A beleza da corrente

As teorias mais contemporâneas que trabalham, desde a filosofia, em conceitos relevantes para a Estética e o conceito de Arte e Beleza têm tal magnitude que não seria bom deixar de comentar o último livro lido.

Hans-Georg Gadamer é o autor deste livro, denominado «A beleza da atual ", e que faz um percurso histórico, desde os grandes clássicos gregos, até vários conceitos e pontos de vista trabalhados em diferentes períodos da história ocidental, para poder responder a questões de difícil resolução. Existe uma ligação entre a arte do passado e a arte do presente? Por que a arte precisa de uma justificativa para a sociedade? E para responder, ele apela não só para essa jornada histórica, mas também para as várias definições que na boca de diferentes personagens influentes tiveram conceitos como Beleza, Arte e Estética.

E termina concluindo, depois de um percurso primoroso que vale cada palavra e cada ideia difícil de compreender, dizendo que existem três etapas, ou seja, as formas como a arte e as comunidades se relacionaram, em todos os tempos, lugares e culturas. . O jogo, o símbolo e a festa são aqueles três elementos que proporcionam a relação entre dois tempos, entre vários conceitos. A proximidade entre uma arte clássica, já morta segundo as palavras de Hegel, e uma arte contemporânea, morrendo segundo os teóricos da escola de Frankfurt, ou talvez em constante transmutação por sua qualidade como técnica de reprodução.

Gadamer foi um filósofo alemão nascido em 1900 e falecido em março de 2002. Ele teve a sorte de testemunhar grandes mudanças na mentalidade dos espectadores, ou destinatários se quiserem, da arte. Observador vivo da evolução de uma arte mais clássica, em direção a rupturas estéticas de enorme valor para as mentes dos artistas e seus destinatários. Pertencente à linha da filosofia hermenêutica, a sua busca sempre se baseou naquilo que o mais clássico dos filósofos gregos assim afirmou: «Eu só sei que não sei nada«. Gadamer confiou, ao realizar todo o seu trabalho filosófico, a ideia de fazer perguntas, em vez de encontrar respostas precisas. Em gerar diálogos entre diferentes tempos e modos de perceber, ver, conhecer a realidade imediata, e não.

Um texto que não se perde, e que apesar de um certo grau de dificuldade que tem para leitores não habituados, devo dizer que está em êxtase até ao fim das páginas.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   MARTA dito

    OBRIGADO!

bool (verdadeiro)