5 livros para 5 continentes

A literatura é como um tapete mágico, que podemos usar a qualquer momento para cruzar as nuvens, nos esgueirar pelas brechas do mundo e de sua história, para mergulhar na intimidade de um personagem a quilômetros de nós. espreguiçadeira verão. A próxima revisão chamada 5 livros para 5 continentes propõe uma viagem global para se maravilhar com o mundo das letras e compreender a realidade deste e de outros tempos.

O Diário de Anne Frank (Europa)

Ana Frank

Da inocência e do medo podem surgir as verdades mais terríveis do mundo. Se você também se atreve a traduzi-los em um livro, o resultado torna-se um testemunho único para as próximas gerações, no que diz respeito a torná-los conscientes dos erros que o ser humano não deve cometer novamente. Refugiada no depósito de um prédio em Amsterdã, fugindo dos nazistas com sua família, a judia Anna Frank, apenas 13 anos de idade, ele registrou seus próprios medos, os de um continente inteiro.

Tudo desmorona, de Chinua Achebe (África)

Antes da chegada do homem branco, a África era algo semelhante a outra dimensão, nem melhor nem pior, mas diferente. Um lugar onde os homens viviam com uma magia que não precisava de outros deuses, onde a terra era coletada e a espiritualidade governava a vida de seus súditos, suas danças e rituais, seus códigos éticos e suas tradições ancestrais. Até que o homem branco e algumas pitadas de manipulação chegaram. Achebe, natural da Nigéria, onde localizou a cidade fictícia de Umuofia, conhecia melhor do que poucos escritores de sua época as muitas faces do colonialismo no maior continente do mundo.

As Mil e Uma Noites (Ásia)

Quando um manuscrito das Mil e Uma Noites entrou na Europa no século XNUMX (eles foram compilados dez séculos antes), o mundo ocidental não acreditou no frescor de todas aquelas histórias contadas a um sultão sanguinário por Scheherazade, possivelmente o contador de histórias mais famoso da literatura. Composto por tapetes mágicos, gênios em lâmpadas, mercadores ambiciosos e ilhas que se moviam de um lugar para outro, As Mil e Uma Noites continua a evocar um mundo exótico e sugestivo onde se encaixam narrativas da Índia, Pérsia, Irã, Egito e até da China.

Tierra Ignota, de Patrick White (Oceania)

Vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1973, Patrick White definiu a história de seu país australiano como poucos em Uncharted Land, um trabalho que abrange uma expedição iniciada em 1845 de Sydney pelos olhos de Voss, um explorador alemão que comandou uma jornada por terras aborígenes onde ninguém que ele ainda conhece o homem branco. A obra-prima daquele considerado pelo The New York Times como «figura mais importante da ficção australiana»Define perfeitamente uma era e um continente forjado por centenas de contrastes.

Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez (América)

Se há um romance capaz de transformar um continente em metáfora, especificamente a América Latina, Cem anos de solidão é possivelmente a obra mais adequada. Porque além das intrigas familiares de a Buendía, O romance de Gabo foi um testemunho do realismo mágico da colômbia, o domínio econômico dos Estados Unidos e a evolução dos povos do Terceiro Mundo. Também o de um universo que definiria o chamado Boom latino-americano, levando todos os círculos culturais do mundo a voltar o olhar para as terras de Octavio Paz, Mario Vargas Llosa ou Isabel Allende.

Quais seriam seus 5 livros para 5 continentes?


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   maria angelica yasenza de santana dito

    Dentro das minhas limitações, posso escolher outro livro de Gabo da América, mas neste ele fala de amor como poucos escritores falam. “Amor em tempos de cólera”. Um grande amor que não tem fronteiras, nem anos, nem espaços. Dentro de uma Colômbia atormentada por revoluções, como muitos dos outros países latino-americanos. Um amor eterno e único. aqui a magia está na descrição dos sentimentos dos personagens.
    Para a Europa, escolho Kafka e Camus. A narrativa clara em A Metamorfose, por exemplo, e a filosofia de Camus no exterior.

bool (verdadeiro)