"Alice no Pais das Maravilhas." Um clássico incompreendido de Lewis Carroll.

Alice no País das Maravilhas

Apesar de sua fama, Alice no País das Maravilhas é um romancepelo menos mal entendido. Sempre foi assim desde a sua publicação em 1865 pelo matemático, lógico, fotógrafo e escritor inglês. Lewis Carroll, cujo nome verdadeiro era Charles Lutwidge Dodgson. Mal poderia o próprio Carroll imaginar que as aventuras do alter ego A obra literária de Alicia Liddell, a garota em que se inspirou para criar seu protagonista, acabaria desfrutando de tamanha popularidade.

Se há algo de bom nesta história, é que, como veremos a seguir, crianças e adultos podem se divertir. Depois de tudo, Alice no País das Maravilhas não é apenas um dos contos de fantasia mais honestos que existem - e precisamente por não aspirar a ser mais do que é, ele consegue ser mais do que parece-, mas também um dos melhores romances que a literatura do absurdo produziu.

Será que ninguém vai pensar em crianças?

"E a moral dessa história é ... Uau, esqueci!"

"Talvez eu não tenha moral", Alicia se atreveu a observar.

"Claro que tem uma moral!" Exclamou a Duquesa. Tudo tem sua moral, o caso é encontrá-la.

Entre as principais críticas que recebeu Alice no Pais das Maravilhass, especialmente no momento de sua publicação, descobrimos que falta moral. É um conto à frente de seu tempo, livre do entediante ar moralista de outros contos.. A moral não é imposta pelo autor, mas cada um pode encontrar uma diferente em suas páginas.

Esta amoralidade do romance permite-lhe apresentar situações absurdas, cruéis e ilógicas sem qualquer escrúpulo. Nenhum deles pretende dar uma lição a Alice, apenas fazê-lo duvidar do que até então considerava "realidade" e "sanidade".

A importância da linguagem

"Quer dizer que você pode encontrar a solução para o enigma?" Disse a Lebre de Março.

"Exatamente", respondeu Alicia.

"Nesse caso, você deve falar o que pensa", insistiu a Lebre.

"É o que estou fazendo", respondeu Alicia, "ou pelo menos quero dizer o que estou dizendo, o que equivale à mesma coisa."

"Como pode ser o mesmo?" Exclamou o Chapeleiro. É o mesmo dizer "Eu vejo o que como" e "Eu como o que vejo"?

"Como pode ser o mesmo!" Cantou a Lebre de Março. É o mesmo dizer "Gosto do que tenho" e "Tenho o que gosto"?

É evidente, logo após lermos o romance, que Lewis Carroll atribui grande importância à linguagem. A grande maioria das situações cômicas, e não tão cômicas, que nela se desenvolvem são o resultado jogos de palavras ou mal-entendidos linguísticos.

Devido a isto, muitos autores quiseram ver em Carroll um precursor do filósofo Wittgenstein, especialmente no que diz respeito à sua teoria sobre isomorfismo ou "identidade entre linguagem e realidade." Por outro lado, sua famosa citação “tudo o que pode ser dito pode ser dito com clareza; e o que não se pode falar, é melhor calar a boca », de Tractatus Lógico-Philosophicus, é aplicado em muitas das passagens do romance.

O sorriso icônico do Gato de Cheshire, um dos mais famosos secundários de Alice no País das Maravilhas.

Descendo pela toca do coelho

"Bem, ele está dois dias atrasado!" O Chapeleiro suspirou. Já te falei que manteiga não dá certo! Ele acrescentou, olhando para a Lebre.

—E isso era do melhor qualidade ', disse a lebre arrependida.

"Claro, mas a manteiga deve ter grunhido algumas migalhas", rosnou o Chapeleiro; Você não deveria ter manchado o relógio com a faca de pão.

A Lebre de Março pegou o relógio, examinou-o com grande preocupação e mergulhou-o pesarosamente na xícara de chá; Então ele examinou novamente, mas não conseguiu pensar em nada melhor do que repetir o que ele havia dito antes:

"Era manteiga do melhor qualidade!

Muitas razões podem ser dadas por que Alice no Pais das Maravilhass é uma boa história, mas encerrarei com a mais óbvia de todas: é divertida. É uma história que nunca aborrece, que surpreende e que vai crescendo até ao fim. Muitas vezes esquecemos que o principal motivo de ler um livro é porque é divertido, algo que nos lembra, e mais do que realiza, o trabalho de Carroll.

O que à primeira vista parece uma história infantil contém uma história fascinante. Mas não nos iludamos: é uma história infantil. Embora isso não signifique que os adultos sejam incapazes de aproveitá-la, uma vez que em sua honestidade reside sua força e beleza. Nietzsche disse que "há espíritos que turvam suas águas para fazê-las parecer profundas". No caso de Alice no País das Maravilhas é exatamente o contrário: é como olhar o fundo de um rio, talvez absurdo e ilógico, mas transparente.

"Que mania de discutir todas essas criaturas têm!" Alicia murmurou. É que eles a deixam louca! [...] Nada ... não adianta conversar com ele! Alicia estava dizendo desesperadamente. Ele é um idiota perfeito!


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

bool (verdadeiro)