5 grandes nomes do quadrinho: Ibáñez, Escobar, Vázquez, Segura e Peñarroya

Da esquerda para a direita e de baixo para cima: Manuel Vázquez, José Peñarroya, Francisco Ibáñez, Roberto Segura e José Escobar

15 de março passado Francisco Ibanez completou 83 anos e 31 foi o aniversário da morte de Jousou escobar em 1994. Ambos são possivelmente o duas pontas de lança de uma série de cartunistas e cartunistas históricos do nosso quadrinho.

Hoje eu quero honre-os eles e três outros nomes que também gostei muito: Jose Peñarroya (Don Pío, Pepe o torcedor, Pitagorín), Manuel Vazquez (As irmãs Gilda, Anacleto) e Roberto Segura (O panda, Lily, Rigoberto Passepartout). Por tantos bons momentos ...

Meus resfriados, o quiosque de Madrid e sapristi!

Ninguém diz - nem sabe o que é - "Sapristi!" (um galicismo deformado), mas quem já tem uma certa idade aprendeu com Mortadelo e Filemón. Igual que nós aprendemos a ler (quando as maiúsculas não eram acentuadas) com aqueles quadrinhos. E sempre que vou para casa, fico pegando um gibi da minha coleção, que guardo como ouro em um pano, para relê-lo e me sentir tão bem como quando era criança.

Embora eu só os leia então, especialmente quando Fiquei resfriado com febre e eu tinha que ficar na cama e não ir para a escola (bom!). A caxumba, a constipação ou o que quer que seja, não me lembro mais. Mas eu estou na cama com a pilha de quadrinhos ao lado.

Outro grande momento foi ir para madrid algum fim de semana na casa das minhas tias. No quiosque abaixo meu pai sempre comprava para nós, dos compridos, como os da coleção Ole de Bruguera. O Super humor eles já eram o soma. Mas gostei de todos eles.

Da minha coleção de quadrinhos. O Carrossel e a Thumbelina são da minha tia e estão com mais de 60 anos. Capas de Escobar, RAF, Ibáñez, Vázquez e Segura.

Big 5

Existem muitos mais, como RAF (do qual eu falei neste artigo), Schmidt, Matias Guiuetc, mas eu decidi sobre estes. Todos concordaram com a lendária editora Bruguera e pertencem à sua escola.

Jose Peñarroya

De Peñarroya, natural da Forcall de Castellón e amigo de Cifré (outro grande) e de Escobar, gostei das linhas circulares de seus desenhos e também do desbotamento das vinhetas. Don pio, com aquela franqueza que o caracterizava, adorei, assim como Pitagorina y Chubby Stuffed, E claro Pepe o Ventilador.

Manuel Vazquez

Vázquez madrilenho foi retratado no cinema por Santiago Segura há alguns anos e é quase um personagem de banda desenhada sozinho. Que digo! É totalmente. Ibáñez transferiu seu fama de inadimplente no papel e o transformou naquele habitante do sótão de 13, Rue del Barnacle, que está sempre preso e com credores batendo em sua porta todos os dias.

Mas além dos mitos, Vázquez criou uma série de personagens inesquecíveis como Anacleto, o adorável paz da vovó, o tremendo Irmãs gilda ou o Família Churumbel ou os grandes Cebolinha. Mais de centenas de histórias em quadrinhos e capas.

Roberto Segura

De Badalona, ​​Segura também pertence àquele tão fértil e grande geração de 57 que se reuniram em Bruguera. E gostei especialmente de suas histórias e personagens por seus traços expressivos, além da diversão de seus roteiros.

Rigoberto Picaporte, um grande solteirão, Os senhores de Alcorcón e o preguiçoso Pepón, broca de pepe, Capitão Serafin e Cabin Devil... E quando mudei para mais quadrinhos de "garotas" como Esther (do enorme Purita Campos), Eu amei Piluca y Lírio.

Jose Escobar

E passo para a dupla final de histórico e eterno, porque Escobar é um. O quadrinho espanhol não pode ser entendido sem ele e suas criações continuam enganchando. Nem se compreende - nem se pode apreciar - a história da segunda metade do século XX deste país se não houvesse Barraca, uma Petra, criado para tudo e, claro, sem o tremendo Zipi e Zape.

Francisco Ibanez

Lá continua. Uma lenda viva ao pé do desfiladeiro. Com certeza ele se despedirá com um lápis nas mãos e quando ele desaparecer, não haverá outro. Eles são todos incomparáveis, mas Ibáñez já transcende a si mesmo. É impossível destacar tantas coisas sobre ele. Por seu tenacidade, De incrível capacidade de trabalho e talento intransigente. Ninguém tem suas marcas

Seus personagens, os mais famosos, seguiram e amaram. Nas prateleiras de qualquer livraria você vê centenas e centenas de volumes com seu sobrenome. Os Mortadelos, os SuperMortadelos, os especiais do 30º, 40º, 50º e agora 60º aniversário, que se vão dizer em breve.

Nenhum supera Mortadelo e Filemón, são os maiores agentes da TIA no mundo. Mas eles também gostam. Os botões Sacarina, Rompedores de telhado, A família Intriga, Pepe Gotera e Otilio... E minha fraqueza, que 13, Rue del Barnacle, todo um retrato social em um plano surrealista de quase 60 anos também.

Em definitivo

Que não pare de ler quadrinhos (Eu resisto ao "quadrinho" para esses nomes) e redescobri muito mais do que aqueles autores que encheu nossa infância de bom humor e imaginação.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Maria dito

    Eu adorava quadrinhos. Ele os devorou ​​sem parar, um após o outro. Zipi e Zape, Mortedelo, Lily, Esther e seu mundo, Carpanta, Abuelita Paz, Pitagorín, Anacleto, Don Pío, 13 rue del Percebe, Floripondia Piripí, está animado para dizer sim, Petra, Caty a menina gata ... e assim muitos outros Horas e horas lendo e relendo aqueles magníficos quadrinhos. Ainda tenho um velho e de vez em quando compro um velho, e é que quarenta e tantos anos depois, não me canso de lê-los. E o que aprendi com eles! Hoje as pessoas não leem, nem mesmo as pessoas que estão se formando para ser professoras. Muito triste, na verdade. A era digital nos deu muito, mas também adquiriu muitas coisas, inclusive o hábito saudável e necessário da leitura.

bool (verdadeiro)