A festa da cabra

Mário Vargas Llosa.

Mário Vargas Llosa.

A festa da cabra (2000) é um romance de ficção histórica escrito pelo ilustre peruano vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, Mario Vargas Llosa. O enredo é baseado em registros históricos relacionados ao assassinato do ditador dominicano Rafael Trujillo, embora vários de seus personagens nunca tenham realmente existido.

Além disso, a reconstrução magistral dos eventos gira em torno de três histórias que se cruzam. O primeiro enfoca Urânia Cabral, uma jovem que retorna à República Dominicana para encontrar seu pai doente. O segundo analisa os últimos dias da vida de Trujillo e o terceiro enfoca os assassinos do ditador.

Sobre el autor

Jorge Mario Pedro Vargas Llosa nasceu em Arequipa, Peru. Ele veio ao mundo em 28 de março de 1936. É o único filho do casamento de Ernesto Vargas Maldonado com Dona Llosa Ureta. O pequeno Jorge Mario passou a primeira parte de sua infância com sua família materna em Cochabamba, Bolívia, porque seus pais foram separados entre 1937 e 1947. Lá ele estudou no Colégio La Salle.

Após uma breve estada em Piura com sua mãe e avô materno, o futuro autor mudou-se para Lima após a reconciliação de seus pais. Com o Sr. Ernesto Vargas sempre manteve uma relação turbulenta, pois o pai se irritava e mostrava animosidade com a inclinação literária do filho. Na capital peruana estudou em uma instituição cristã.

Primeiros empregos

Aos 14 anos, seu pai o matriculou na Academia Militar de Leôncio Prado, um internato muito rígido que serviria de cenário para o futuro escritor de seu primeiro romance, A cidade e os cães (1963). Em 1952 iniciou sua carreira jornalística no jornal The Chronicle de Lima como repórter e entrevistador local.

Sua primeira publicação artística foi uma peça teatral, A fuga do inca (1952), apresentado em Piura. Nessa cidade concluiu o bacharelado na escola San Miguel e trabalhou para o jornal local Indústria. Em 1953 iniciou seus estudos em Direito e Literatura na Universidade San Marcos de Lima.

Primeiro casamento e mudança para a Europa

Em 1955, ele se casou secretamente com sua tia cunhada Julia Urquidi (este escândalo inspirou os eventos narrados em Tia Julia e o Escriba). O casal se divorciou em 1964. Enquanto isso, Vargas Llosa fundou - junto com Luis Loayza e Alberto Oquendo - o de Cadernos de composição (1956–57) e por Revista de Literatura (1958–59). Em 1959 viajou para Paris, onde trabalhou para a Rádio Televisão Francesa.

Nesse mesmo ano, Vargas Llosa publicou seu primeiro livro, Os chefes, uma compilação de histórias. Mais tarde, com A cidade e os cães (1963) o autor peruano aderiu ao grande "boom" das letras latino-americanas junto com os "heróis" García Márquez, Juan Rulfo, Carlos Fuentes, Jorge Luis Borges, Julio Cortázar, Ernesto Sábato e Mario Benedetti.

Consagração

Sucesso permitido Mario Vargas Llosa deixando para trás os tempos de carência financeira, pôde, portanto, dedicar-se inteiramente à escrita. Scasou-se em 1965 com a sobrinha de sua primeira esposa, Patricia Urquidi, com quem teve três filhos: Álvaro (1966), Gonzalo (1967) e Morgana (1974). Em 1967, mudou-se para Londres, onde trabalhou como professor no Queens Mary College.

Durante os anos seguintes, ele morou por um período em Washington e depois em Porto Rico. Em 1971 obteve o Doutorado em Filosofia e Letras na Universidade Complutense de Madrid. Sua tese de doutorado, García Márquez, a história de um deicídio (1971), reflete parte da obra magistral de Vargas Llosa como crítico literário.

Pensamento político

Ao longo de sua vida, Mario Vargas Llosa mostrou grandes contrastes em seu pensamento político. Durante sua juventude, ele foi um defensor das tendências conservadoras cristãs e contra todas as ditaduras. Durante os anos 60 teve uma aproximação significativa com a Revolução Cubana de Che Guevara e Fidel Castro.

Em 1971, o chamado “caso Padilla” gerou uma ruptura definitiva com o comunismo. Já na década de 70, ele estava mais inclinado ao liberalismo moderado e se candidatou à presidência do Peru. Ele foi derrotado por Alberto Fujimori nas eleições de 1990.

Seu trabalho em números

Em 1993, Vargas Llosa jurou a bandeira espanhola. Um ano depois, ele foi admitido na Real Academia Espanhola. Até a data, Sua obra inclui 19 romances, 4 livros de histórias, 6 livros de poesia, 12 ensaios literários e 10 peças, entre muitas outras publicações jornalísticas., documentários, traduções, entrevistas, discursos e memórias.

Mais importantes elogios e prêmios

Um artigo separado poderia ser elaborado apenas sobre as obras decoradas na América Latina de Mario Vargas Llosa. Embora, sem dúvida, seus marcos mais proeminentes tenham sido os seguintes:

  • Prémio Príncipe das Astúrias de Literatura (1986).
  • Prêmio Miguel de Cervantes (1994).
  • Prêmio Nobel de Literatura (2010).
  • Doutorado Honoris Causa:
    • Universidade Hebraica de Jerusalém. Israel (1990).
    • Queens Mary College da Universidade de Londres. Reino Unido (1990).
    • Faculdade de Connecticut. Estados Unidos (1990).
    • Universidade de Boston. Estados Unidos (1990).
    • Universidade de Harvard. Estados Unidos (1999).
    • Universidad Mayor de San Marcos. Peru (2001).
    • Universidade Nacional Pedro Ruiz Gallo. Peru (2002).
    • Universidade Simon Bolivar. Venezuela (2008).
    • Universidade de Tóquio. Japão (2011).
    • Universidade de Cambridge. Reino Unido (2013).
    • Universidade de Burgos. Espanha (2015).
    • Diego Portales University. Chile (2016).
    • Lima University. Peru (2016).
    • Universidade Nacional de San Agustín de Arequipa. Peru (2016).

Análise de A festa da cabra

A festa da cabra.

A festa da cabra.

Você pode comprar o livro aqui: Nenhum produto encontrado.

Contexto

Oficialmente, Rafael Leónidas Trujillo Molina foi ditador da República Dominicana entre 1930-1938 e 1942-1952. Na realidade, Trujillo deteve o poder de fato por quase 31 anos (até seu assassinato em 1961). Nesse sentido, há um paralelo metafórico com a canção merengue "Eles mataram a cabra", citada por Vargas Llosa no início do livro. Daí o título do livro.

Símbolos

A impotência sexual do ditador

Ao longo do livro, Trujillo demonstra um comportamento obsessivo em relação ao seu corpo e seus rituais diários (higiene pessoal, uniforme, itinerário exato) ... Da mesma forma, para reafirmar sua posição dominante, o presidente costumava levar esposas e parentes de membros de seu governo.

Portanto, quando o autocrata começa a apresentar sintomas de incontinência e impotência sexual, ele vê essa circunstância como um enfraquecimento de sua pessoa e de seu regime. É mais, sua disfunção erétil questiona sua percepção de si mesmo (o salvador do "macho alfa" do país).

O silêncio cúmplice

O personagem Augusto Cabral não consegue responder às questões levantadas pela filha. Esta omissão representa a cumplicidade indispensável de terceiros para a consolidação de qualquer ditadura. Portanto, Dom Augusto não consegue justificar a crueldade de Trujillo nem a falta de justiça, antes e depois da morte do ditador.

A casa da família Cabral

A casa da família Cabral reflete a decadência de um país outrora esplêndido que foi demolido por décadas de tirania. Essa casa é uma sombra daquela habitada por Urânia na sua infância, é um local tão deteriorado como a saúde do seu dono.

Urânia Cabral

Urania representa um país inteiro indignado por Trujillo há trinta anos. Ela, que se orgulhava de manter a castidade perante a família, foi entregue pelo próprio pai ao ditador como forma de demonstrar sua lealdade. Apesar do aborrecimento sofrido, no final da história Urânia decide restabelecer os laços com a família. Que, simboliza a esperança de reconciliação de um país.

As irmãs mirabal

Essas irmãs não aparecem diretamente na narrativa, mas representam o poder da resistência feminina ao despotismo. Eles se tornaram mártires após serem executados pelo regime devido ao seu papel como líderes estudantis. Por isso, são lembradas como heroínas pelos precursores da trama que culminou com a morte de Trujillo.

Paradoxos

Vargas Llosa descreve as grandes contradições presentes em um país totalmente corrompido, onde seus políticos fariam qualquer coisa para sobreviver. Isso é palpável na narração da indignação sofrida por Urânia Cabral. Que prometeu permanecer virgem se Trujillo perdoasse seu pai, mas seu pai decidiu entregá-la ao ditador para ganhar o perdão.

Da mesma forma, Joaquín Balaguer - conhecido como o “presidente fantoche” - conseguiu escapar impunemente após a morte do tirano (mesmo estando intimamente ligado ao regime). Na verdade, Balaguer foi uma figura chave no controle da família Trujillo e na promoção da transição para a democracia.

O enredo

Citação de Mario Vargas Llosa.

Citação de Mario Vargas Llosa.

Para realizar o assassinato de Trujillo, foi necessária a participação de muitos membros do governo. Afinal, mesmo os mais altos funcionários do regime queriam a queda do ditador. Bem, ninguém queria estender a paranóia e o terrorismo de estado existentes, estabelecidos por meio dos serviços secretos encarregados de suprimir qualquer indício de conspiração.

Algumas metáforas notáveis

  • “Era preciso liquidar a pessoa em quem convergiam todos os fios daquela teia negra” (p. 174).
  • “O trujillismo é um castelo de cartas” (p. 188).
  • "Isso é política, abrir caminho por entre os cadáveres" (p. 263).

O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Gustavo Woltman dito

    Li muitas obras de Vargas Llosa, ele é um escritor magnífico, suas histórias são cativantes. Não tive o prazer de ler a Fiesta del Chivo, mas tenho, e com este artigo em mente, acho que terei tendência a fazê-lo.
    -Gustavo Woltmann.

bool (verdadeiro)