público em geral, muito especializada, não aprendemos a escrever, mas a indagar sobre o passado, e isso gera muitas deficiências que surgem ao colocar esse trabalho por escrito.

Muita influência é exercida sobre aspectos que não existem no romance, como o aparato crítico, a bibliografia etc., mas ninguém nos ensina a escrever de forma ágil, simples, a criar personagens, suspense, ou mesmo a criar um enredo, isso não é necessário. Por isso Eu considero que escrever um romance, pelo menos um bom romance, é muito mais difícil do que escrever um ensaio, e requer aprendizado, preparação e outros conhecimentos que espero adquirir com o tempo. Muito poucos historiadores escrevem romances e, em nosso caso, suponho que algo mais se espera de nós se tentarmos. É uma grande responsabilidade e por isso considero necessário fazê-lo bem.

Por isso estou me preparando, e já comecei com uma ideia que já macerava há algum tempo, mas ainda é cedo. Quero oferecer uma história não apenas bem escrita, mas documentada, para que não seja necessário inventar sobre o que sabemos que aconteceu, mas apenas para preencher aquelas "lacunas" que sempre existiram na história. Muitos personagens nos contaram histórias realmente extraordinárias que quase ninguém conhece, mas nos faltam muitas informações sobre eles. É possível reconstruí-lo para oferecê-lo ao público sem a necessidade de inventar histórias de ficção, embora sejam igualmente necessárias. Imagino que, como historiador, seja uma tendência natural, mas acho que é uma outra forma de apresentar a história de uma forma verdadeira e atraente para o público em geral.

  • AL: Como leitor, você se lembra daquele livro que você leu um dia e que o marcou especialmente?

ASS: Lembro-me muito bem, e precisamente tem muito a ver com o que estávamos a dizer, e talvez seja por isso que me considero um fã incondicional do seu autor. É um romance histórico dedicado às míticas amazonas por Steven Pressfield (As últimas amazonas, 2003). Sua maneira de tratar a história, mesmo a mitologia como é neste caso, me impactou tanto que comecei a estudar história, até o assunto da minha tese de doutorado é sobre as amazonas, mas não só por isso, mas principalmente por minha profunda admiração pelo gênero feminino. Sua coragem, tenacidade, coragem e grandeza sempre relegadas desde a origem da História.

Por isso quis contribuir com meu grão de areia, justamente para tratar a imagem real de figuras míticas cuja memória foi tão distorcida no imaginário coletivo, mas cuja força a manteve viva por milênios, desde que suas histórias se originaram. Na verdade, exatamente pelo que falamos antes, até do meio acadêmico às vezes Questões como essa têm sido usadas de forma partidária devido ao surgimento dos estudos de gênero, chegando até a oferecer ensaios supostamente acadêmicos, mas que contêm dados manipulados para transformá-los em personagens reais quando nunca o foram.

É uma das cruzadas que acredito que devemos travar como historiadores, mesmo às vezes diante de nossos próprios colegas, quando seus interesses particulares afetam a verdade da História em maiúsculas. E isso é importante porque acredito que se gera no público em geral uma falsa imagem de que devemos contribuir para a mudança.

Muitos outros trabalhos me marcaram especialmente, incluindo o resto daqueles escritos por Pressfield, ou posteguilho, que eu acredito precisamente eles tiveram sucesso porque não precisaram inventar nada além dos detalhes que as fontes originais não nos deixaram ou se perderam em histórias reais, que por si só já são mais do que frenéticas.

O problema para os historiadores é que sabemos muito bem a importância de nos documentarmos adequadamente para tratar de qualquer assunto, e por isso não tive tempo durante anos para gastar apenas um minuto lendo, pelo mero prazer de fazê-lo. Eu tenho literalmente centenas de livros esperando de uma oportunidade, que espero oferecer em breve.

  • AL: Um ensaísta de destaque? E um autor literário? Você pode escolher mais de um e de todas as épocas. 

BUNDA: Tucídides tornou-se, por seus próprios méritos, o pai do discurso histórico mais rigoroso, especialmente em uma época em que a tradição dominante ainda era a épica ou, em todo caso, as histórias muito menos verdadeiras e críticas. Ele era um ateniense, e não qualquer um, mas não se importava em reconhecer os erros de seu povo em iniciar guerras desnecessárias ou cometer atrocidades sem justificativa.

Talvez devido à minha própria especialização em história antiga, não posso deixar de mencionar o outro pai do gênero agora mais literário, o seu próprio Homer, que lançou as bases da história mítica ficcional há quase três milênios. Deles, surgiram muitas figuras extraordinárias que desenvolveram ambos os gêneros ao sublime como Shakespeare, Dante, Cervantes, Poe, Tolstoi... e outros pelos quais sinto uma admiração especial, como o seu Verne.

  • AL: Que figura histórica você gostaria de conhecer? 

ASS: Pergunta difícil. Muito difícil, pois são muitos. Eu poderia nomear o herói espartano Leônidas, para o mítico Alexander ou o extraordinário Hannibal Barca, César, Cleópatra, Akhenaton, Muhammad ou Rainha Boudica. Mesmo em outras ocasiões, quando Cid ou Colombo, ainda mais recentemente para Gandhi.

Eu gostaria de ter conhecido o AmazonaSe eles fossem reais No entanto, se eu pudesse escolher apenas um, acho que seria Jesus de Nazaré, principalmente por tudo o que significou não só em seu tempo, mas na História da Humanidade, conhecer a pessoa para além do mito, como historiador. Na verdade, ele é um personagem transcendental que sempre se manteve um pouco à margem dos historiadores por causa de todas as fábulas que mais tarde foram escritas sobre sua vida, mas foi sem dúvida uma das maiores figuras da história com tudo o que isso implica.

  • AL: Alguma mania ou hábito especial quando se trata de escrever ou ler? 

BUNDA: Na verdade, não. Os tópicos para escrever surgem espontaneamente e a história já está aí, esperando que alguém a transmita para as pessoas da melhor maneira. Suponho que com os romances seja diferente, pois exigem muito mais preparação, elaboração e trabalho, por isso é normal que os autores vivenciem esses tipos de costumes, pois requerem o auxílio das musas e da inspiração que às vezes só se consegue em. circunstâncias muito específicas. Até agora Eu só preciso de livros e um lugar tranquilo escrever, mas na hora de dar o salto, quem sabe?

  • AL: Qual é o seu local e hora preferidos para o fazer? 

ASS: Acho que a parte mais importante de escrever um ensaio é o enorme pesquisa anterior que é necessário enfrentar para falar de um assunto com conhecimento dos fatos. Na verdade, acho que é preciso dedicar mais tempo a isso do que à redação final do texto que se pretende oferecer. Caso contrário, podemos publicar uma obra incompleta e imprecisa que qualquer pessoa com algum conhecimento poderia refutar com segurança, e é necessário tentar evitar essa situação.

É por isso que costumo visitar muitas bibliotecas, fundaçõesetc. onde eles mantêm as fontes que não podem ser acessadas de casa, e muitas vezes Eu escrevo diretamente lá. Além disso, tenho a sorte de ter um pequeno escritório em casa, embora adore escrever ao ar livre, e sempre que o tempo permite, procuro lugares tranquilos para curtir a natureza enquanto trabalho.

  • AL: Existem outros gêneros que você gosta? 

ASS: Eu amo o ensaio pelo que significa, oferecer a verdade sobre a História, e Eu adoro o romance porque nos ajuda a escapar da realidade, às vezes tão grosseiro, para nos transportar para um mundo diferente de uma forma muito mais próxima. Mas a mesma coisa acontece com poesia, que adoro, mesmo nas suas formas aparentemente mais simples, como a poesia haiku, embora eles realmente não sejam. Todos os gêneros têm seu propósito e todos são importantes.

  • AL: O que você está lendo agora? E escrever?

ASS: Bem, para ser honesto, a pandemia mudou um pouco nossas vidas, e durante os meses de confinamento eu tive muito tempo para gastar pesquisando e escrevendo, mais do que normalmente tenho, então Eu comecei vários ensaios Espero que eles vejam a luz em pouco tempo.

Este ano acabei de publicar a biografia do Flavio Belisario, mas também estou reeditando alguns dos meus primeiros ensaios já que foram publicados apenas em papel e na Espanha, mas muitos amigos de outros países não conseguiram acessá-los, então me dediquei a atualizá-los para oferecê-los novamente em versão eletrônica, incluindo mais imagens, mapas e ilustrações, além de conteúdo adicional. Este ano também haverá um ensaio dedicado à rainha do Eceni, a mítica boudica, a primeira mulher a enfrentar os romanos como líder no campo de batalha para libertar a Grã-Bretanha da conquista romana.

Ano que vem o segunda parte da história completa que dediquei à História de Cartago, desde a sua fundação até a destruição da cidade após a terceira Guerra Púnica, e outros ensaio dedicada inteiramente a eventos paranormais nos tempos antigos, a partir das histórias oferecidas pelas fontes clássicas. Não estou me referindo apenas a histórias sobre monstros míticos ou cidades perdidas como a famosa Atlântida, mas também a histórias sobre espectros, demônios, renascidos, lobisomens, casas assombradas, posses e exorcismos, feitiços e bruxaria, eventos estranhos, etc. na Grécia, Roma e Mesopotâmia antigas. Todo um compêndio sobre o inexplicável na antiguidade.

E por último, o ensaio sobre Boudica será o primeiro de vários que decidi dedicar às grandes mulheres do passado, por isso sairá outro dedicado à rainha Zenobia, ao mítico líder berbere que enfrentou o avanço do Islã no Magrebe, conhecido como Kahina. E outro dedicado às onna-bugeishas e kunoichis, mulheres samurais e shinobi da história do Japão., que houve e realizaram feitos extraordinários. Espero assim poder contribuir com meu grão de areia para o conhecimento e valorização da história feminina.

  • AL: Como você acha que é a cena editorial para um gênero tão especial como os ensaios?

ASS: A imagem é muito escuro, embora de certa forma sempre tenha sido. Estamos em uma situação ainda mais difícil do que de costume, o que é muito. No caso de ensaios piores, já que leitores regulares tendem a buscar acima de tudo histórias que os ajudem a se divertir e fugir do cotidiano, principalmente através dos romances. Os ensaios são reduzidos a um público muito concreto, especialmente interessado no assunto de cada trabalhoPortanto, o impacto dessas obras é muito baixo.

Como se fosse pouco, na Espanha, a maioria dos ensaios históricos trata dos mesmos temas já mais do que conhecidos, dedicados a momentos específicos como as Guerras Médicas ou personagens importantes como Cleópatra porque esperam ter maior aceitação, embora já tenham sido escritos centenas de trabalhos sobre eles para os quais as notícias pouco ou nada podem contribuir, enquanto ninguém escreve sobre tópicos menos conhecidos.

Por isso mesmo e no final acabamos traduzindo obras de reconhecidos autores estrangeiros na esperança de que seu prestígio ajude a popularizar o trabalho, em vez de dar a oportunidade a autores próprios extraordinários eles provavelmente nunca terão a chance de postar. É uma pena, realmente, e parece que a situação não vai melhorar.

Por isso, gosto de confiar que editoras como HRM Ediciones ou La Esfera de los Libros, que não têm medo de dar esse passo e conhecem bem o panorama da pesquisa na Espanha, embarcarão nesses trabalhos sem recorrer a traduções. E por isso não parei de colaborar com eles.

Em geral, o mundo editorial sempre esteve focado nas figuras mais renomadas, embora a possibilidade de editoração eletrônica gerou mais oportunidades para muitos autores iniciantes. No entanto, a crise de alguns anos atrás, a atual pandemia e as tendências da sociedade em termos de leitura tornam muito difícil a sobrevivência das editoras mais modestas ou da maioria dos autores, que em nenhum caso podem viver de suas obras.

A maioria de nós escreve pelo simples prazer de fazê-lo e, sobretudo, para compartilhar ou ensinar, mas poucos podem se dedicar exclusivamente a isso e viver dos livros. O fato de Belén Esteban ter vendido mais livros do que um ganhador do Nobel como Vargas Llosa diz muito sobre essas tendências, e muitas pessoas preferem optar por conteúdo leve, de fácil e rápido acesso mais do que embarcar em horas e horas em um livro.

A promoção da cultura é um assunto pendente, e acima de tudo a valorização das Humanidades, sempre injuriadas até mesmo entre os membros de governos que se dependesse deles, seriam suprimidas. Apesar de tudo, quero ser otimista e diante das dificuldades sempre há a ilusão de muitos autores que nunca param de escrever sem esperar nada em troca. 


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)