+7 poemas escritos por mulheres

Existem muitos poetas no mundo

Porque em muitas ocasiões eles foram silenciados; porque por motivos que ainda persistem e que não entendemos, ainda são ignorados em relação ao sexo masculino; porque têm tanta qualidade quanto as escritas por homens; porque é literatura também e aqui, neste blog literário, a gente se dedica a falar de boa literatura ... Por todos esses motivos e mais que eu poderia continuar a dar a vocês, hoje trago um artigo com 5 poemas escritos por mulheres.

Julgue por si mesmo ... Ou melhor ainda, não julgue, apenas aproveite ...

A primeira poetisa do mundo

Muitos poemas famosos foram escritos por mulheres

Apesar de as mulheres terem ficado em segundo plano em todas as artes, a verdade é que foram elas que se destacaram em alguns casos. E o que não se sabe é que, o primeiro poeta, era uma mulher, e não um homem. Falamos de Enheduanna, filha do Rei Sargão I de Acad.

Enheduanna era a sacerdotisa de Nanar, o deus lunar sumério. Em sua época, o poder político e o religioso eram um, e é por isso que ela participava do governo de Ur. Ela também foi, como já dissemos, a primeira poetisa do mundo.

A poesia de Enheduanna é caracterizada por ser de natureza religiosa. Ele o escreveu em tábuas de argila e em escrita cuneiforme. Quase todos os poemas eram dirigidos ao deus Nanar, ao templo, ou mesmo à deusa Inanna, que protegia a dinastia Akkad (à qual ela pertencia).

Na verdade, um dos poemas preservados é o seguinte:

A exaltação de Enheduanna a Inanna

INNANA E AS ESSÊNCIAS DIVINAS

Senhora de todas as essências, luz plena, boa mulher

vestido com esplendor

quem o céu e a terra te amam,

amigo do templo de An

voce usa grandes ornamentos,

você deseja a tiara da alta sacerdotisa

cujas mãos seguram as sete essências,

você os escolheu e pendurou em sua mão.

Você reuniu as essências sagradas e as colocou

apertado em seus seios

INNANA E AN

Como um dragão, você cobriu o chão com veneno

como um trovão quando você ruge sobre a terra

árvores e plantas caem em seu caminho.

Você é uma inundação descendo de

uma montanha,

Oh primário,

Deusa Lunar do Céu e da Terra!

seu fogo sopra e cai

nossa nação.

Senhora montada em uma besta,

Ainda lhe dá qualidades, ordens sagradas

e você decide

você está em todos os nossos grandes ritos

Quem pode te entender?

INNANA E ENLIL

As tempestades te emprestam asas

destruidor de nossas terras.

Amado por Enlil, você sobrevoa nossa nação

você cumpre os decretos de An.

Minha senhora, ouvindo seu som

colinas e planícies reverenciam.

Quando estivermos diante de você

apavorado, tremendo em sua luz clara

tormentoso,

nós recebemos justiça

nós cantamos, nós lamentamos por eles e

nós choramos antes de você

e nós caminhamos em sua direção por um caminho

da casa de grandes suspiros

INANA E ISHKUR

Você derruba tudo na batalha.

Oh minha senhora em suas asas

você carrega a terra colhida e você ataca

mascarado

em uma tempestade de ataque,

Você ruge como uma tempestade violenta

você troveja e continue trovejando e bufando

com ventos malignos.

Seus pés estão inquietos.

Em sua harpa de suspiros

Eu ouço seu canto

INNANA E A ANUNNA

Oh minha senhora, a Anunna, os grandes

Deuses,

Batendo as asas como morcegos na sua frente,

eles são levados em direção aos penhascos.

Eles não têm coragem de andar

diante do seu terrível olhar.

Quem pode domar seu coração furioso?

Não menor Deus.

Seu coração malévolo está além

temperança.

Senhora, você seda os reinos da besta,

você nos faz felizes.

Sua fúria está além do tremor

Ó filha mais velha de Suen!

Quem já te negou

reverência,

Senhora, supremo na terra?

INANNA E EBIH

Nas montanhas onde você não está

reverenciado

a vegetação está amaldiçoada.

Você transformou seu

grandes ingressos.

Para você os rios estão cheios de sangue

e as pessoas não têm nada para beber.

O exército da montanha está vindo em sua direção

cativo

espontaneamente

Desfile de jovens saudáveis

antes de você

espontaneamente

A cidade dançante está cheia de

tormenta

dirigindo homens jovens

para vocês, cativos.

Outros poemas de mulheres que você deveria saber

Gosta de ler poemas escritos por mulheres

As mulheres sempre fizeram parte do mundo e, portanto, também foram criadoras. Eles inventaram objetos, realizaram múltiplas artes (literatura, música, pintura, escultura ...).

Com foco na literatura, a mulher deixou uma marca em seu passo. Na poesia, muitos nomes femininos se destacam, como: Gloria Fuertes, Rosalía de Castro, Gabriela Mistral ...

Mas a verdade é que eles não são os únicos. Portanto, aqui deixamos vocês outros poemas escritos por mulheres para você descobrir.

«Eu me levanto» (Maya Angelou)

Você pode me descrever na história

com mentiras distorcidas,

Você pode me arrastar para o próprio lixo

Ainda assim, como poeira, acordo.

Minha insolência deixa você perplexo?

Porque eu ando como se tivesse poços de petróleo

Bombeando na minha sala de estar.

Assim como as luas e os sóis,

Com a certeza das marés,

Como as esperanças que voam alto

Apesar de tudo, eu me levanto.

Você gostaria de me ver destruído?

Com a cabeça baixa e os olhos baixos?

E os ombros caíram como lágrimas.

Enfraquecido por meus gritos emocionantes.

Minha arrogância ofende você?

"O Anel" (Emily Dickinson)

No meu dedo eu tinha um anel.

A brisa entre as árvores estava errada.

O dia estava azul, quente e bonito.

E eu dormi na grama fina.

Quando acordei parecia assustado

Minha mão pura na tarde clara.

O anel entre o meu dedo se foi.

Quanto eu tenho agora neste mundo

É uma lembrança de cor dourada.

"Milionários" (Juana de Ibarbourou)

Pegue minha mão. Vamos para a chuva

descalço e com pouca roupa, sem guarda-chuva,

com o cabelo ao vento e o corpo na carícia

oblíqua, refrescante e pequena, da água.

Deixe os vizinhos rirem! Como somos jovens

e nós dois nos amamos e gostamos da chuva,

seremos felizes com alegria simples

de uma casa de pardais que se acalma na estrada.

Além estão os campos e a estrada da acácia

e o quinto suntuoso daquele pobre senhor

milionário e obeso, que com todo o seu ouro,

Eu não poderia nos comprar um grama do tesouro

inefável e supremo que Deus nos deu:

seja flexível, seja jovem, seja cheio de amor.

"O capricho" (Amparo Amorós)

Eu quero estar pronto e viajar

em um luxuoso avião privado

levar o corpo para se bronzear

para Marbella e aparecer à noite

nas festas que as revistas tiram

entre nobres, meninos brincalhões, meninas bonitas e artistas;

casar com um conde mesmo que ele seja feio

e dar minhas pinturas a um museu.

Eu peguei o perrengue para sair

na capa da Vogue por usar

colares cintilantes com diamantes

nos decotes mais deslumbrantes.

Outros que são piores conseguiram

com base na assinatura de um bom marido:

aqueles que são ricos e velhos concordam

se então você pode mantê-los longe

para ligar você a um curdo amoroso

montando assim um caso escandaloso.

Mamãe, mamãe, ainda definida eu quero ser

e a partir de hoje vou propor!

"The Manor Garden" (Sylvia Plath)

As fontes ressecadas, as rosas acabam.

Incenso de morte. Seu dia está chegando.

As peras engordam como o mínimo de Budas.

Uma névoa azul, rêmora do lago.

E você está cruzando a hora do peixe,

os séculos orgulhosos do porco:

dedo, testa, pata

surja da sombra. Feeds de história

aqueles sulcos derrotados,

aquelas coroas de acanto,

e o corvo apazigua suas roupas.

Urze desgrenhada que você herda, abelha éltra,

dois suicidas, lobos penitentes,

horas negras. Estrelas duras

que amarelando eles já estão subindo para o céu.

A aranha em sua corda

o lago atravessa. Os vermes

eles deixam seus quartos sozinhos.

Passarinhos convergem, convergem

com seus dons para limites difíceis.

"Auto-eutanásia sentimental" (Gloria Fuertes)

Eu saí do caminho
não atrapalhar,
por não gritar
versos mais lamentosos.
Passei muitos dias sem escrever,
sem te ver,
sem comer, mas chorando.

“Queixa-se da sorte” (Sor Juana)

Em me perseguir, mundo, no que você está interessado?
Como te ofendo quando apenas tento
coloque belezas no meu entendimento
e não meu entendimento nas belezas?

Eu não valorizo ​​tesouros ou riquezas,
e isso sempre me deixa mais feliz
coloque riquezas no meu entendimento
do que minha compreensão em riquezas.

E eu não estimo a beleza que expirou
É um despojo civil de todos os tempos
nem gosto de riqueza fementida,

tirando o melhor das minhas verdades
consumir vaidades da vida
do que consumir a vida em vaidades.

“O amor que cala” (Gabriela Mistral)

Se eu te odiasse, meu ódio te daria
em palavras retumbantes e seguras;
mas eu te amo e meu amor não confia
a essa conversa de homens, tão sombria.

Você gostaria que se transformasse em um grito,
e vem de tão profundo que se desfez
seu fluxo em chamas, desmaiou,
antes da garganta, antes do peito.

Eu sou o mesmo que um lago cheio
e eu pareço para você uma fonte inerte.
Tudo pelo meu silêncio conturbado
o que é mais hediondo do que entrar na morte!

"A carícia perdida" (Alfonsina Storni)

A carícia sem causa sai dos meus dedos,
sai dos meus dedos ... Com o vento, conforme passa,
a carícia que vagueia sem destino ou objeto,
a carícia perdida quem vai pegá-lo?

Eu poderia amar esta noite com infinita misericórdia,
Eu poderia adorar o primeiro a chegar.
Ninguém vem. Eles são apenas os caminhos floridos.
A carícia perdida vai rolar ... rolar ...

Se nos olhos eles te beijarem esta noite, viajante,
se um suspiro doce sacode os galhos,
se uma pequena mão pressiona seus dedos
que te leva e te deixa, que te alcança e te deixa.

Se você não vê aquela mão, nem aquela boca beijando,
se é o ar que tece a ilusão de beijar,
oh, viajante, cujos olhos são como o céu,
No vento derretido, você vai me reconhecer?

“Dizem que as plantas não falam” (Rosalía de Castro)

Dizem que as plantas não falam, nem as fontes, nem os pássaros,
Nem ele acena com seus rumores, nem com seu brilho as estrelas,
Dizem, mas não é verdade, porque sempre que eu passo,
De mim eles murmuram e exclamam:
—Lá vai a louca sonhando
Com a eterna primavera da vida e dos campos,
E muito em breve, muito em breve, seu cabelo estará grisalho,
E ela vê, tremendo, gelada, que a geada cobre o prado.

"Há cinza na minha cabeça, há geada nos prados,
Mas continuo sonhando, pobre sonâmbulo incurável,
Com a eterna primavera da vida que se extingue
E o frescor perene dos campos e almas,
Embora alguns estejam secos e outros sejam queimados.

Estrelas e fontes e flores, não murmure sobre meus sonhos,
Sem eles, como te admirar ou como viver sem eles?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Ana maria serra dito

    Excelente escolha de autores e poemas. É viajar no tempo temas clássicos do olhar feminino e da realidade, sempre atuais, expressos de acordo com as técnicas de cada época. Parabéns.